"Prosas profanas" a inovação de Rubén Darío

Monumento a Rubén Darío

Uma das principais virtudes de Rubén Darío Foi a renovação métrica e verbal a que submeteu a poesia graças às suas inovações neste domínio, que se fazem sentir sobretudo numa das suas obras, que nada mais é do que "Prosa Profana". Este livro, editado e publicado pela primeira vez em Buenos Aires em 1896, representa o triunfo do modernismo na estética rubendariana e também seu momento de plenitude.

A novidade vem do próprio título, pois com a palavra prosa se refere a certos hinnos que são cantados em algumas missas após a leitura do Evangelho e com a palavra profano nega deliberadamente o primeiro termo, admitindo assim uma certa atração e em ao mesmo tempo, uma certa rejeição em relação religião católico tradicional.

O conteúdo do livro continua a nos mostrar fortes contrastes, pois se por um lado ele tem uma forma aristocrática de escapar de uma realidade social que não gosta, por outro mostra uma profunda preocupação social, no estilo mais puro de suas primeiras obras. Ao longo das páginas que compõem as "Prosas profanas" Darío questiona tudo o que o rodeia, como a vida e a morte, a própria religião, a poesia, a arte ...

Além da presença espanhola em certos temas, como seu "Elogio a la Seguidilla" ou suas referências ao Cid, o prazer erótico é um dos grandes temas de uma obra em que as mulheres se identificam com diferentes elementos da natureza: a pureza da pomba, a selvageria do tigre, a perigosidade do mar ...

Sem dúvida, estamos diante de um dos pontos de inflexão da poesia hispânica, que mudou completamente após a publicação desta obra-prima.

Qual é o significado de Prosas Profanas?

Prosa profana de Rubén Darío trata-se, na verdade, de um conjunto de poemas que o próprio poeta escreveu e que se relacionam com um mundo misterioso e fantástico. Nele você pode encontre princesas, reis, cavaleiros, fadas e muitos outros personagens mitológicos.

O livro original Prosas profanas foi publicado em Buenos Aires em 1896, mas não com o título pelo qual agora é conhecido, mas como "palavras liminais. Além disso, era composto por apenas 33 poemas distribuídos em sete partes (cada uma delas com vários poemas dando maior profundidade à segunda parte).

No entanto, o autor não ficou totalmente satisfeito, e em Paris, em 1901, Rubén Darío fez uma segunda edição de seu livro, acrescentando mais 3 poemas e também mudando seu nome. É conhecida a história de alguns destes poemas, como a de "Blasón", que o escreveu efectivamente em Madrid quando se festejava o centenário de Colombo; ou "Colóquio dos centauros", onde o encerrou na mesa do La Nación onde o jornalista Roberto Payró escrevia um artigo.

Lembre-se disso para Rubén Darío este livro é um dos melhores que ele escreve, Principalmente porque naquela época ele estava no auge da carreira de poeta e tudo que lhe saía da cabeça fazia muito sucesso. Assim, considera-se que foi escrito na época de floração do autor. Ele mesmo o define como "Sua plena primavera".

Tanto Prosas profanas como Azul, dois dos livros mais famosos do autor, levam à essência do modernismo do poeta, e dá para ver como houve uma evolução muito grande em termos de perfeccionismo e maturidade, por isso é um dos mais importantes.

Agora, qual é o significado de Prosas Profanas? Bem, segundo o autor, cada um dos poemas, e vários entre si, foram uma canção, uma voz aos temas que tratou na sua obra. Fosse amor, criatividade, mulher ... O próprio termo "Prosas" já era usado na Idade Média e sempre se referia a um poema latino que era uma homenagem aos Santos. Por isso, ele usou essa palavra acrescentando a palavra "profano" para se referir a questões do mundo, ou seja, a vida cotidiana de pessoas normais.

O vocabulário que Rubén Darío usa

Rubén Darío é um dos poetas modernistas mais importantes de sua época. E a forma como se expressava chamava atenção para o fato de ser muito culto com as palavras. Na verdade, mesmo que às vezes não entendam, o a carga de sensações que suas palavras fizeram com que seus poemas colocassem o leitor ou ouvinte naquele lugar que ele queria, evocando sensações, sentimentos, etc. Para isso, resgatou também palavras em desuso, que até hoje não são mais utilizadas, embora sejam conhecidas. Falamos, por exemplo, de "algazara", como uma alegria de vozes; ou "empurrar", entendendo-o como um empurrão para algo ou alguém.

De que tópicos trata o Prosas Profanas?

Rubén Darío é um escritor clássico

Toda a obra de Rubén Darío é, na verdade, um livro que enfoca vários temas frequentes de sua pena, como mulheres, amor, erotismo, arte, preocupação, mitologia ...

Quando ele toca no tema das mulheres, todos os versos e pensamentos de Rubén Darío se concentram em venerar aquela pessoa, em sentir-se mais próxima dela e em professar seu amor terno, suave e doce. Porém, na parte do erotismo, o poeta muda, torna-se mais primitivo e voltado para um sentimento carnal, uma necessidade, um desejo carnal.

Claro, nem todos os poemas enfocam esses temas, Há também a preocupação com o ser humano, com a morte, com o que acontece quando ela se aproxima e até com os mistérios da natureza..

Quanto à mitologia em sua obra, ele usa esses personagens mitológicos como se fossem uma expressão do que o próprio autor sente, seja "amor" ou simplesmente uma visão poética do mundo como ele o vê. Não é que o livro seja baseado na mitologia, ou que apenas conte contos de fadas na forma de poemas. Na realidade, o que o autor faz é utilizar essas figuras mitológicas, tão carregadas de sentimento e tão representativas para alguns, nos seus próprios poemas, conseguindo assim uma forma mais sensual, mais cuidada e sobretudo mais interpretativa das suas obras.

Por fim, no que diz respeito ao tema do mundo, como as pessoas se relacionam, como vivem, o autor relaciona, para ele, com a sua própria poesia, visto que era o mais importante. Na verdade, há uma grande mudança em Rubén Darío desde Deixa de ser um poeta que não se importa se seus poemas têm erros ou não são interpretados corretamente; exigir muito de si mesmo e buscar nessas obras durar para a eternidade.

Quais são todos os poemas que o compõem?

Como já foi dito, a primeira edição de Prosas profanas e a segunda se diferenciam basicamente pela inclusão, na última, de 3 novos poemas. Assim, aqueles que compõem o livro são os seguintes:

  • Palavras Liminais
  • Prosa profana (como uma seção, contendo os seguintes poemas):
  • Foi um ar suave ...
  • Digressão
  • Sonatina
  • Brasão
  • Do campo
  • Elogie os olhos negros de Julia
  • Musica de carnaval
  • Para um cubano
  • Para o mesmo
  • Ramalhete
  • Faisão
  • Garçonnière
  • O país do sol
  • Margarida
  • Minas
  • Diz Mia
  • Arautos
  • Ite, senhorita est
  • Colóquio dos centauros (como uma seção em si). Ele contém o poema Colóquio dos centauros de 212 versos.
  • Varia (como uma seção). Com os seguintes poemas:
  • O poeta pergunta por Stella
  • Pórtico
  • Em elogio à corrida
  • The Cisne
  • A página em branco
  • Ano Novo
  • Symphony in Grey Major (o poema mais antigo de todos aqueles que são coletados).
  • The Dea
  • Bárbaro Epitalamium
  • Verlaine (como uma seção). Com os poemas:
  • Resposta
  • Canção de sangue
  • Recriações arqueológicas (como uma seção). Com os poemas:
  • I. Friso
  • II. Palimpsesto
  • O reino interior (como seção e poema).
  • Coisas do Cid (como seção e poema).
  • Dezires, layes e canções (como uma seção). Com os poemas:
  • Dezir
  • Outro dezir
  • Deitar
  • Canção, Que amor não admite reflexos de cordas
  • Elogio
  • Dístico disperso
  • As ânforas de Epicuro (como uma seção). Com os poemas:
  • O pico
  • A fonte
  • Palavras de sátira
  • A anciã
  • Ame o seu ritmo ...
  • Para os poetas risonhos
  • Folha de ouro
  • Marina
  • Syrinx / Dafne
  • A pequena cigana
  • Ao Mestre Gonzalo de Berceo
  • Minha alma
  • Eu sigo um caminho ...

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Ana jacqueline dito

    Parece-me de muito mau gosto colocar a informação quando não se encontra nem só no facebook, não publico se não houver

  2.   Sergio dito

    Ana verdadeira, esses bastardos…. eles são inúteis ...