Melhores livros de literatura cubana

Cuba, a ilha que também pode ser lida.

Embora a ilha mais famosa do Caribe comece lentamente a se abrir para o mundo, há muitos anos a população cubana foi reprimida por um regime comunista que os levou a contar histórias olhando para o mar, de um Malecón cheio de grandes histórias. Esses melhores livros da literatura cubana falam de palmeiras e tragédias, de tristezas e sorrisos, mas, acima de tudo, de esperança por um mundo melhor.

Melhores livros de literatura cubana

Cecilia Valdés ou a Loma del Ángel, de Cirilo Villaverde

Cecilia Valdés ou a Loma del Ángel de Cirilo Villaverde

Publicada em dois volumes em 1839 e 1879 que foram reunidos em uma edição final em 1882, a obra de Villaverde é considerada como o primeiro romance cubano e é uma história ambientado em Cuba em 1830, abordando a realidade de mulatos e escravos livres nas mãos de famílias espanholas. O romance, daquele personagem romântico tão típico do século XNUMX, conta a história de amor entre o crioulo Cecília e Leonardo, que não sabem que são meios-irmãos e filhos do mesmo pai, o milionário Cándido de Gamboa. O romance se tornou o tema de uma zarzuela cubana adaptada anos atrás, composta por Gonzalo Roig.

Você gostaria de ler Cecilia Valdés ou Loma del Ángel?

A Idade de Ouro e outras histórias, de José Martí

A idade de ouro de José Martí

Criador de Partido Revolucionário Cubano e a figura mais representativa do Independência cubana, José Martí foi também um poeta e romancista modernista cujas obras, às vezes ofuscadas por seus atos políticos, foram redescobertas como uma reinvenção das letras espanholas do século XIX. A idade de ouro é um bom exemplo, um compêndio de contos sobre fantasia, heroísmo e justiça escrito para "as crianças da América", mas altamente recomendado para pessoas de todas as idades.

O reino deste mundo, por Alejo Carpentier

O reino deste mundo por Alejo Carpentier

Durante os anos que Carpentier passou na Europa, o surrealismo tornou-se uma de suas grandes influências. Uma corrente que carregou consigo durante seu retorno a Cuba e sua imersão em um mundo de rituais e cerimônias vodu tecidas entre sua ilha e o vizinho Haiti que resultaria em O reino deste mundo, publicado em 1949. Embaixador do conceito de «o verdadeiro maravilhoso»Tão típico da Revolução Haitiana, o romance segue os passos do escravo Ti Noél, uma representação das crenças mágicas africanas, em um momento conturbado para uma população negra do Haiti totalmente subjugada pela tirania europeia. Uma de as obras mais representativas da literatura latino-americana de todos os tempos.

Três tigres tristes, de Guillermo Cabrera Infante

Três tigres tristes por Guillermo Cabrera Infante

Publicado em 1965 e, posteriormente, em 1967 em uma edição corrigida, Tres tigres tristes, que surgiu do famoso trava-línguas para crianças cubanas, conta a história de três amigos que zombam de seu estado de pobreza durante uma noite em Havana. Cheio de Coloquialismos cubanos que incitam a "ler o romance em voz alta" segundo nota explicativa no início da obra do próprio Infante, a novela foi proibido em Cuba por Fidel Castro Embora tenha sido uma das principais obras durante o chamado "boom latino-americano" da década de 60.

Paraíso, de José Lezama Lima

Paraíso de José Lezama Lima

Embora tenha sido publicado em 1966, Primeiro romance de lima já viu a luz em 1949, com a publicação de seus dois primeiros capítulos. Um monumento barroco que desafia todas as leis da literatura tradicional para contar a história do poeta José Cemí desde o seu nascimento até os primeiros anos de faculdade, configurando um romance de aprendizagem com uma estrutura complexa que desafia o intelecto do leitor. A obra, elogiado desde o primeiro momento de publicação por Octavio Paz ou Julio Cortázar, também se tornou um motivo de rejeição por parte da Revolução dada a sua tinturas homoeróticas.

Você ainda não leu Paradiso?

Antes do anoitecer, de Reinaldo Arenas

Antes do cair da noite, de Reinaldo Arenas

Antes de se suicidar em 7 de dezembro de 1990 devido a um diagnóstico de AIDS que acabou consumindo seus últimos dias em Nova York, Reinaldo Arenas deixou este livro como herança. Um testemunho da dura vida em Cuba por um escritor homossexual e dissidente contrário ao regime de Castro que não cessou de persegui-lo até sua fuga da ilha em 1980. Arrasadora e arrepiante, a obra foi adaptada para o cinema em 2001 com Javier Bardem como Arenas, pelo qual foi indicado ao Oscar de Melhor Ator. Sem dúvida, um dos melhores livros da literatura cubana.

Lee Antes do cair da noite, de Reinaldo Arenas.

Silêncios, de Karla Suárez

Silêncios de Karla Suárez

Publicado em 1999, Silêncios tornou-se um todo livro de sucesso graças a uma premissa que permitiu ao mundo se identificar com a situação em Cuba, especificamente através dos olhos de uma menina que, durante sua transição à maturidade, compreende todas as relações do povo com quem vive sob a influência do regime cubano.

Everybody Goes, de Wendy Guerra

Todo mundo deixa Wendy Guerra

O desejo de deixar uma ilha em que o governo dita o destino de seus habitantes sempre foi um dos temas mais frequentes da literatura cubana, exceto que poucos chegaram a abordá-lo de forma tão decisiva como Todo mundo deixa Wendy Guerra. Narrada como um diário, a obra conta A vida de Snow Guerra dos 8 aos 20 anos, época em que foge grande parte de seus conhecidos, todos sonhadores de um mundo que não os encontrará em Cuba. A novela ganhou o primeiro prêmio de romance Bruguera em março de 2006 e foi adaptado para o cinema por Sergio Cabrera em 2014

O homem que amava cães, de Leonardo Padura

O homem que amava cães de Leonardo Padura

Mestre da realismo sujo, Leonardo Padura é possivelmente um dos os autores cubanos mais influentes na literatura contemporânea cujo maior trabalho é, sem dúvida, O homem que amava os cachorros. Publicado em 2009, o romance conta as memórias de Iván, um veterinário, sobre um encontro que teve em 1977 com um homem acompanhado por dois galgos em uma praia cubana há quase trinta anos. Foi nesse momento que aquele novo conhecido revelou muitos detalhes sobre a relação entre León Trotsky e seu assassino, Ramón Mercader, até sua confluência no México. Um retrato que Padura usa para projetar sua visão de Cuba em seus últimos anos.

Quais são, em sua opinião, os melhores livros da literatura cubana?


4 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Lizabeth dito

    Dos mencionados, li A Idade de Ouro, Cecilia Valdés, Tres Tristes Tigres, O Homem que Amava Cães e Antes do Anoitecer, de minha parte recomendo fortemente um romance recém-publicado que trata da questão da emigração, chama-se RIM. PARA VOCÊ MENINA (autora Lourdes María Monert) agradável, profundo e comovente,

  2.   amadorh dito

    É muito subjetivo. Não há apostador em Cuba para medir popularidade, nem parâmetros nem críticas para tão ignóbil tarefa.

  3.   Jorge Gallardo dito

    A lista contém apenas alguns dos melhores livros, devo dizer romancistas. Nem Wendi, nem Padura, nem Karla são ótimos. Faltam as estrelas, mas estão Martí, Cabrera Infante, Lezama Lima e Reinaldo Arenas. Zoe Valdés, Severo Sarduy, Heberto Padilla, Virgilio Piñera, Lidia Cabrera, Lino Novás Calvo, Daína Chaviano, Benítez Rojo e muitos outros não são mencionados. Nem os novos do exílio são mencionados, nem os novos da ilha. Quanto aos melhores livros, esse é outro assunto. Obrigado

    1.    Carlo c. Carlos dito

      Jorge Gallardo? Ousa mencionar Zoe Valdés entre os clássicos da literatura cubana? Dania Chaviano? Foda-se, amigo. E quem em sã consciência colocaria Reinaldo Arenas? ... ha ha ha !!