_Redemption_, de John Hart. Uma leitura obrigatória para os amantes da ficção policial.

Redençãopor John Hart.

Quatro dias. É o que me levou a ler Redenção, do escritor americano John Hart. Porque esse é o tempo que um livro geralmente dura em mãos e olhos ágeis, se for bom. O rever mais autoritário e profissional eu já tinha colocado Nas nuvens. Sou apenas mais um leitor e escrevo nesse blog literário que também tem sua substância. Nós vamos Eu também o levanto às alturas.

Por enredo (entre a prisão e o negro) e suas reviravoltas, seu ritmo e sua engrenagem, os personagens e sua prosa brilhante impregnada de poesia. A romance coral que dá destaque a todos esses personagens. Conduzindo-os, emoções universais, mas sempre fortes. Traição, dor, amor e ódio, terror, loucura e esperança, dureza, vingança, segredos e força de espírito. Assim, se. Muito recomendável para os amantes de romance policial ou simplesmente do bons romances.

O autor

John Hart (Durham, Carolina do Norte, 1965) costumava ser advogado até que um dia ele pendurou sua toga e se dedicou à literatura. Publicou cinco novelas que obtiveram as melhores críticas. Casado e com duas filhas, mora na Carolina do Norte, estado onde se passam suas histórias.

Hart ganhou dois prêmios Edgar Allan Poe para o melhor romance. Ele é o único que os conquistou consecutivamente. Eles compararam com Scott Turow, John Grisham ou Raymond Chandler. Outros livros são O rei das mentiras (2008) Casa de Ferro (2012) y Sem corvos (2014).

Sinopse

Para começar, temos um adolescente com arma esperando pelo homem que assassinou sua mãe quando ele era apenas um bebê. Este homem é um policial honesto que, após ser condenado injustamente e após treze anos de prisão, é libertado.

Como eixo central, um detetive da polícia. Perturbado e traumatizado Devido a um passado difícil, ela terá que confrontá-lo depois de um tiroteio brutal no qual ela foi implicada com outra vítima adolescente.

Para complicar tudo, parece um corpo sob um lençol no altar de uma igreja abandonada. Um corpo que será mais.

Personagens

É difícil ficar com um porque todo mundo brilha em seus momentos. Eles têm seus segredos e cantos e recantos. Dos principais aos secundários, que são luxuosos. E, claro, os vilões.

Elizabeth negra

Talvez seja o mais protagonista. Normalmente não sou atraída pelas personagens femininas principais (cada uma de nós tem seus defeitos), mas Black conseguiu me conquistar. Por sua força e maneira de enfrentar seus fantasmas. Por sua determinação de defender aqueles ao seu redor a qualquer custo. É o personagem em que convergem todos os outros. Fascinada por Adrian Wall, ela sempre estará disposta a acreditar nele.

Parede de Adrian

Expolice, é o herói admirado e anti-herói odiado quando ele cai em desgraça. Sua sentença será um verdadeiro inferno de tortura e humilhação por um diretor cruel e implacável excessivamente ambicioso e seus homens. Mas Wall consegue sobreviver e sair, embora ele não tenha se livrado dele. Quando ocorrer um crime semelhante ao que o levou para a prisão, ele estará novamente sob os holofotes. E ele não conta com a ajuda de quase ninguém.

Charlie becket

É Parceira de elizabeth black. Companheiro e amigo, ele está sempre à mercê dos problemas em que Black se mete. É aquele personagem luxo secundário, que brilha com muita luz própria.

Existem também essas jovens vítimas de todas as circunstâncias do passado e do presente. Channing Shore e Gideon Strange movem-se à mercê desses acontecimentos e só procuram quem realmente os deseja. E também um velho advogado isso ajudará Black e Wall. É mais um daqueles personagens que te fazem sorrir de alívio pelos momentos difíceis pelos quais os protagonistas passam continuamente.

E com o terrível pano de fundo da prisão que destila a trama, o odioso diretor e seus asseclas são os melhores vilões da função. Ou talvez não.

Por que você tem que ler isso?

Porque sim. Você vira as páginas sem perceber. O personagens e suas almas te cativam graças à prosa de Hart, quase poesia pura em algumas passagens. E porque expressa com maestria o pior e o melhor o que pode ser retirado das experiências mais dolorosas e limítrofes. Os que te arrastam para a loucura e os que te mostram toda a luz. Y mantendo a tensão todo o tempo.

Vou pegar o próximo de Hart.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Josepa dito

    Não consegui passar das primeiras páginas, cuja perversão e truculência, sem maior interesse ou emoção que a angústia da moça, me fizeram renunciar.
    Pelo contrário, Bull Mountain me fascinou da primeira à última página: excelente redação, atmosfera, constante excitação e interesse, ótimos diálogos.
    A verdade é que não tenho paciência nenhuma e se me aborrece várias páginas ou o tema me repugna, deixo-o, embora depois o texto melhor; que me leva a ler obras superexcelentes

bool (verdadeiro)