Emilio Lara. Entrevista com o autor de Sentinel of Dreams

Fotografia: Emilio Lara, perfil no Twitter.

Emilio lara publicou este ano Sentinela dos Sonhos, seu último romance. O autor jiennense tornou-se um dos mais importantes do gênero histórico graças a A irmandade da Invencível Armada, O relojoeiro da Puerta del Sol o Tempos de esperançaAgradeço muito a sua gentileza e por encontrar um espaço para este Entrevista onde ele nos conta um pouco de tudo.  

Emilio Lara - Entrevista

  • NOTÍCIAS DE LITERATURA: O título do seu romance é Sentinela dos Sonhos. O que você nos fala sobre isso e de onde surgiu a ideia?

EMILIO LARA: O gatilho literário é o massacre realizado pelos ingleses assim que o Segunda Guerra Mundial. Durante os primeiros dez dias de setembro de 1939, mais de 800.000 gatos e cães foram sacrificados. prevenir, se os alemães bombardearam Londres e outras cidades e os proprietários dos animais foram mortos ou feridos, os animais de estimação ser indefeso. Foi um sacrifício em massa motivado pelo amor, embora seja paradoxal. Eu conheci o episódio histórico lendo um relatório em um suplemento de domingo, e percebi que havia um história cheia de emoções. É assim que meu romance começa.

  • AL: Você consegue se lembrar daquele primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

EL: Ele era um leitor de quadrinhos voraz, e o primeiro livro que li foi Platero e eu, e também os romances de aventura de Julio Verne, um autor que me fascinou quando estava estudando EGB.

  • AL: Um redator principal? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas. 

EL: Eu ainda estou animado com o Miguel Delibes e Álvaro Cunqueiro. Com o tempo, outros se juntaram: Philip Roth, Robert Graves, García Márquez, Vargas Llosa, Juan Slav Galán, Arturo Pérez-Reverte...

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

EL: Qualquer um da trilogia de Hilary Mantel em Henry VIII.

  • AL: Algum hábito ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler?

EL: Eu não sou um maníaco nisso. Eu gosto de ler em um poltrona, com boa luz natural ou artificial. Eu escrevo no meu escritório para o computador, e levei notas de mão em notebooks. Eu leio e escrevo muito porque Eu organizo meu tempo E tento não desperdiçá-lo em besteiras.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

EL: Já disse que gosto de escrever no meu escritório, onde tenho o computador e encontro um ambiente tranquilo. Como eu tenho grande capacidade de abstrair Do barulho e do ambiente, posso ler em qualquer lugar: eu me mergulho em uma bolha, eu mesmo.

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta?

EL: Claro. Seria uma pena (e um absurdo) que, como escritor de romances históricos, não lesse outros gêneros. Leo romance policial, o que poderíamos chamar de romance literário, autoficção, clássico da narrativa e muito ensaio e história.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

EL: Agora mesmo Desastre, o novo ensaio de Niall Ferguson; O italiano, por Pérez-Reverte,  y De volta para ondede Antonio Muñoz Molina. Comecei a escrever um romance ambientado na Idade Moderna.

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial? 

EL: Voltando depois da terrível crise econômica que começou em 2008. A pandemia do coronavírus significou uma melhora no índice de compra de livros, o que é bom para um setor editorial que, na Espanha, vejo estabilizado. Eu sei que tem inquietação entre novos autores e aqueles que aspiram a ser, porque encontram muitas dificuldades para publicar, mas todos os tempos foram difíceis de publicar pela primeira vez. O que acontece é que agora se multiplicou o número de pessoas que querem ver seu romance publicado.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou você pode guardar algo positivo para histórias futuras?

EL: Não está sendo particularmente difícil para mim devido ao meu trabalho como escritora e professora, até me beneficiei de uma certa pausa nas viagens promocionais, pois me permitiu ler com mais calma e escrever sem nenhum peso. E qualquer situação adversa é boa para obter desempenho literário disso. Tudo depende da criatividade e do foco que o escritor deseja ter. Isso sim, Não estou nem um pouco interessado em romances que possam surgir sobre o coronavírus ou epidemias de eras passadas. Que pouca originalidade!


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.