Editor, escritor ... Essas 10 dicas sempre podem ajudar

Aqueles de nós que escrevem ou escrevem regularmente devem ter em mente algumas recomendações muito necessárias. São eles que nos ajudam gerenciar nossas idéias e discurso para colocá-los em ordem e expressá-los da forma mais clara possível. Claro, escrita criativa não é o mesmo que escrita de conteúdo como esta. Os leitores e a mídia podem ser diferentes, assim como a mensagem. Mas isso 10 dicas Eles podem ser aplicados a qualquer faceta da escrita, adaptando-os a eles, é claro. Vamos ver o que são. Podemos adicionar mais? 

1. Vamos escrever quando tivermos ideias claras.

Talvez seja o mais importante. Destaque a primeira ideia ou classificação aqueles que surgem para depois desenvolvê-los e torná-los claros. E é claro que temos à disposição desde o dicionário a qualquer outro recurso de consulta para dirimir as dúvidas linguísticas, semânticas ou ortográficas que possam surgir. Encontramos muitos na internet como o RAE, o Dicionário Pan-hispânico, a Fundéu, o Instituto Cervantes e alguns outros.

2. Quanto mais você lê, melhor será escrito.

E nisso eu acho ambos os leitores e escritores concordam. Tampouco é uma atividade que nos falta, porque certamente a estamos sempre fazendo. Se não for por necessidade, é por dever ou lazer. A questão é que além do atenção para o conteúdo, vamos colocá-lo também no caminho.

3. A melhor ordem de uma frase é a lógica: sujeito, verbo e complementos.

Já sabemos o quão rica, extensa e maleável é a nossa linguagem. Suas figuras, seus giros e sua flexibilidade, mas para César o que é de César e para mestre Yoda o que é do Mestre Yoda. Muito mais fácil de manter a ordem lógica de uma frase é.

4. Tenhamos em mente a quem nos dirigimos e quem nos lê.

Obviamente os leitores deste blog não são os mesmos de Paulo Coelho, Kafka, o Marca ou o relatório de balanço do departamento de contas. Nem nós, como leitores, colocamos os mesmos olhos sobre este artigo sobre Cinderela quando lemos para nossos filhos. Também influenciando fatores sociológicos e culturais que podemos supor desse leitor. Então, antes de tudo isso linguagem simples, simples e acessível para todos, sem esquecer uma certa qualidade, é claro.

5. Cuidado com o uso da voz passiva.

Por contágio de inglês, É comum ver como o rebanho jornalístico deste país gosta de usar a voz passiva nas manchetes, introduções ou no conteúdo de seus artigos. Mas acontece esta nossa linguagem funciona na voz ativa, ou seja, são os assuntos que são relevantes, não os objetos. Vamos estrelar a ação, que ela não nos ultrapasse.

6. Vamos salvar as frases longas. Eles tendem a ficar confusos.

Alguns de nós temos esse passatempo perigoso e estou me incluindo. Como um escritor criativo, costumo usar aquelas frases longas que às vezes consigo dominar e às vezes nem tanto. No entanto, digamos que, ao escrever um romance, nos damos mais liberdade no estilo ou o que queremos expressar precisa de comprimento. Mas ao escrever devemos tentar ser precisos e vá direto ao ponto. Vamos controlar esses subordinados, essas aposições e essas circunlocuções. Ou não vamos sair com eles.

7. Vamos tentar evitar o excesso de adjetivos.

As vezes nos deixamos levar pela emoção, desapontamento ou raiva e continuamos denotando ou conotando. Ao escrever conteúdo, você deve tente fugir um pouco da subjetividade inerente que temos.

8. Não vamos nos apaixonar tanto pelos nossos textos. Vamos nos distanciar.

Todos nós fazemos isso maravilhosamente bem e sabemos disso. Além disso, eles nos contaram. Além disso, nós acreditamos nisso. Escrevemos um artigo redondo, muito bom. Na verdade, sempre fazemos. Talvez um dia seja mais curto ou nos tenha custado mais ou gostemos menos do assunto, mas não falhamos. Temos um toque, um presente. Nascemos com um lápis entre os dedos, um teclado debaixo do braço. Ninguém se iguala a nós criando palavras e juntando-as. Alguns são chamados quadro de carta. Para nós, professores. Por isso.

9. Não tenhamos medo de riscar.

O que sobra, o que não se soma, o que não é, o que não ressoa. Todos aqueles add-ons que não fornecem nada. É complicado. O pleonasmos fazem parte da nossa vida e agora, na correção política e linguística prevalecente, a eufemismos eles são o nosso pão de cada dia. Nós nos carregamos com divisão de gêneros (não fazemos mais sexo) e soluções de habitação. Tivemos que aprender a conviver com eles, mas podemos economizar muita palha. Se quisermos, é claro.

10. Vamos reler, revisar e corrigir.

Uma e outra vez. Sem se cansar. E se pudermos, o fundamental é deixe um pouco de tempo passar após uma primeira releitura. Sempre aparece um erro de digitação, uma palavra que internalizamos, mas não colocamos, um título traiçoeiro. Pode demorar alguns minutos ou um dia, mas vamos tentar. Isso nos beneficiará com certeza.

Então que? Podemos adicionar mais dicas?

fonte: Cálamo e Cran


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

4 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Francesc Félix Langa dito

    Bom dia Mariola,
    Como sempre, adoro o seu blog (talvez por ser simples, fechado). Tenho que admitir que nem sempre tenho tempo para lê-lo e sinto falta de seu novo post. Estou em processo de procura de emprego e isso me pega, sou obcecada em tornar os dias de procura intensos. Acho que ainda não consegui encontrar o contato de que preciso e preciso obtê-lo. É uma questão de esforço? Bem, ninguém me bate nisso (eu sou um atleta). Desculpa, como já te disse ... fico obcecado.
    Seu conselho é muito adequado. Vou ficar com 8. "Não vamos nos apaixonar tanto pelos nossos textos." Talvez porque seja esse o que afeta todos os outros.
    Muito obrigada, Mariola. Eu te sigo, sabe, mas não tanto quanto eu gostaria: minha realidade me obriga a estar com os 5 sentidos no que agora me afeta mais. Vamos resolver isso primeiro e depois a escrita, a leitura e todo aquele universo de letras e histórias que esperam ser descobertas como as estrelas, no céu de nossas mentes, virá, tentando captar a atenção dos olhos que só olham para o chão.
    Um abraço.

    1.    Mariola Diaz-Cano Arevalo dito

      Oi Francesc. AL não é o meu blog, somos vários colegas editores, mas obrigado pelos adjetivos qualificativos que você dedica. E mais obrigado por nos seguir.
      Sei que você está aí e já sei primeiro as primeiras coisas porque entendo bem a situação em que você se encontra. O bom é que você tira esses minutos para ler todos os dias. Então vamos lá, muita coragem e muita força e um dia vamos nos dedicar à literatura.

  2.   Ana Mª Garcia Yuste dito

    Olá senhorita. Eu sou o Floro e escrevo, junto com outros colegas, no blog elabrigodepuas.es de Ana Mª García Yuste. Gosto muito dos conselhos dele, mas há alguns que não sei como farei porque não acho que dominei as frases longas, embora riscando sim, aquele é humilde e conhece aquele tem que remover o que foi escrito incorretamente. De resto, com exceção dos adjetivos e da voz passiva, parece-me que também a controlo, principalmente o sujeito, verbo e complemento, pois, quando escrevo, sou muito reflexivo. Eu não quero entretê-la mais. Você tem um lindo blog. Muitos beijos

    1.    Mariola Diaz-Cano Arevalo dito

      Obrigado por suas palavras, mas este blog é de AL e nós somos alguns editores trabalhando nesses artigos, heh heh.