Movimentos Literários

Miguel de Cervantes e o Renascimento.

Miguel de Cervantes e o Renascimento.

Ao longo da história, diferentes movimentos literários se estabeleceram no mundo das letras. Cada um em seu momento, sintetizando as buscas e desejos da humanidade. Bem como seus medos e medos mais profundos. Afinal, a arte sempre funcionou como um reflexo da realidade.

Muitos dos movimentos são autoconscientes. Eles têm documentos e manifestos fundadores que dão conta de motivações, objetivos e necessidades. Na maioria dos casos, o título responde a uma revisão histórica que não inclui apenas literatura ou arte.

Período Clássico: moderação

Tudo começou na Grécia e depois se espalhou por Roma. É claro que essa é uma visão inteiramente eurocêntrica. O classicismo inclui o século XNUMX aC. C. até V d. C. Equilíbrio e harmonia eram os valores principais. Os autores se preocuparam com o espectador. Divertir era uma das motivações. Mas também exaltar a alma.

A Ilíada Homer e Rei Édipo de Sófocles são dois emblemas desta época. De uma forma ou de outra, ao longo dos anos, a literatura sempre retorna a esses autores. Além disso, a “estrutura aristotélica” continua a ser o grande paradigma quando se trata de contar histórias. Conceito que desde a invenção do cinema no final do século XIX vem reafirmando a sua validade.

Idade Média: escuridão?

A beleza deixou de ser importante. Tudo começou a girar em torno de Deus ... bem, antes pelo medo que tinha. Um período tão polêmico quanto longo. Vai desde a queda do Império Romano Ocidental até a chegada de Colombo na América. Isso coincidiu cronologicamente com a queda do Império Bizantino e a invenção da imprensa.

Os autores medievais, em geral, cumpriam uma função didática. Seu "trabalho" era promover padrões morais e fazer com que as pessoas conhecessem as regras sociais às quais deveriam se submeter. Muitos dos trabalhos sobreviveram graças à transmissão oral, o que aumenta o grau de imprecisão na análise deste período. Mesmo assim, peças fundamentais chegaram aos nossos dias. O Cante do meu cid É a prova disso.

Renascimento (da humanidade)

O retorno da luz. Muitos definem o que aconteceu em grande parte da Europa durante os séculos XNUMX e XNUMX com esta frase. Uma vingança para os movimentos clássicos que foram gestados na Grécia Antiga. É um dos momentos artísticos mais emblemáticos da história da humanidade. E embora as artes visuais e a arquitetura monopolizem todos os holofotes, a literatura é um aspecto que não pode ser ignorado.

A natureza ocupa o centro do palco. O mesmo que um olhar renovado para a filosofia, mas agora entendida como um elemento do cristianismo. Estes são os dias de Leonardo Da Vinci e Michelangelo. Este último, poeta de destaque, além de sua conhecida faceta como pintor e escultor. Shakespeare, Maquiavel e Lutero também aparecem em cena. Igual à obra mais importante em castelhano de todos os tempos: Dom Quixote por Cervantes.

A recarga barroca

O barroco parecia romper com a aparente normalidade que prevalecia durante o Renascimento. Em vigor durante o século XVII, embora mantendo o espírito do classicismo, as vozes de protesto deram origem a narrativas mais complexas na literatura. Onde não só se deu atenção aos formulários. A escolha dos temas a serem discutidos era uma questão vital

As histórias de cavalaria continuaram em voga, abrindo espaço também para contos pastorais e picarescos. Vários movimentos autoconscientes foram forjados dentro dela, muitos deles opostos uns aos outros. Como aconteceu na Espanha com o Culteranismo, representado por Luis de Góngora y Argote e o Conceptualismo, que teve seu maior expoente em Francisco de Quevedo.

Neoclassicismo: uma nova revisão dos valores usuais

Ao longo dos séculos, a humanidade desenvolveu um ritmo cada vez mais frenético. Isso se reflete perfeitamente nas artes: os “tempos mais modernos”, as divergências e as mudanças aparecem mais rapidamente. euA recarga do barroco encontrou uma resposta quase imediata com o neoclassicismo. Outro retorno ao que os gregos e romanos propuseram.

Durante o século XVIII, as cartas recuperaram seu propósito moralizador, embora desta vez com foco na razão. Os formulários ainda eram importantes, mas o objetivo era conseguir uma comunicação limpa, clara e simples. Ornamentos supérfluos foram deixados de lado. Esplendor A de Goethe é uma das peças mais representativas desse período.

Romantismo e a arte de sonhar

Durante a primeira parte do século XNUMX, o capitalismo e o pragmatismo começaram a emergir como os paradigmas atuais. A literatura não mostrou muito entusiasmo diante desse panorama e respondeu com o surgimento do Romantismo. A defesa da liberdade individual foi um dos principais motores dessa tendência. Bem como a reivindicação do subjetivismo, fantasia e intimidade.

As primeiras reportagens jornalísticas não se desenvolveram apenas com uma visão informativa ou como protesto. Estes também são vistos como uma forma de manifestação artística. A lista de nomes desse período é tão extensa quanto heterogênea: Mary Shelley, Bram Stoker, Edgar Allan Poe, Gustavo Adolfo Bécquer e um longo etc.

Realismo

O "reinado" do romantismo não durou muito. No mesmo século XIX, ele encontrou oposição no realismo. Não há mais subjetivismo, não há mais intimidade. A análise da realidade e as experiências humanas coletivas preenchem o cenário. Os sentimentos e a necessidade de fuga estão condenados ao esquecimento.

Madame Bovary Gustave Flaubert representa em non plus ultra deste período. Um romance que, além de polêmico, foi tremendamente revolucionário. Nomes como Alexandre Dumas e Henry James, entre tantos outros, também se destacam.

Modernismo

Rubén Darío e o Modernismo.

Rubén Darío e o Modernismo.

Os "tempos modernos" finalmente chegaram. No início do século XX, após um turbilhão de movimentos e contra-movimentos que surgiram no século anterior, o modernismo literário evoca, em certa medida, o passado novamente. Amor e erotismo tomam conta da cena. Fugir da passagem do tempo é novamente permitido.

As letras latino-americanas estão bastante maduras agora. O que vem da Espanha não é apenas imitado, mas também proposto. Tanto é que a grande referência das letras desse período nasceu bem no meio de um continente que sempre reivindicou sua originalidade. Falamos sobre a nicaragüense Rubén Darío e sua peça fundamental: azul.

El Avant - Garde

Franz Kafka e a vanguarda.

"Tudo contra o mundo." Talvez essa frase seja um pouco exagerada, mas as vanguardas artísticas nasceram para romper com tudo antes. Eles também surgem para questionar o valor do academicismo. É um período extremamente insatisfeito, em que a principal reivindicação se concentra na liberdade de expressão.

Ele nasceu em paralelo com o modernismo, e o mesmo istmo que freou o seu "contemporâneo" (Segunda Guerra Mundial) obrigou a sua relevância a ser revista. Nomes tão diversos quanto determinantes na história das letras aparecem entre seus expoentes. Quatro exemplos:

  • André Breton.
  • Julio Cortázar.
  • Franz Kafka.
  • Ernest Hemingway

A era do "Post"

Em certa medida, é o período que vivemos. Falamos de um pós-modernismo, bem como de uma pós-vanguarda. Em ambos, outros movimentos essenciais abundam na história da literatura. Particularmente importante para as letras latino-americanas, o realismo mágico, tendo Gabriel García Márquez como uma de suas maiores referências.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)