A Fênix dos moinhos, eterno Lope de Vega. 5 sonetos

Foto: Igreja de San Sebastián, Madrid. @Mariola Díaz-Cano Arevalo

Foi em Madrid, cidade que viu nascer e também morrer em um dia como hoje 1635 para Lope de Vega Carpio, o poeta e dramaturgo espanhol, um dos mais importantes da nossa Idade de Ouro e talvez de toda a poesia e teatro nacionais. E todo o Madri foi se despedir dele naquele dia. Então, para lembrar, eu escolho estes 5 sonetos. Embora sempre haja uma razão para ler Lope: grandeza.

Lope de Vega

Todos nós lemos ou "vimos" Lope, a Fênix dos moinhos ou Monstro da Natureza, como seu contemporâneo o chamou de certo Miguel de Cervantes, com quem manteve uma rivalidade lendária. Seu verso, seu teatro ... Todos nós aprendemos o que era um soneto com Um soneto me diz para fazer Violante. E todos nós sabemos onde está Fountainovejuna e como o cachorro de um jardineiro os gasta.

Ele nasceu em Madrid no ano 1562 e ele era filho de um humilde casal de camponeses. Ele não terminou o ensino médio, mas mesmo assim, ele era um autor muito prolífico que cultivou diversos géneros, como a narrativa, o teatro e também a lírica. A partir de vida amorosa intensa, teve 15 filhos entre legítimos e ilegítimos. E ele era amigo de Francisco de Quevedo ou Juan Ruiz de Alarcón. Uma crise existencial, talvez pela perda de vários parentes, o levou ao sacerdócio.

Seu trabalho foi influenciado por Luis de gongora, com quem todos sabemos bem que ele estava em inimizade. Mas o tom de Lope está mais próximo de linguagem coloquial. No entanto, onde sua marca e sua renovando caráter está em suas peças. Ele queria apresentar histórias que eram realista e onde, como na vida, drama e comédia se misturam.

Para destacar entre algumas de suas obras: FountainovejunaPeribáñez e o Comandante de OcañaO melhor prefeito, o reiA estrela de Sevilha, A senhora boba, O aço de Madrid, O amante discreto, O castigo sem vingança...

No entanto, hoje fico com seus versos e escolho estes 5 sonetos (dos 3 000 que lhe são atribuídos) que mostram a sua poesia mais romântica e também religiosa.

5 sonetos

À noite

Noite encantadora,
louco, imaginativo, quimerista,
que você mostre a ele quem conquista o seu bem em você,
as montanhas planas e os mares secos;

morador de cérebros ocos,
mecânico, filósofo, alquimista,
vil corretivo, lince cego,
assustador de seus próprios ecos;

a sombra, o medo, o mal atribuído a você,
cuidar, poeta, doente, frio,
mãos dos bravos e pés do fugitivo.

Deixe-o assistir ou dormir, meia vida é sua;
se eu ver, eu vou te pagar com o dia,
e se durmo, não sinto o que vivo.

***

Para uma caveira

Esta cabeça, quando viva, teve
na arquitetura desses ossos
carne e cabelo, por quem foram presos
os olhos que olhavam para ela pararam.

Aqui estava a rosa da boca,
já murcha com beijos tão gelados,
aqui os olhos de esmeralda impressos,
cor que tantas almas entretiveram.

Aqui está a estimativa em que eu tinha
o começo de todo movimento,
aqui dos poderes a harmonia.

Oh beleza mortal, pipa ao vento!
Onde ele vivia com tanta presunção,
Os vermes desprezam a câmara?

***

Desejando estar dentro do seu próprio

Desejando estar dentro de você,
Lucinda, para ver se sou amada,
Eu olhei para aquele rosto que do céu foi
com estrelas e cópia natural do sol;

e sabendo de sua baixeza imprópria,
Eu me vi vestido de luz e esplendor,
em seu sol como um faetonte perdido,
quando ele queimou os campos da Etiópia,

Perto da morte eu disse: «Tenha-nos,
desejos malucos, porque você era muito,
os empregos sendo tão desiguais. '

Mas foi o castigo, por mais susto,
dois opostos, duas mortes, dois desejos,
Bem, eu morro no fogo e me derreto em lágrimas.

***

Força de rasgo

Com o espírito de falar com você em confiança
de sua piedade, entrei no templo um dia,
onde Cristo na cruz brilhou
com o perdão de quem olha para ele, basta.

E embora fé, amor e esperança
eles colocam ousadia em sua língua,
Eu me lembrei que era minha culpa
e eu gostaria de me vingar.

Eu estava voltando sem dizer nada
e como eu vi a ferida do lado,
a alma se banhou em lágrimas.

Eu falei, chorei e entrei por aquele lado,
porque Deus não tem uma porta fechada
ao coração contrito e humilde.

***

Estou morrendo de amor

Estou morrendo de amor, que não conhecia,
embora habilidoso em amar as coisas no terreno,
que eu não pensei que o amor do céu
com tal rigor as almas incendiaram.

Se você chama a filosofia moral
desejo da beleza ao amor, suspeita
que com maior ansiedade eu acordo
quanto mais elevada é a minha beleza.

Amei na terra vil, que amante tolo!
Ó luz da alma, tendo que te procurar,
quanto tempo eu perdi como ignorante!

Mas eu prometo a você agora que vou te pagar
com mil séculos de amor a qualquer momento
que por me amar deixei de te amar.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.