10 melhores livros de Gabriel García Márquez

Apesar dos mais de três anos que se passaram desde sua morte, o mundo não se esqueceu de Gabo ... e nunca esquecerá. Originário de Aracataca, na Colômbia, cidade que se camuflou sob a identidade de famosos Macondo de Cem Anos de SolidãoGabriel García Márquez (6 de março de 1927) já é o maior autor que a literatura hispano-americana já produziu. Esses 10 melhores livros gratuitos de Gabriel García Márquez confirme a magia do trabalho do pai do realismo mágico e vencedor do NobeEle que nos seduziu com sua capacidade de definir um continente em um livro, fundir realidade com fantasia e transformar algumas de suas histórias em atemporais.

Cem Anos de Solidão

Idealizada por Gabo em um de seus piores momentos econômicos, pouco poderia o autor prever que sua obra, enviada à editora argentina Sudamericana em 1967, se tornaria um sucesso indiscutível. A história da família Buendía, habitante da cidade perdida de Macondo, não só serviu para narrar a história da América Latina ao longo de várias gerações, mas também para cunhar o boom de um realismo mágico que prevaleceu durante os anos 60 e 70 para se tornar uma marca emblemática das letras ibero-americanas. . Dos 10 melhores livros de Gabriel García Márquez esta é a sua magnum opus, sem dúvida.

O Amor nos Tempos do Cólera

Em mais de uma ocasião, Gabo reconheceu que O amor na época da cólera era seu romance favorito. Um dos motivos está na história dos próprios pais da autora como fonte de inspiração para o romance de Fermina Daza, casada com o médico Juvenal Urbino, e do solitário Florentino Ariza em uma cidade portuária do Caribe colombiano. Desenvolvido ao longo da vida dos três protagonistas, Love in the Times of Cholero é como um bolero lento, que mergulha no pensamento de personagens para quem o tempo é a única esperança. Publicado em 1985, o romance foi um sucesso e (des) mereceu uma adaptação cinematográfica realizada em 2007.

Crônica de uma Morte Anunciada

Da primeira página já se sabe o final, mas o gancho é saber como se encaixam as peças do quebra-cabeça que levou à morte de Santiago Nasar, acusado por Ángela Vicario, recém-casada com o médico Bayardo San Román, de ser o causa da perda de sua virgindade. A história de crime que todos conheciam mas ninguém se atreveu a parar está mais próxima de um romance policial e recebe várias influências do mais jornalístico Gabo. Publicado em 1981, Chronicle of a Death Foretold É inspirado no caso real de um homem assassinado em uma cidade colombiana em 1951.

O coronel não tem ninguém para lhe escrever

A segunda obra publicada de García Márquez foi este romance que, apesar da sua extensão, continha uma história tão intensa quanto sutil. O protagonista, um coronel que vai ao porto todas as manhãs à espera de sua pensão pelos serviços prestados na Guerra dos Mil Dias, caminha pelas ruas de um povoado colombiano, trata de sua esposa e tenta alimentar o galo de briga de seu falecido. em meio à pobreza crescente. O romance foi publicado em 1961 e Gabo considerou-o "seu melhor livro".

Ninhada

O primeiro romance publicado por Gabo já dava indícios dos personagens, das situações e de um povoado de Macondo que seria reconhecido após a publicação de Cem Anos de Solidão. Um pequeno romance que abrange as três perspectivas de uma família (o de um pai coronel, sua filha e seu neto) sobre o enterro de um homem odiado por todo o povo. Nesta obra, Gabo já manifesta seus saltos no tempo e outras características do realismo mágico para torná-lo o preâmbulo perfeito para o resto de sua bibliografia.

História de um náufrago

O trabalho mais jornalístico do autor veio após meses de investigação sobre um curioso acontecimento que chocou toda a Colômbia. Luís Alejandro Velasco Embarcou de Mobile, no Alabama (Estados Unidos), no navio Caldas, que naufragou, obrigando-o a passar dez dias no mar sem comida e à mercê dos cálculos do próprio náufrago sobre a chegada dos aviões de resgate. A história desvendou o tráfico de contrabando entre os dois países, condenando ao esquecimento um herói colombiano cuja história foi transformada em romance por Gabo em 1970.

O Outono do Patriarca

A figura do ditador na América Latina foi uma referência literária evocada como poucas outras por Gabo neste livro. Concebido como um romance em prosa, no qual inúmeras vozes em primeira pessoa se misturam como perspectivas do tirano Patriarca, o romance foi publicado em 1975 e aparentemente não gostou muito de Fidel Castro, amigo íntimo de Gabo.

Memórias das minhas putas tristes

O último romance de Gabriel García Márquez, publicado em 2004, causou alguma controvérsia após o momento do seu lançamento face ao enredo que apresenta: a história de amor entre uma velha jornalista que decide dar-se como presente de 90 anos uma noite de paixão com uma adolescente operária que decide vender a sua virgindade para salvar a sua família. O abuso de poder, a solidão e a morte, três dos temas preferidos de Gabo, fundem-se nesta história que se passa na cidade de Barranquilla em meados do século XX e cuja adaptação cinematográfica viu a luz em 2012.

Doze contos de peregrinos

Gabo foi um grande romancista, mas, acima de tudo, um contista, a natureza da maioria dos autores do realismo mágico latino-americano. E um dos melhores exemplos é esta compilação de doze histórias que abordam as histórias de diferentes personagens latino-americanos em território europeu: do ex-presidente exilado à governanta alemã que cuida dos filhos de um casal colombiano, esta antologia de contos explode no que é o meu conto preferido do autor colombiano, Seu rastro de sangue na neve, cujo final devastador redefine a reviravolta muito necessária em um gênero como o conto.

Viva para contar

Após a morte de Gabo, o mundo voltou-se para esta obra com maior fervor, uma autobiografia do autor dividida em três partes e que ajudou a compreender ainda melhor o seu universo literário. Ao longo de suas páginas, Gabriel García Márquez fala sobre as histórias que sua avó lhe contou, sobre sua abordagem às grandes atrocidades do governo dos Estados Unidos na América Latina ou a proposta de casamento com sua esposa, Mercedes Barcha, o amor de sua vida. O livro foi publicado em 2002.

Quais são, na sua opinião, os 10 melhores livros sobre Gabriel García Márquez ?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

3 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Victor Linares. dito

    Toda a obra literária do gabo, está resumida no prémio Nobel que ganhou, mas duas obras vão ao encontro das expectativas: Cem anos de solidão. »O amor em tempos de cólera»

  2.   gleidys dito

    Amo a criação literária do GGM, gostaria que tivesse sido eterna para que eu não parasse de escrever e pudesse desfrutar a cada momento com algo novo

  3.   awrs dito

    O termo realismo mágico foi introduzido na literatura latino-americana pelo venezuelano Arturo Uslar Pietri. Foram muitos os que expressaram suas ideias através deste estilo, mas é indiscutível que Uslar Pietri é o PAI desta vanguarda literária e que dá vida ao termo realismo mágico com sua obra Las Lanzas Coloradas publicada em 1930 ambientada no mercado venezuelano época colonial. . Com todo respeito a Gabriel G. Marquez e seus grandes romances. Mas não é corretamente histórico cunhar Márquez o termo pai do realismo mágico