Os melhores livros mexicanos

Melhores livros mexicanos

Prolífico e hipnótico, o Literatura mexicana Sempre foi marcado pela miscigenação ou pela influência de uma Revolução Mexicana que fez do gênero jornalístico o predecessor das histórias e autores nacionalistas. Uma ladeira que explode nestes melhores livros mexicanos que você deve ler pelo menos uma vez na vida.

Pedro Páramo, de Juan Rulfo

Pedro Páramo por Juan Rulfo

Se existe um livro mexicano, esse é Pedro Páramo, um dos histórias mais universais da literatura latino-americana. Precedido pela coleção de histórias não menos recomendada A planície em chamas através do qual Juan Rulfo já nos apresentou a cidade fictícia de Comala, Pedro Páramo evoca o misticismo de um México deserto, de vozes misteriosas e ruas desertas no centro das quais encontramos duas histórias: a de Juan Preciado, um jovem que vem à procura de seu pai Pedro Páramo, e a deste último, um cacique corrompido pelo poder. Publicado em 1955 e considerado por muitos como um dos primeiros romances do famoso realismo mágico latino-americano, Pedro Páramo é um desses livros essenciais que todos deveriam ler.

Como água para chocolate, de Laura Esquivel

Como água para chocolate de Laura Esquivel

Quando todos pensavam que o referido realismo mágico havia chegado ao fim, os anos 80 terminaram com a publicação de uma das grandes obras das letras mexicanas. Passada no estado de Coahuila em plena Revolução Mexicana, a história narra o romance entre Tita, condenada a cuidar dos pais morrendo como toda filha benjamina, e Pedro, que recebe a mão da irmã de Tita, Rosaura . Tudo isso, com fogões, sabores e pratos mexicanos que animam o mel do romance. Como água para Chocolate é em si uma receita que brinca com os ingredientes necessários ser irresistível: uma história de amor cozinhada em fogo baixo, a combinação perfeita de vida cotidiana e magia e uma cereja no topo da forma de um desfecho inesquecível.

O Labirinto da Solidão, de Octavio Paz

O Labirinto da Solidão, de Octavio Paz

Literatura nacionalista como conseqüência do Revolução Mexicana Abrange diferentes trabalhos nos quais os autores tentaram investigar a cultura, a essência e o comportamento dos mexicanos. Um bom exemplo é O Labirinto da Solidão, obra-prima de Octavio Paz publicada em 1950 e formada por nove tentativas por meio da qual o escritor se aprofunda nos episódios históricos que desencadearam, segundo ele, um certo caráter pessimista na sociedade mexicana. Edições posteriores da obra incluíram o conhecido Postscript, uma conferência de paz na Universidade do Texas em 1969 baseada na teoria do livro, ou Return to the Labyrinth of Solitude, uma entrevista em que o pensamento em torno de um mexicano que sempre "obedece à voz da raça."

Batalhas no deserto, de José Emilio Pacheco

As Batalhas no Deserto de José Emilio Pacheco

Publicado pela primeira vez no suplemento de sábado em 1980, As batalhas no deserto Acabou sendo lançado como um romance um ano depois. Ambientada em 1967, a obra de Pacheco narra os últimos vinte anos por meio da voz de Carlos, um jovem da Colonia Roma na Cidade do México que se torna um reflexo perfeito da sociedade mexicana da época, que apesar de avançar e abraçar a modernização continuou a arrastar fraturas que acabariam explodindo em um futuro não muito distante. Um dos melhores livros mexicanos quando se trata de compreender a história recente do país norte-americano.

Conspiração, de Juan José Arreola

A conspiração de Juan José Arreola

Grande amigo de Juan Rulfo e incessante editor de diversas publicações literárias de grande sucesso no México das décadas de 50 e 60, Arreola foi um dos autores mais prolíficos da sua geração, em contacto constante com as diferentes vanguardas e com um país onde se tornou uma das suas grandes vozes. Confabulario, publicado em 1952, é um conjunto de histórias através das quais o autor mergulhe em sentimentos universais como amor, frustração ou solidão do homem moderno, ao mesmo tempo que supõe todo um exercício de purificação com a inclusão de vários textos do escritor que foram condensados ​​em um número menor de páginas.

A morte de Artemio Cruz, de Carlos Fuentes

A morte de Artemio Cruz por Carlos Fuentes

Apesar de não conseguir um Prêmio Nobel de Literatura que confirmou como entregue quando foi recebido por Gabriel García Márquez em 1982, Fuentes é um dos grandes autores das letras latino-americanas, ganhador de outras prêmios como o Príncipe das Astúrias ou Rómulo Gallegos. Um escritor cuja bibliografia abrange obras poderosas como A morte de Artemio Cruz, um romance que lembra o consequências da Revolução Mexicana no coletivo popular e, especificamente, de um Artemio Cruz que, em seu leito de morte, nos conta sua própria história dividida em fases que por sua vez casam a transição do México tradicional para um mais moderno como o de 1962. Foi nesse mesmo ano que O A morte de Artemio Cruz foi publicada até se tornar um daqueles livros necessários para entender a psicologia mexicana de ontem, hoje e amanhã.

Guardian Devil, de Xavier Velasco

Guardian Devil por Xavier Velasco

Um dos romances referentes mais contemporâneos da literatura mexicana foi este Diabo guardião vencedor do Prêmio Alfaguara em 2003. A história, centrada em outro episódio-chave da literatura mexicana do século XXI como a imigração, conta a jornada de Violetta, uma amante do luxo de quinze anos que depois de roubar mais de cem mil dólares dela os pais decidiram cruzar a fronteira para Nova York, cidade onde seus excessos e amores definem um novo palco para a protagonista.

The House on Mango Street, de Sandra Cisneros

A casa da Rua Mango de Sandra Cisneros

Apesar de um pai que sempre rejeitou seu sonho de escrever, Sandra Cisneros conseguiu capturar parte dos anseios e arrependimentos de uma geração de imigrantes mexicanos nos Estados Unidos como base perfeita para sua obra mais famosa. Acompanhado por várias ilustrações, A casa na rua Mango foi publicado em 1984 tornando-se um sucesso de vendas e raio-X perfeito de uma comunidade latina nos subúrbios de Chicago, cuja protagonista, a jovem Esperanza Cordero, torna-se a promessa do sonho americano para uma população latina que nos últimos trinta anos gerou todo um universo de histórias sobre a diáspora.

Quais são, na sua opinião, os melhores livros mexicanos da história?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   SOFIA dito

    VOCÊ PODE COLOCAR O ANO DE PUBLICAÇÃO DO ARTIGO PARA CITÁ-LO?

  2.   Dale emmert dito

    Aqueles abaixo, Mariano Azuela
    O murmúrio das abelhas, de Sofia Segovia
    Os filhos perdidos de Valeria Luiselli