Contos famosos

As micro histórias de Juan José Millás voam

Histórias curtas: poucas palavras para grandes histórias.

procurando exemplos de micro-histórias? Os tempos da Internet permitiram que a literatura curta ou micro se tornasse mais importante entre aqueles leitores acelerados para quem manter um argumento de uma linha não é apenas um estímulo curioso, mas também a oportunidade de criar sua própria versão dessa história oculta. " Entre as linhas "ou, neste caso, palavras.

Esta é a micro-história, um gênero narrativo talvez um tanto desvalorizado pelas massas que abarca uma longa história cimentada por autores como Cortázar ou Augusto Monterroso, esta última pedra angular do gênero graças ao seu micro O Dinossauro, um dos considerados como melhores contos de todos os tempos.

Mas antes de os vermos, todos os selecionados, vamos responder a uma série de perguntas típicas e frequentes quando nos referimos às micro-histórias. Se você estiver interessado no assunto, não hesite em continuar lendo.

Você vai me acompanhar nesta breve (e ao mesmo tempo profunda) jornada literária através do seguinte 16 micro-histórias para os amantes do briefing?

O que é uma micro-história? Características comuns

Escreva uma história curta

O RAE define a palavra microestória da seguinte forma:

História curta: De micro e história. 1. m. Muito curta história.

E é tão curto! É a principal característica desse gênero narrativo, que contém apenas algumas linhas em que o autor deve expressar tudo o que deseja e deixar o leitor excitado, pensativo ou simplesmente com a sensação de ter lido algo bom e também breve. Para isso existe um ditado popular que vem expressar o mesmo: "O bom, se breve, duas vezes bom"

E embora, como dissemos antes, seja um gênero bastante desvalorizado, a realidade é bem diferente. É muito difícil escrever e "dizer" ao mesmo tempo em algumas linhas. Enquanto no romance ou nas histórias temos páginas e mais páginas para caracterizar um personagem ou vários, para criar um ambiente, para desenvolver a própria história, na micro-história temos que dizer em poucas linhas, e alcançar o mais difícil de tudo: que transmita algo a quem nos lê.

Parece uma tarefa fácil, mas eu mesmo digo que não é. Leva muita técnica e de muito tempo de dedicação para fazer uma boa micro-história como todas as que veremos a seguir. Mas primeiro, vamos lhe dizer como fazer uma micro-história, o que olhar, quais palavras ou expressões evitar e como podemos começar com uma.

Como fazer uma micro-história?

Como regra geral, uma micro-história terá entre palavras 5 e 250, embora possamos sempre encontrar exceções, mas elas não variam muito.

Para escrever uma micro-história temos que esquecer de fazer um parágrafo para explicar algo específico, então obviamente eliminaremos o que seria todo o desenvolvimento, por exemplo, de um romance. Iríamos para ponto-chave ou clímax da nossa narração, na qual haveria uma virada inesperada que surpreende o leitor. Desta forma, teremos, é claro, que esquecer de descrever excessivamente. Essa forma de escrever nos ajudará a encontrar a palavra certa, neste caso os adjetivos descritivos ideais, para dizer muito com pouco.

Por ter as palavras super contadas, o que vamos tentar é dar grande importância ao escolha do título. Não pode ser qualquer título, mas tentaremos fazer com que essas palavras no título ajudem a completar nossa micro-história e torná-la ainda mais significativa, se possível.

E, claro, se houver menos palavras na micro-história, também tentaremos brincar com os silêncios y sinais de pontuação. Por exemplo, alguns pontos suspensivos dependendo de qual parte do texto os colocamos, eles podem dizer muito mais do que uma frase completa.

Como dissemos antes, fazer uma boa micro-história é uma questão de adquirir a técnica à medida que são feitas continuamente. Por isso, e porque o vocabulário dos mais pequenos ainda não está totalmente desenvolvido, é comum ver nos livros elementares pedir às crianças que escrevam uma pequena poesia ou micro-história sobre alguma coisa. Com esta técnica tentamos fazer com que os mais pequenos descrevam algo (um objeto, um acontecimento, etc.), com as poucas palavras que ainda conhecem, sem ter que dizer muito.

Artigo relacionado:
5 dicas para escrever um conto

10 contos para os amantes da literatura curta

O dinossauro

O dinossauropor Augusto Monterroso

Quando ele acordou, o dinossauro ainda estava lá.

Qualidade e Quantidade, de Alejandro Jodorowsky

Ele não se apaixonou por ela, mas por sua sombra. Ele iria visitá-la ao amanhecer, quando sua amada estava há mais tempo

Um sonho, de Jorge Luis Borges

Em uma parte deserta do Irã, há uma torre de pedra não muito alta, sem porta ou janela. Na única sala (cujo piso é de terra e tem a forma de um círculo) há uma mesa de madeira e um banco. Naquela cela circular, um homem que se parece comigo escreve em personagens que não entendo um longo poema sobre um homem que em outra cela circular escreve um poema sobre um homem que em outra cela circular ... O processo não tem fim e ninguém poderá ler o que os prisioneiros escrevem.

Amor 77, de Julio Cortázar

E depois de fazer tudo o que fazem, eles se levantam, tomam banho, se apertam, perfumam, se vestem, e assim progressivamente voltam a ser o que não são.

A carta, de Luis Mateo Díez

Todas as manhãs venho ao escritório, sento, acendo a lâmpada, abro a pasta e, antes de iniciar a tarefa diária, escrevo uma linha na longa carta onde, durante quatorze anos, expliquei minuciosamente as razões do meu suicídio. .

Toque de recolher, por Omar Lara

"Fique, eu disse a ele."

    E eu a toquei.

Balde e pá, de Carmela Greciet

MARCA-AGUA-SZ-POSTS-1_edited-1

Com o sol do final de março, mamãe foi incentivada a baixar as malas com roupas de verão do sótão. Ele tirou camisetas, bonés, bermudas, sandálias ..., e segurando o balde e a pá, ele também tirou meu irmão mais novo, Jaime, que havia se esquecido de nós.

Choveu durante todo o mês de abril e todo o mês de maio.

Fantasma, de Patricia Esteban Erles

O homem que eu amava se transformou em um fantasma. Gosto de passar muito amaciante, vaporizá-lo e usá-lo como lençol de baixo nas noites em que tenho um encontro promissor.

A felicidade de viver, de Leopoldo Lugones

Pouco antes da oração no jardim, um homem muito triste que tinha ido ver Jesus estava conversando com Filipe, enquanto o Mestre terminava de orar.

"Eu sou o Naim ressuscitado", disse o homem. Antes da minha morte, eu me regozijava com o vinho, saía com mulheres, festejava com meus amigos, esbanjava joias e tocava música. Filha única, a fortuna de minha mãe viúva era só minha. Agora, nada disso eu posso; minha vida é um deserto. A que devo atribuir isso?

"É que quando o Mestre ressuscita alguém, ele assume todos os seus pecados", respondeu o apóstolo. É como se ele nascesse de novo na pureza de uma criança ...

–Eu pensei que sim e é por isso que estou indo.

- O que você poderia perguntar a ele, tendo devolvido sua vida?

"Devolva meus pecados", suspirou o homem.

Aproveito a última posição para compartilhar uma das minhas primeiras micro-histórias, pois apesar de ser assíduo ao brief, suas histórias e contos na hora de escrever ainda não me colocaram neste gênero. Espero que goste:

Outros contos famosos

A seguir, colocamos mais algumas micro-histórias que foram premiadas ou conhecidas na época e algumas de autores não tão conhecidos. Nós esperamos que você goste deles:

Falado e falado, por Max-Aub

Ele falava, falava, falava, falava, falava, falava, falava e falava. E venha conversar. Eu sou uma mulher da minha casa. Mas aquela empregada gorda só falava, falava e falava. Onde quer que eu estivesse, eu viria e começaria a falar. Ele falava sobre tudo e mais alguma coisa, o mesmo não importava para ele. Demiti-la por isso? Teria que pagar três meses. Além disso, ele seria muito capaz de me lançar um mau-olhado. Até no banheiro: e se isso, e se aquilo, e se além. Coloquei a toalha em sua boca para fazê-lo calar a boca. Ele não morreu disso, mas de não falar: as palavras explodiram dentro dele.

Carta do amante, de Juan José Millás

Existem romances que, mesmo sem serem longos, não podem realmente começar antes da página 50 ou 60. O mesmo acontece com algumas vidas. É por isso que não me matei antes, Meritíssimo.

A maçã, de Ana María Shua

A flecha disparada pela balestra precisa de Guilherme Tell divide em duas a maçã que está prestes a cair na cabeça de Newton. Eva pega uma metade e oferece a outra ao seu consorte para deleite da serpente. É assim que a lei da gravidade nunca é formulada.

Ameaças, de William Ospina

"Vou devorar você", disse a pantera.

"Pior para você", disse a espada.

A Verdade sobre Sancho Pança, de Franz Kafka

Sancho Pança, que de outra forma nunca se gabou disso, conseguiu, ao longo dos anos, compor uma série de romances de cavalaria e bandidos, ao anoitecer e à noite, para separar a tal ponto do Sim ao seu demônio, a quem mais tarde deu o nome de Dom Quixote, que se lançou irreprimível nas aventuras mais selvagens, que, porém, por falta de um objeto predeterminado, e que deveria ser Sancho Pança, não fizeram mal a ninguém.

Sancho Pança, um homem livre, seguia Dom Quixote impassível, talvez por um certo sentido de responsabilidade, nas suas andanças, conseguindo assim uma grande e útil recreação até ao seu fim.

Os óculos, de Matías García Megías

Eu tenho óculos para ver verdades. Como não tenho o hábito, nunca os uso.

Só uma vez…

Minha esposa dormiu ao meu lado.

Colocando os óculos, olhei para ela.

O esqueleto do crânio deitado sob os lençóis roncando ao meu lado, ao meu lado.

O osso redondo do travesseiro tinha o cabelo da minha esposa, junto com os rolinhos dela.

Os dentes magros que roíam o ar a cada ronco tinham a prótese de platina de minha esposa.

Acariciei os cabelos e apalpei o osso, tentando não entrar nas órbitas: não havia dúvida, era minha mulher.

Larguei os óculos, levantei-me e caminhei até o sono me desistir e voltar para a cama.

Desde então, penso muito nas coisas da vida e da morte.

Eu amo minha esposa, mas se eu fosse mais jovem, me tornaria um monge.

Estes 16 contos para os amantes da literatura curta eles servem de base para aquelas histórias subliminarmente ocultas nesta versão menor, mas não menos, da literatura.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

31 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Alberto Diaz dito

    Olá Alberto.

    Obrigado por este artigo porque sou um fã de micro histórias. Na verdade, graças a um workshop de escrita criativa que comecei a frequentar em 2004 ou 2005 e que acompanhei durante vários anos, comecei a escrevê-los e até hoje.

    Em relação ao que mais gosto, tenho dúvidas entre vários. Se tiver que escolher, fico com "La carta", de Luis Mateo Díez.

    Um abraço de Oviedo e um bom fim de semana.

    1.    Alberto Legs dito

      Como sempre, obrigado pela sua opinião Alberto. Abraços de Alicante.

  2.   Antonio Júlio Rosselló. dito

    Mais uma vez, me delicio com o que você escreve.

    1.    Alberto Legs dito

      Hehehehe, você faz o que pode 😉 Obrigado Antonio! Abraços.

  3.   Carmen Maritza Jimenez Jimenez dito

    Olá Alberto. As micro-histórias carregam a ideia sintética do que poderia ser uma longa história. Queria saber se não existem regras para escrevê-lo, por exemplo, extensão, embora não pense assim, pois vejo diferentes extensões. Gosto desse tipo de escrita, vou praticar.

    A micro-história que mais gosto é: Amor 77, de Julio Cortázar.
    Cordialmente
    Carmen M. Jimenez

  4.   Alberto Legs dito

    Olá Carmen.

    A micro-história é, como você disse, uma versão sintética da história, que por sua vez tem regras um tanto diferentes. A micro-história é caracterizada pela curta duração (não há limites, mas não deve ultrapassar um parágrafo) e pelos “silêncios” dessa história condensada.

    Embora no seu caso eu ache que praticar qualquer tipo de escrita será bom, se você conseguir uma micro-história ótima e se for uma história a mesma.

    Em relação aos passos para escrever uma história, deixo este artigo publicado há alguns meses para o caso de ajudar:

    http://www.actualidadliteratura.com/4-consejos-para-escribir-tu-primer-cuento/

    Uma saudação.

  5.   José Antonio Ramirez de León dito

    A história de Patricia Esteban Eriés é uma variação da esplêndida história do escritor mexicano Juan José Arreola, «A mulher que amei tornou-se um fantasma. Eu sou o lugar das aparições »

    1.    Alberto Diaz dito

      Olá, José Antonio.
      Não sabia que a micro-história de Patricia Esteban Erlés é uma versão. Juan José Arreola me parece familiar e não conhecia seu conto. Você está certo, é muito bom. Obrigado por compartilhar.
      Uma saudação literária de Oviedo.

  6.   Cristina Sacristan dito

    Olá Alberto. Publicação interessante que você fez.

    O de Monterroso é talvez o mais conhecido e usado como exemplo de como se constrói uma micro-história, mas na sua seleção prefiro La Carta de Luis Mateo Díaz, acho ótimo. Em segundo lugar, também gosto muito de Quality and Quantity, de Alejandro Jodorowsky.

    Beijos de madrid

    1.    Alberto Diaz dito

      Olá Cristina.
      Você concorda comigo, embora eu pegasse vários (cinco ou seis) dos textos. E o de Monterroso é, sem dúvida, o mais famoso. O de Jodorowsky também é muito bom para mim.
      Uma saudação literária de Oviedo.

  7.   O graffo dito

    "Eu vendo sapatos de bebê, não usados" - Ernest Hemingway

    1.    Alberto Diaz dito

      Olá, El Graffo.
      Já tinha lido há muito tempo, não me lembro onde, aquela micro-história de Hemingway. Certamente muitas pessoas ficariam surpresas ao saber que o amigo Ernest o escreveu (todos o associam ao romance).
      Parece-me uma micro-história fantástica com uma carga de profundidade tremenda. É claro o que está além dessa linha.
      Uma saudação.

  8.   Matias Muñoz Carreno dito

    Claro que você queria escrever Jorge Luis Borges, mas o autocorretor.

  9.   Carmen Maritza Jimenez Jimenez dito

    Caro Alberto. Eu estava lendo as histórias recomendadas e parei nas duas; El Sur de Borges e La noche voltados para cima, de Cortázar. A noite de Cortázar virada para cima, 'não me deixou indiferente', é contada com simplicidade e também com profundidade. Que domínio de Cortázar. Depois de lê-lo, interpretei que é uma luta pela vida antes da morte com vislumbres de consciência. O motociclista às vezes estava ciente da realidade. Pero el sumirse en una experiencia de vida desconocida, relacionada con un pasado lejano, nos hace pensar que el motociclista tuviera conocimientos sobre culturas mesoamericanas, o que tuviera una experiencia onírica clarividente sobre el ofrecimiento que los aztecas hacían a sus dioses sacrificando un prisionero en el Templo maior. Esse prisioneiro é ele, o motociclista que se agarra à vida, lutando contra o jugo opressor da morte. Aquela viagem pelo túnel e depois sob as estrelas e a iminência da morte, que será provocada por uma pedra ou faca de obsidiana, nos faz estremecer. Podemos pensar que este cidadão era um emigrado espiritual. Segundo Cortázar, mesmo que seja um passado distante e sejamos diferentes daqueles desse passado, pode ser “aquele espelho no qual se olha o nosso rosto”. É uma metáfora para aquele sincretismo cultural que somos, é como nos refletimos no espelho.
    Cordialmente
    Carmen

    1.    Alberto Legs dito

      La Noche Boca Arriba é ótimo 🙂 Fico feliz que você tenha gostado das recomendações de Carmen. Uma saudação.

  10.   Carmen Maritza Jimenez Jimenez dito

    Correção.
    É uma metáfora para aquele sincretismo cultural que somos, é como nos refletimos em seu espelho.
    obrigado

  11.   Débora Lee dito

    Que bom ler nas entrelinhas e imaginar a caneta de quem escreveu.
    Obrigado por compartilhar

  12.   Peter dito

    Ao lado da minha casa mora um homem que não sabe ler nem escrever, mas tem uma linda esposa. Naqueles dias, secretamente de sua esposa, e para minha angústia e preocupação, ele decidiu aprender. Eu o ouço soletrar, como uma criança grande, em alguns pedaços de papel que eu sempre dizia para ela jogar fora, mas a mulher muito estúpida os deixava espalhados descuidadamente por qualquer parte da casa; e oro a Deus para que nunca aprenda.
    Fart Querales. Do livro «Fábulas Urbanas».

  13.   peter querales dito

    Meus dentes
    Meus dentes na pia cancelam a consulta e lágrimas rasgam que se transformam em choro amargo e convulsivo. Na frente do espelho, imagino você nervoso no shopping.
    Ainda molhada, na frente do celular, não preciso esperar muito. Parece, e sua voz de criança me chama tarde. "Isso não pode ser! Encontre um garoto da sua idade! " Eu te digo. Eu desligo e bato meus dentes e sua voz suave de adolescente contra a parede.
    Eu continuo chorando, molhada.

    Pedro Querales. Do livro "Você se lembra da pimenta caiena que eu te dei?"

  14.   peter querales dito

    A lâmpada do açougueiro

    Quando chegou a vez de Marco, três dos cinco que jogavam já haviam passado. O som da bateria girando - essa era a única regra do jogo: deixar todo mundo girar antes de colocar na cabeça - lembrou-o da rajada de sua bicicleta ao pisar nos pedais para trás. Marco sempre gostou de correr riscos: pequenos, grandes ou extremos, mas sempre em risco. Passaram-lhe a arma - nem pesada nem leve, naquele momento que não se percebe - e ele bateu no tambor com força. Ele o pegou e colocou na têmpora direita. Ao erguer a cabeça, viu a lâmpada que iluminava mal o quarto com sua luz amarelada, e se lembrou de quando roubou a lâmpada da casa do açougueiro. Foi assim que começou esse vício de risco e perigo. "Não roube a lâmpada do açougueiro!" seus amigos disseram a ele. "Sim", respondeu Marco. Muito tarde da noite, eles se reuniram em frente à casa do açougueiro. Marco saiu das sombras e, furtivamente, foi até a varanda da casa. Os cães latiram de dentro. Marco parou e esperou. Os cães ficaram em silêncio. Com muito cuidado e devagar, Marco abriu o pequeno portão de ferro, mas ele ainda rangeu nas dobradiças. Os cães latiram novamente. Desta vez mais forte e por mais tempo. O semáforo do silêncio deu a Marco a luz verde novamente. Ele parou em frente à porta de madeira e olhou para baixo: "Bem-vindo" disse o tapete iluminado pela luz que entrava pela fresta inferior da porta. E ele podia ouvir as vozes do açougueiro e sua esposa misturando-se com as da televisão. Ele respirou fundo e fez o sinal da cruz. Em seguida, ele elogiou os dedos e afrouxou a lâmpada. Ao sair, os cachorros latiram de novo. Alguns até uivaram. Ele parou e ficou assim, congelado e imóvel como uma estátua viva, por um longo tempo. Ele terminou de puxá-lo e largou a lâmpada incandescente na rede que se formou em torno de seu abdômen quando a borda inferior da flanela subiu. Ele recuou e saiu de costas, com a luz da lâmpada no sorriso e o troféu, já frio, nas mãos.
    No dia seguinte, Marco teve que ir ao açougue comprar algumas costelas para a mãe. O açougueiro ficou furioso. Todo sangrento gritou e praguejou enquanto massageava uma carcaça pendurada no teto. "Se eu pegá-lo, vou esfolá-lo" e mergulhou a faca afiada e rasgou a carne insensível. “Eu vou caçá-lo! Sim, vou caçá-lo! Aquele volta! Mas vou ficar esperando por ele. ”Então a situação se tornou um desafio para Marco: o jogo de gato e rato. Marco esperou um tempo razoável, quinze ou vinte dias, e novamente roubou a lâmpada do açougueiro. No dia seguinte, ele foi ao açougue para ver a reação deles. E ela o ouviu furioso: “Maldito ladrão! Ele roubou minha lâmpada de novo! " ele disse a um cliente enquanto cortava a cabeça de um porco com um golpe de machado. Ficaram assim até que Marco se cansou de roubar a lâmpada do açougueiro. E um dia, à noite, ele os deixou todos em uma caixa de papelão perto da porta.
    Os quatro jogadores, em volta da mesa, olhavam para Marco com expectativa. Com o barril apoiado na têmpora, Marco viu a lâmpada - e pensou na loteria da Babilônia, onde o vencedor perde - e de repente ela apagou.

    Pedro Querales. Do livro «Pink Sun»

  15.   Lorraine dito

    Não há ninguém aqui, apenas migalhas de pão por toda parte. Peguei-os rapidamente para não atrasar o jantar dos meus filhos.

  16.   Ricardo VMB dito

    Plágio

    O Dr. Benavente, especialista em direitos autorais, estava na Europa e a absolvição do nosso cliente dependia de seu parecer quase pontifício, uma carta por ele assinada pesaria na decisão dos juízes, seus alunos da universidade, então me arrisquei e Eu falsifiquei a assinatura do advogado no relatório que escrevi com o qual vencemos o julgamento. Caso de plágio, ganho com documento falso, que coisa você aprende.

    Ricardo Villanueva Meyer B.

  17.   Jose Constantino Garcia Medina dito

    O velho professor -
    Na fria luz artificial, a careca do professor brilhava como uma lua de inverno.
    Os alunos, mais atentos às evoluções esportivas do vôo das moscas, ignoraram suas explicações logarítmicas.
    O quadro-negro queixou-se a tempo dos rastros do giz empurrado pela velha mão daquele homem.
    Sua jaqueta, manchada de tristeza, amassou em uma cadeira tão velha quanto ele.
    Quando a campainha tocou, eles saíram sem olhar para ele. Duas lágrimas cruzaram seus rostos se misturando com a poeira da classe.

  18.   Javier Olaviaga Wulff dito

    «Seus olhos brincando com os dele enquanto seus lábios brincavam com os meus» - Javier OW

  19.   LM Pousa dito

    Quando ele acordou, ela ainda não estava lá.

  20.   Luís Manteiga Pousa dito

    Já tinha ouvido que durante a Revolução Francesa, quando alguém era guilhotinado, a cabeça, já separada do corpo, ainda dizia algumas palavras. Mas, no meu caso, parece-me que falei demais.

  21.   Luís Manteiga Pousa dito

    - Ai, ai, ai! - disse alguém. “O que há?” Disse outro, aproximando-se. Então silêncio.

  22.   LM Pousa dito

    Gosto especialmente dos de Luis Mateo Díez, Cortazar, Lugones, Max Aub, Millás e García Megías.

  23.   Pamela Mendez Ceciliano dito

    Minha favorita foi Ameaças, de William Ospina, porque pode ser adaptada à sociedade em que vivemos, já que muitas vezes queremos ou fazemos o que mais pode nos prejudicar, a espada vai matar a pantera antes de poder devorá-la.
    Sobre William Ospina, este escritor é colombiano e ganhou o prêmio Rómulo Gallegos com seu romance "El País de la Cinnamon", que faz parte de uma trilogia sobre a conquista do norte da América do Sul. Além disso, entre suas obras se destacam os ensaios e o romance “O ano do verão que nunca veio” me chama a atenção, pelo contexto de que trata.

  24.   Dany J. Urena. dito

    A micro-história que mais gostei é La carta, de Luis Mateo Díez, porque demorei muito a tentar compreendê-la e, por fazer muito sentido, o escritor dá um caso de uma vida cheia de adversidades. em que uma pessoa Você normalmente se sente oprimido e triste, mas encontrou uma maneira eficaz de neutralizar essas emoções e seguir em frente. Também gostei porque como jovem e com a situação que vive, às vezes se sente estressado e talvez sem querer continuar o que está fazendo, mas sempre há um bom motivo para continuar.

    Luis Mateo Diez é um escritor espanhol membro da Real Academia Espanhola (RAE) desde 2001 com o cargo, ou cadeira "l". Ele é conhecido por seus romances e ensaios, e entre suas obras mais notáveis ​​estão A Fonte da Idade, A Ruína do Céu, Fábulas do Sentimento.

  25.   Juliana Galego dito

    Olá Alberto, concordo com você, também sou um grande fã de contos, e sem dúvida, na minha opinião, o melhor é "La carta", embora sejam todos muito bons.

    Saudações de algum lugar onde, todas as manhãs chego ao escritório, sento, acendo a lâmpada...