Entrevista com Roberto Martínez Guzmán, autor da série negra estrelada por Eva Santiago.

Roberto Martínez Guzmán: Autor da série negra estrelada por Eva Santiago.

Roberto Martínez Guzmán: Autor da série negra estrelada por Eva Santiago.

Temos o prazer de ter hoje em nosso blog com Roberto Martinez Guzman, Orense, 1969, autor da série de romances policiais estrelada por Eva Santiago e o best-seller de não ficção Cartas de Abuso.

«Para mim, cada leitor que escolhe um dos meus livros é um privilégio, porque me dedica o seu tempo e confiança. Está em minhas mãos que quero repetir. E convencê-lo é um desafio. "

Notícias da Literatura: Quatro livros, dois gêneros e dois protagonistas, uma ficção, Eva Santiago, inspetora da Polícia Nacional, para sua série negra, e uma real, Montse, com nome fictício, para sua primeira obra, uma história não ficcional com um fundo social intenso, Cartas do abuso. Que conexão existe entre os dois? Como ocorre a transição de um para o outro?

Roberto Martinez Guzmán: Não há conexão e, basicamente, nenhuma etapa específica de um para o outro. Cartas de abuso é um trem que passa uma vez na vida. Um projeto que precisa de uma série de condições que são muito difíceis de ocorrer ao mesmo tempo: um diário escrito em tal situação e a vontade do protagonista de vir à tona, mesmo que seja o anonimato. Ele o colocou em minhas mãos e me pareceu que eu não deveria deixá-lo passar porque um documento único se perderia. O motivo pelo qual foi meu primeiro livro à venda é que até aquele momento eu não havia pensado em publicar nada do que escrevi, nem o teria feito se a Amazon não tivesse se estabelecido na Espanha pouco depois. Quero dizer que minha trajetória de romancista não depende desse livro, mas da possibilidade de me autopublicar com garantias de atingir um grande número de leitores. Já escrevi antes e continuei escrevendo depois, foi só um parágrafo.

AL: Os escritores misturam e centrifugam suas memórias e as histórias que ouviram para criar personagens e situações. Outras vezes, como em seu primeiro livro, eles expressam uma história verdadeira. O que move Roberto Martínez Guzmán? O que você deseja gerar em seus leitores?

RMG: Em meu primeiro livro, fiquei comovido com a possibilidade de colocar o leitor no lugar de uma mulher que está sendo abusada por seu parceiro. Compreendi que minha função era colocar o jornal nas mãos do leitor à medida que o vinha escrevendo e ficaria ao lado dele para apontar as possíveis lacunas deixadas por cartas que não haviam sido escritas para publicação. Também que meu trabalho não era julgar o que neles se refletia, mas focar apenas em completar a história, buscando que o leitor vivesse a história na primeira pessoa e, no final, fosse ele quem julgasse os fatos.

Por outro lado, em meus romances sempre quero que o leitor encontre personagens que bem poderiam pertencer ao seu cotidiano. Acho que é uma forma que a história desperta maior interesse no leitor e que, por outro lado, ele se identifique com ela com mais facilidade. Não gosto de personagens que nunca encontraríamos na rua. E sim, eu reconheço que crio muitos personagens de uma pessoa real.

AL: Seu último livro, Sete Livros para Eva, publicado em 2016, é o terceiro da série, mas, na verdade, é o primeiro, é aquele que conta a história do seu protagonista antes de decidir virar policial. Continuaremos a viver as aventuras de Eva Santiago? Voltaremos para onde parou depois Café e cigarros para um funeral? Você vai voltar para a não-ficção?

RMG: Em primeiro lugar, não, não vou voltar à não ficção: é um trem muito específico que aconteceu uma vez na vida. Não espero uma segunda vez.

Quanto à inspetora Eva Santiago, desde o início pensei que todos os romances fossem autocontidos, independentes uns dos outros e que pudessem ser lidos em qualquer ordem, para que o leitor não se sentisse preso em uma saga, e que, se eles continuaram, eles estariam. Era porque ele realmente gostava deles. A partir daí, também não me sinto mais amarrado, e talvez por isso ainda não tenha decidido se haverá mais entregas. Em vez disso, não decidi quando. Em princípio, espero dedicar mais romances a ele, mas não sei se será o próximo livro ou em alguns anos. Nem quantos haverá. O que posso dizer é que todos serão casos da inspetora Eva Santiago, exceto um, que será um romance de encerramento. Ou seja, se Sete livros para Eva é a origem de Eva Santiago, é possível que haja uma entrega que seja o fim de Eva Santiago.

AL: O primeiro livro da série Eva Santiago, Morte sem Ressurreição, Traduzido para o italiano e o inglês, é um campeão de vendas no México, um dos principais mercados do gênero. O romance policial faz Orense trabalhar no mercado externo? A Galiza vende fora das nossas fronteiras?

RMG: Não é que a Galiza vende, é que vende qualquer local bem inserido e fiel às suas características. Eso lo tuve claro desde el prinipio, que si quería que a un lector, que no sabía ni dónde estaba Galicia, le interesase la historia y se identificase con el lugar, tenía que ser muy fiel a su geografía, a sus costumbres ya la mentalidad da gente. Sou daqueles que acreditam que não há nada mais universal do que o estritamente local. E sim, suponho que poucas pessoas conhecem a Galícia no México e ainda, em sua época, foi líder em downloads de e-books por muito tempo.

AL: Um de seus livros, Café e cigarros para um funeral, a segunda da série de Eva Santiago, você publicou em parcelas gratuitas, com Serial Books, disponíveis no seu blog e em várias plataformas. Ao postar, você interagiu com os leitores e até fez um concurso para adivinhar quem era o assassino. Como foi a experiência após o sucesso de vendas da Morte e ressurreição? O que saiu dessa experiência para Roberto Martínez Guzmán?

RMG: Lembro que o enfrentei com muito medo. Pelo fato de poder ser menos apreciado, mas sobretudo pelo perigo de que o primeiro romance devorasse o segundo. Morte sem ressurreição vendeu muito bem e por muito tempo, e muitas vezes acontece que, nesses casos, muitos leitores continuam a se identificar com o primeiro romance. Parece bobo, mas acaba assumindo uma longa sombra que obscurece tudo que você postar depois. Nesse sentido, talvez o fato de Café e Cigarros para Funeral ter sido publicado em parcelas e ao longo de alguns meses mitigasse esse perigo. Nesse sentido, o concurso para adivinhar o assassino também teve como objetivo retirar a atenção dos leitores do primeiro e focalizá-los naquela nova história, em que havia um assassino que precisava ser descoberto.

Cartas do abuso: o verdadeiro diário de uma mulher agredida.

AL: A pirataria literária prejudica você? Você acha que vamos acabar com ele um dia?

RMG: Não, não me machuca, porque eu não escuto. Sério, nunca dei muita importância a isso. Estou convencido de que as pessoas que baixam livros piratas, na verdade, se não pudessem fazer isso, também não os comprariam legalmente de você. Pelo contrário, acredito que quem quer que baixe um livro pirateado hoje se cansará de arquivos corrompidos, vírus camuflados e assim por diante e mudará para e-books legais. E nessa hora, você vai se lembrar dos autores que leu hackeados e gostou.

Estou convencido disso, ou quero estar, porque parece uma guerra perdida e que é muito difícil terminar. Muito mais quando a América Latina é um continente muito amigável para o leitor e não tem muitos recursos para comprá-los (em países como a Venezuela isso é diretamente impossível). Isso cria uma enorme facilidade de acesso a e-books piratas. Mas não apenas piratas, também downloads gratuitos legais. Para se ter uma ideia Café e cigarros para um funeral é publicado na Play Store. Uma semana, fixei o preço de um dólar, para quantificar a diferença, e vendi quatro ou cinco exemplares. Muito, muito longe de seus números, porque como download gratuito, em uma semana, costuma ter entre dois mil e cinco mil downloads. Essa é a situação.

AL: Algum passatempo ou hábito ao escrever? Você tem pessoas a quem entrega seus romances antes de fazer uma correção final com suas sugestões?

RMG: Mais do que mania, é um hábito. Costumo escrever no computador, corrigir, imprimir, corrigir no papel, ir ao arquivo do computador, corrigir no celular, reimprimir e, de novo, passar no papel. Nessa ordem e podendo repetir uma etapa. Todas as correções de que preciso até me sentar no terraço, com as páginas no colo, e não encontrar nada que pudesse expressar melhor. É o meu hábito, corrigir o que escrevo sentado na varanda, sem pressa, com o texto impresso em papel e um café na frente.

E sim, é claro que tenho autores que não são leitores. Eles para mim e eu para eles, por simples amizade e companheirismo.

AL: Nunca peço a um escritor que escolha entre seus romances, mas peço que te conheça como leitor.Que livro é aquele que você lembra com especial carinho, que te conforta vê-lo na sua estante? Algum autor pelo qual você é apaixonado, do tipo que você compra apenas os que são publicados?

RMG: Lembro-me com carinho do primeiro romance que li na minha vida, ainda criança: Outra Volta do Parafuso, de Henry James. Gostei tanto que despertou meu interesse em escrever histórias. Hoje em dia, geralmente compro tudo o que Karin Slaughter publica.

AL: Quais são os momentos especiais de sua trajetória profissional como escritor? Aqueles que você vai contar aos seus netos.

RMG: Ameaço meu filho para que não me dê netos, porque não estou psicologicamente preparado para ser avô. Pelo menos por enquanto. Portanto, espero que, quando me encontrar nessa situação, tenha muitos outros momentos futuros para contar a vocês. Dos experientes até agora, posso ficar com dois: o dia em que Morte sem Ressurreição alcançou o topo da posição de vendas na Amazônia Espanha, e outro que eu não esperava de longe, quando o Instituto de Engenharia do Conhecimento do A UAM publicou no ano passado seu estudo sobre a repercussão do Dia do Livro na Espanha e determinou que Sete livros para Eva foi o romance policial mais recomendado pelos leitores do Twitter. Honestamente, eu estava muito animado.

AL: Número um em vendas na Amazon, escritor consagrado de ficção policial, lado a lado com o maior, você optou pela editoração eletrônica, ... É sua própria decisão ou é tão difícil para uma grande editora apostar em um escritor , mesmo que já esteja tão estabelecido como É Roberto Martínez Guzmán?

RMG: Anos atrás pensei que uma editora nunca publicaria um autor desconhecido como eu, sem presença na mídia e que mora em uma cidade pequena como Ourense. E é por isso que nunca pensei em publicar o que escrevia, porque não queria que minhas vendas dependessem do envolvimento de meus amigos para me ler. Não, não vendo para meus amigos, nem peço que comprem nenhum dos meus livros. Eu nunca fiz, nem quero. Hoje, tudo mudou, o e-book se difundiu e o autor pode acessar os leitores, quer tenham o apoio de uma grande, pequena editora ou de autopublicação. Morte sem ressurreição Não ofereci a ninguém, mas à medida que ganhou relevância nas listagens de vendas, logo despertou o interesse de alguns. Não queria publicar, porque naquele momento achei que já estava bastante queimado. Sete livros para Eva iam sair com uma editora. Na verdade, o interesse dele nasceu quando ele estava apenas começando a escrevê-lo, mas no final não chegamos a um acordo e eu não me importava de publicá-lo eu mesmo. Em vez disso, Coffee and Cigarettes for a Funeral foi lançado com Serial Books, no fundo, uma editora que estava começando e que me oferecia um projeto que me atraía.

A realidade é que, se você publica e vende por conta própria, são os editores que o abordam e oferecem a edição. Algo lógico, já que seu negócio é vender livros. Aceito ou não depende da promoção que eles me oferecem, porque para mim, hoje, é a chave para você optar por eles ou pela autopublicação. É um pouco como quando a pessoa não tem companheiro, mas é muito bom sozinha. Ela não precisa ter, e se um dia ela concorda em se comprometer é porque se sente confiante de que será melhor.

AL: O fenômeno da mídia social cria dois tipos de escritores, aqueles que os rejeitam e aqueles que os adoram. Você parece ter um ótimo relacionamento com eles. 136.000 seguidores no Twitter. O que você ganha com as mídias sociais? O que eles trazem de positivo na sua vida, na sua profissão? Eles superam o inconveniente?

RMG: 136.000 seguidores em muitos anos que estive no Twitter. É lógico, pois toda promoção depende de mim. Você tem que comprimir a mídia social muito mais do que gostaria. E o Twitter foi uma época em que era a melhor fuga. Hoje está bastante obsoleto. O bom das redes sociais é que você pode se dar a conhecer sem depender de terceiros e também estar em contato direto com todos os leitores que desejam fazê-lo. Também é motivo de satisfação quando alguém lhe diz que você dormiu horas ou, como me disse um leitor um dia, que você o fez ler na rua. É realmente uma das grandes satisfações que a escrita lhe dá e que compensa todos os problemas, que também existem. A parte ruim das redes é que elas roubam muito tempo que você tem para escrever.

AL: É possível, nestes tempos, ganhar a vida escrevendo?

RMG: Sim, existem pessoas que fazem. Mas é claro que, além de gostar, você precisa de uma carreira mais ou menos extensa, de uma certa promoção garantida e atrevo-me a dizer que é necessário que os seus livros tenham sido traduzidos para várias línguas. Em todo caso, depende também do que cada um precisa para viver. Tem gente que se contenta com pouco e acha mais fácil dar o salto e tem gente que precisa de mais renda e tem dificuldade em desistir de cobrar de duas maneiras.

AL: Livro digital ou papel?

RMG: No papel, embora no final sempre acabe escolhendo o ebook por conveniência.

AL: Para encerrar, como sempre, vou fazer a pergunta mais íntima que você pode fazer a um escritor: Por que você escreve?

RMG: Porque gosto de contar histórias. Eu disse um dia no Twitter que cada romance era um convite aos leitores para um passeio pelo mais profundo de nossas mentes; ver a nossa forma de compreender as pessoas, o que consideramos importante e interessante, as circunstâncias que podem nos acontecer na vida e a forma como as interpretamos. É que o leitor se oferece para levá-lo pela mão para viver uma situação que ele nunca imaginou. Por isso, para mim, cada leitor que escolhe um de meus livros é um privilégio, pois me dedica seu tempo e confiança. Está em minhas mãos que quero repetir. E convencê-lo é um desafio.

 obrigado Roberto Martinez Guzman, desejo-lhe muitos sucessos, que a maré não pare e que continue a surpreender-nos a cada novo romance.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.