Salt Anthology, uma carta aberta ao esquecimento

Costa de Punta de Piedras

Costa de Punta de Piedras

Antologia de sal é a última obra poética do escritor venezuelano Juan Ortiz. É um título de compilação que inclui todas as suas coleções de poesia - nove, até o momento - além de um livro inédito: Minha poesia, o engano. Neste último em particular, o autor aborda de perto as reflexões sobre a vida em torno dos eventos da pandemia após sua difícil experiência com Covid-19.

Ao longo de sua carreira, Ortiz também se destacou em outros gêneros literários, como romances, contos e ensaios.. Hoje, ele atua como revisor e editor, além de ser criador de conteúdo para portais como Lifeder, Current Literature, Writting Tips Oasis e Phrases More Poems.

Antologia de sal, carta aberta ao esquecimento (2021)

Salt Anthology, uma carta aberta ao esquecimento (2021) é o título mais recente de Ortiz. É sua primeira publicação impressa internacional após sua migração para Buenos Aires, Argentina, em 2019. O trabalho veio à tona no formato de autopublicação com o aval do selo Letra Grupo Editorial. Com este livro, Ortiz busca dar um espaço de convergência à sua extensa criação poética, que não é pequena, já que se trata de cerca de 800 poemas.

Nota do editor

Nas palavras de seu editor, Carlos Caguana: “Antologia de sal são muito mais que 10 obras em uma, são 10 capítulos da vida do poeta trouxe para a letra uma bela linguagem marinha que sente saudades e saudades, que anseia pelas suas terras salgadas, e que canta o amor, o esquecimento, a existência, a injustiça, qualquer assunto possível que diga respeito ao seu trânsito por estas terras, e Ortiz o faz desde uma perspectiva franca, humana e contundente ”.

Preâmbulo do livro

A obra recebe um extenso e completo prólogo da autoria de Poetisa venezuelana Magaly Salazar Sanabria —Membro correspondente da Academia Venezuelana de Línguas do Estado de Nueva Esparta. Em suas falas, a renomada escritora divide e analisa profundamente os livros um por um contido no título, emitir críticas precisas de uma ampla visão poética.

Entre as notas de Salazar Sanabria, destaca-se: “… esta escrita mantém uma postura ética entre seus fundamentos. As palavras mantêm uma dignidade que as sustenta porque existe uma responsabilidade com a verdade, liberdade e honestidade da profissão de poeta, de escritor ”. O poeta também comenta: “Nos versos de Juan Ortiz percebemos a humanidade de seus sentimentos, que são dolorosos, e o vemos claramente na linguagem, onde se faz sentir a força da tristeza, do desamparo e da dor”.

Estrutura da obra

Como foi dito no início, o livro é uma compilação de dez obras que por sua vez servem como capítulos. Estes são: Sal pimenta de caiena (2017) Pedra salgada (2018) Cama (2018) A casa (2018), Do homem e outras feridas do mundo (2018) Evocativo (2019) aslil (2019) Corpos na costa (2020) Matria dentro (2020) y Minha poesia, o engano (2021).

Embora cada seção tenha sua essência, a presença de elementos marinhos em cada uma delas é notável. O sal, o mar, as conchas, os pescadores, as mareras, as rancherías… cada elemento da costa tem uma função que não pode ser ignorada. Um exemplo claro disso é denotado pelo poema escrito no verso do livro:

«Quando não escreva mais sobre sal »

Quando eu não escrevo mais sobre o sal

e as terras do mar voam de minhas mãos,

segure minha caneta.

 

Se a tinta não curar,

não terá gosto de costa,

sua voz não vai durar nada,

Terei perdido a linha dos gansos,

a arte necessária da marera,

a prodigiosa dança do cardume de sardinhas.

Capítulos

Sal pimenta de caiena (2017)

Esta obra representa a entrada formal do escritor no mundo poético. Embora tenha escrito poemas desde aproximadamente 2005, todos esses textos permaneceram inéditos até então. O título é escrito puramente em prosa poética e os poemas não têm nome, são simplesmente numerados em caracteres romanos - algo que se tornará comum em muitos de seus outros livros.

Embora não haja uma métrica definida, há um ritmo e uma intenção em cada poema. Não foi escrito pelo simples fato de escrever, mas há uma intenção muito sincera em cada verso e estrofe. Jogos metafóricos profundos podem ser apreciados com múltiplas incógnitas que levarão o leitor a repensar cada poema continuamente.

O mar e o sal, como em todo livro do autor, eles têm um grande papel neste capítulo. Andam de mãos dadas com o amor, mas não com o amor convencional com final rosa, mas cheio de paixão e esquecimento.

Poema número "XXVI"

Me mantenha ai

no cemitério de conchas peroladas,

onde dormem as perguntas de mil corpos

e as respostas não visitam.

 

Fomos tocados pela mudez do coral,

um sol de pérola na borda

e o abrigo de algumas redes que aguardam a tarefa no caramanchão.

 

Também procuro a fissura na nevasca,

a lacuna que une tudo,

o link que conecta os espaços,

as trilhas quebradas na enseada,

até que eu esteja cansada e que apareça quando não te espero mais.

Pedra salgada (2018)

Neste segundo capítulo, o sal persiste, o amor complicado, as metáforas, as imagens, o mar. A mulher torna-se refúgio na solidão, mas mesmo estando junto, não se deixa de estar só. Há uma saudade cheia de proibições entre os versos, uma correspondência truncada que busca o espaço utópico das estrofes para acontecer.

No entanto, apesar da paixão notável que pode ser sentida, o esquecimento não para de se apresentar como frase, como realidade que aguarda tudo que leva nome. A prosa continua presente como linguagem poética, mas o ritmo e a intencionalidade não ficam em cada ponto, em cada palavra.

Poema "X"

O detalhe é que não vou insistir.

Escreverei,

como de costume,

da noite e seus pássaros de silêncios,

de como eles migraram para a minha porta

e bagunçou minhas janelas.

 

Escreverei,

sim

e as conchas evocarão tufões em suas línguas peroladas,

as estradas marítimas removerão seus passos de suas pedras

e o âmbar do seu nome será lavado das ondas,

mantidos nos recifes.

 

Vou escrever e vai parecer que me lembro de você,

mas na realidade,

É assim que é melhor eu esquecer.

A casa em que eu estava, a cidade em que morava (2018)

Neste caso, a casa da mãe e a cidade —Punta de Piedras— são as protagonistas. A prosa ainda está em linguagem comum, e esta É adornada com imagens tradicionais daquela costa que viu o poeta crescer. e daquelas paredes que abrigaram sua infância e adolescência. O autor dá ênfase especial aos personagens de seu lar, bem como às crenças populares que enriqueceram sua caminhada por aqueles salinas.

Ele destaca a brevidade dos versos e estrofes e como eles se entrelaçam como uma história, do início ao fim. A casa, em si, é uma entidade viva que contempla aqueles que a habitam, que ele sente, que ele sabe, e que ele mesmo decide quem vive e quem não vive.

Poema "X "

Lá fora a chuva molha tudo,

empurre a noite para o meu quarto.

Algo me diz,

acreditam,

ou talvez eu queira que você me diga algo.

Para saber o que sua voz transita,

Eu faço água com certeza

e completo neste lado

o que precisa ser lavado por dentro.

Cama (2018)

Dos livros de Juan Ortiz, este é, talvez, o mais erótico de todos. A sensualidade está presente em cada verso de forma intensa, não em vão o título da obra. Como na seção anterior, a brevidade dos poemas é mantida, e em seus pequenos espaços toda uma realidade, um mundo, um encontro se desenrola.

Alguns podem perceber esta curta coleção de poemas como um romance muito curto, onde cada poema narra os capítulos de um amor fugaz, mas intenso —Que poderia ter sido uma vida em si mesma. Claro, não faltam jogos de palavras, imagens sugestivas.

Poema "XXIV"

A cama está feita

para se tornar horizonte.

 

Um vai lá

ameaçar e escurecer o quão tarde a vida é

até o mundo acabar.

Do homem e outras feridas do mundo (2018)

Este capítulo se destaca pelo rigor da linguagem do poeta. É, em si, uma catarse, uma reclamação contra a espécie e sua passagem destrutiva pelo planeta.. No entanto, existem breves tentativas de mediação em que se pede a intervenção da presença divina para ver se a bagunça da existência se acomoda um pouco.

A prosa está presente na expressão discursiva de cada poema. As imagens apresentadas são duras, são um reflexo da dura realidade do que o homem chama de história.

Fragmento do poema "XIII"

É tudo sobre uma queima,

do caminho de fogo que corre pelo nosso sangue,

que pressiona as mandíbulas peroladas até que as bases moem para nos polir da cintura para baixo,

para nos limparmos corpo a corpo,

deixando-nos tão translúcidos,

tão apagados da culpa que nos tornamos espelhos,

nos olhamos, nos repetimos

e mais outubro vem para povoar os invernos.

 

Esta linhagem é uma boca aberta de mudanças infinitas;

vá mastigar, é a isso que você veio,

Vá moldar o ar

tece as redes de luz que esculpem os olímpicos passando de tantos egos que se levantam.

 

Eu não queria ser a argamassa dos dias neste sonho,

quanto eu teria pagado em moeda de honestidade - o mais caro - para ser grama de uma campina tranquila e partir logo,

mas eu sou legal

Eu vim para rasgar os sete ares do mundo junto com minha raça.

Evocativo (2019)

Neste livro, enquanto persiste o discurso em prosa, assim como o sal e o mar, há uma ênfase no aspecto lúdico. Os evocativos - como os chama Ortiz - vêm poetizar cada um dos elementos de sua terra., da Ilha Margarita. Dos elementos marinhos aos terrestres, os costumes e personagens.

Citação de Juan Ortiz

Citação de Juan Ortiz

Para conseguir isso, o autor faz uma descrição breve mas concisa do que é poetizado. Cada evocativo termina com o nome do objeto, coisa ou ser a que se alude, de modo que poderíamos falar de um poema reverso que convida o ouvinte a adivinhar o que está sendo falado antes que o último verso o revele.

Poema "XV"

Seu hábito cobre

certezas do susto,

o peixe sabe

e ao beijá-lo

perde a voz novamente.

Gaviota

aslil (2019)

Este é um trabalho de despedida, pois é escrito antes da saída do poeta do país. A saudade está na superfície, o amor pela terra, pelo espaço marinho que não será visto até que não se saiba quando. Como nos capítulos anteriores, a prosa é comum, assim como os algarismos romanos em vez dos títulos.

A linguagem de a paixão não deixa de estar presente, e se combina intensamente com quadros regionalistas e costumbristas. Se falamos de arrependimentos na obra de Ortiz, este título contém um dos mais significativos: o causado pela migração.

Poema "XLII"

Tenho procurado sair de maneira adequada.

Sair é uma arte que,

bem feito, é surpreendente.

 

Para desaparecer como deveria ter chegado,

deve ter sido,

pelo menos um pássaro de luz.

 

Para sair assim, de repente,

como um esquecimento no galho,

Eu tenho dificuldade com isso.

 

A porta não funciona para mim

ou a janela, em nenhum lugar eu me afasto,

onde quer que ela saia, ela aparece nua

como uma ausência que pesa

convidando-me a refazer a ninhada do quintal,

e eu fico lá, no meio de alguma coisa,

amarelo,

como um perdão em face da morte.

Corpos na costa (2020)

Este capítulo difere do mencionado acima em dois aspectos principais: os poemas têm um título não numérico e o autor se aproxima um pouco mais das métricas e rimas tradicionais. No entanto, a prosa ainda ocupa um lugar predominante.

O subtítulo "Poemas de não caber em lugar nenhum" alude ao fato de que este livro reúne grande parte dos textos dispersos do autor desde seu início como poeta, e que não "cabiam" nos demais livros de poesia devido aos seus diversos temas. . No entanto, ao mergulhar nas linhas deste título A nítida essência de Ortiz e os traços deixados por seu povo e sua infância em suas letras continuam a ser percebidos.

Poema "Se eu falasse com os anjos"

Se eu falasse com anjos como meu pai faz,

Eu já teria sido poeta o suficiente,

Eu teria pulado os picos atrás dos olhos

e feito os passes com a besta que estamos por dentro.

 

Se eu soubesse um pouco sobre as linguagens do transcendido,

minha pele seria curta,

azul

dizer algo,

e perfurar metais densos,

como a voz de Deus quando chama os corações dos homens.

 

E é que ainda estou escuro

ouvindo o abril que pula na minha veia,

talvez sejam os gannets que uma vez tive no nome,

ou a marca da poetisa com quem fui profundamente ferido, lembrando-me de seu verso de seios nus e águas perenes;

não sei,

Mas se escurecer, tenho certeza que vou continuar o mesmo

e o sol vai procurar por mim mais tarde para acertar contas

e me repito em uma sombra que conta bem o que acontece atrás do peito;

reafirmar os sulcos do tempo,

remodelar a madeira nas costelas,

o verde no meio do fígado,

o comum na geometria da vida.

 

Se eu apenas falasse com anjos como meu pai faz,

mas ainda há uma letra e um caminho,

deixar a pele exposta

e mergulhar mais fundo na escuridão com um punho firme e amarelo,

com um sol para cada cruz na linguagem dos homens.

Matria dentro (2020)

Este texto é um dos mais grosseiros de Ortiz, apenas comparável com Do homem e de outras feridas do mundo. En Matria dentro é feito um retrato da Venezuela de onde teve que sair em busca de um futuro melhor para sua família, mas que, por mais que tente, não o abandona.

Citação de Juan Ortiz

Citação de Juan Ortiz

A numeração romana é retomada porque cada poema é um mincapítulo onde a prosa volta a prevalecer. Fala do cotidiano de uma realidade conhecida por todo o mundo, mas assumida por poucos.; se desenham a fome e a preguiça, o abandono, a demagogia e seus caminhos sombrios, e como a única saída é cruzar as fronteiras onde a providência o permite.

Poema "XXII"

Inúmeros potes para marinar as faltas,

imagens antigas para lembrar o que se foi,

fechando-se em um esquecimento necessário e planejado,

sair esporadicamente para ver se tudo aconteceu,

e repita o processo se ainda estiver mais escuro lá fora.

 

Muitos de nós não conseguiam seguir a fórmula,

Então nos tornamos papagaios, costuramos asas com o sangue

e partimos em voos esparsos para ver se amanhecia além da cerca.

Minha poesia, o engano (2021)

Este é o encerramento do livro, e a única obra inédita presente em toda a antologia. Os recursos de texto poemas de temas muito variados e Ortiz mostra o seu manejo nas várias formas poéticas. Então, Embora sua predileção pela prosa seja notória, ele lida muito bem com a maioria das formas poéticas tradicionais do espanhol., como o décimo espinélio, o soneto ou as quadras.

Minha poesia, o engano surge após um capítulo muito difícil na vida do autor: sobreviver Covid-19 junto com sua família em um país estrangeiro e de casa. As experiências vividas durante o contágio não foram nada agradáveis, e há dois poemas que o expressam de forma contundente.

O poeta também canta amigos sinceros que partiram. Porém, nem tudo é tragédia neste setor, a vida, a amizade e o amor também são celebrados, principalmente o que ele sente por sua filha Julia Elena.

Poema "Éramos quatro fendas"

Naquela casa,

éramos quatro fendas;

houve quebras nos nomes,

nos abraços,

cada trimestre era um país em ditadura,

As etapas tiveram que ser muito bem cuidadas para não ir à guerra.

 

É assim que a vida nos fez:

duro, como o pão dos dias;

seco, como água da torneira;

resistente ao afeto,

mestres do silêncio.

 

No entanto, apesar do rigor dos espaços,

aos fortes limites territoriais,

Cada borda rachada combinava perfeitamente com a próxima,
e quando todos estão juntos,

na mesa, em frente ao prato do dia,

as fissuras foram fechadas,

e éramos, realmente, uma família.

Sobre o autor, Juan Ortiz

John Ortiz

John Ortiz

Nascimento e primeiros estudos

O escritor Juan Manuel Ortiz nasceu em 5 de dezembro de 1983 na cidade de Punta de Piedras, Isla de Margarita, estado de Nueva Esparta, Venezuela. É filho do poeta Carlos Cedeño e Gloria Ortiz. Naquela localidade da costa do Mar das Caraíbas estudou a fase inicial na pré-escola de Tío Conejo, o ensino básico na Escola dos Tubores e Ele se formou como Bacharel em Ciências pela Fundação La Salle (2000).

Estudos universitários

Posteriormente, estude Licenciatura em Informática na Universidad de Oriente Nucleo Nueva Esparta. Porém, após três anos, solicitou a mudança de carreira para a Educação Integral, decisão que marcaria sua trajetória de vida. Cinco anos depois recebido com uma menção Língua e Literatura (2008). Nesse período, também desenvolveu a profissão de violonista acadêmico, que posteriormente o serviria enormemente em sua carreira.

Trabalho docente e primeiras publicações

Ele mal se formou foi incorporada pela Unimar (Universidade de Margarita) e começou sua carreira como professor universitário. Lá trabalhou como professor de literatura, história e artes, de 2009 a 2015. Posteriormente, foi assimilada a Unearte (Universidade das Artes), onde ministrou aulas de harmonia aplicada ao violão e execução instrumental. Nesse período também colaborou como colunista do jornal Sol de Margarida, onde teve o espaço “Transeúnte” e inicia seu “despertar literário” com sua primeira publicação: Na boca dos crocodilos (romance, 2017).

Dia a dia, escrever resenhas para portais Literatura Atual, Salva-vidas, Oásis de dicas de redação y Frases e poemas e atua como revisor e editor.

Obras de Juan Ortiz

  • Na boca dos crocodilos (romance, 2017)
  • Sal Cayenne (2017)
  • Pedra salgada (2018)
  • Cama (2018)
  • A casa onde eu era a cidade onde morei (2018)
  • Do homem e outras feridas do mundo (2018)
  • Evocativo (2018)
  • Costa sagrada (antologia poética, 2018)
  • Transeunte (compilação de histórias da coluna do Sol da margarita, 2018)
  • aslil (2019)
  • Histórias do grito (Histórias de terror, 2020)
  • Corpos na praia (2020)
  • Minha poesia, o engano (2021)
  • Antologia de sal (2021)

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.