O Livro do Mar, de Morten A. Strøksnes. O tubarão de verão.

Fotografia de Morten Strøksnes: (c) Bjørn Ivar Voll.

De uma hora para outra, eles vêm até nós da Norte novidades editoriais que se tornam fenômenos de best-sellers ou sucesso inesperado entre o público em geral. Aconteceu ano passado com O livro de madeira, do escritor norueguês Lars Mytting. Agora é sobre O livro do mar, por outro compatriota, Morten Strøksnes. E o que é um verão sem mar ou um grande tubarão, quase uma criatura mitológica, que ronda suas águas?

Publicado no mês passado de Junho, foi comparado a clássicos como Melville o Hemingway, trocando enormes baleias brancas por monstruosas tubarões, mas evocando uma luta semelhante à de O homem velho e o mar. Vamos dar uma olhada e ver o que é essa mistura de romance, ensaio e reflexão sobre aventura, caça e relação do homem com a natureza.

O autor

Ele nasceu em 1965, Morten Andreas Strøksnes é um historiador, escritor e fotógrafo norueguês. Depois de seus estudos em Oslo e Cambridge, começou uma ampla carreira jornalística que inclui crônicas, ensaios, perfis, colunas e resenhas para os principais jornais e revistas noruegueses, como o Morgenbladet. Ele também participa de debates públicos. Ele é o autor de oito livros, bem como relatórios literários com grande recepção e elogios da crítica. Ele se considera um escritor de viagens.

O livro do mar

Como curiosidade

O título original em norueguês, Havboka, É o mesmo que em espanhol, mas em inglês foi traduzido como Bêbado de tubarão, (tubarão bêbado), com um duplo significado. Por um lado, permite a ideia de embriaguez antes das aventuras do autor e um amigo para capturar o tubarão protagonista. Por outro lado, é mais correto dizer que se refere à espécie do animal, um tubarão boreal ou da Groenlândia. Do tamanho de um branco, pode viver 500 anos - é uma das espécies mais longevas do mundo - e sua carne contém uma toxina que produz efeitos idênticos aos de uma grande embriaguez.

Sinopse

O autor Morten Strøksnes e seu amigo Hugo Aasjord, artista e marinheiro, obcecados em capturar um tubarão boreal, eles decidem passar um ano de suas vidas tentando. O problema é que o equipamento deles não parece adequado. Eles vão em um barco inflável motorizadoEles carregam varas de pescar e, como isca, a carne podre de uma vaca.

É enquanto se espera o tubarão aparecer quando Strøksnes refletem sobre a beleza do lugar onde estão, as Ilhas Lofoten. Também sobre o oceano em sua totalidade e o que ele pode evocar. Para isso, além de mostrar grande erudição sobre o assunto, ele não se esquece de colocar um toque de humor. A aventura parece surreal, mas Strøksnes nos leva a compartilhar alguns meditações que todos nós tivemos algum dia na imensidão do mar e seus habitantes.

Ele também os expande divagando sobre os costumes dos pescadores, ciências naturais, arte, mitologia, monstros marinhos, navios ou explorações. E, claro, ele também fala sobre seu próprios sentimentos e emoçõesbem como amizade.

O que os críticos disseram

Os críticos o descreveram como um ensaio particular, uma mistura entre fantasia e narrativa de viagem, lendas nórdicas, pesquisa biológica e sono. Com as mais claras reminiscências, sobretudo, da obra de Herman Melville e de sua Moby Dick e Hemingway e O homem velho e o mar. Mas também de Júlio Verne.

Eles também comentam que, no fundo, Não é a captura do tubarão que se destaca, mas a jornada entre assustador, mas muito real e vívida, para o passado desta região muito especial da Noruega e sua história natural, seus mares indomados transbordando com as mais diversas criaturas e seu povo.

E é preciso dizer que a história já cativou milhares de leitores, entre eles, por exemplo, está um certo Jo Nesbo.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.