Dia dos Escritores. Quantos nós lemos?

Uma senhora escrevendo - Johannes Vermeer

Uma senhora escrevendo - Johannes Vermeer

Hoje, 17 de outubro, celebramos o Dia do Escritor, embora pudesse ser celebrado diariamente porque sempre há motivos para ler um deles. Há tantos para destacar, revisar ou recomendar que nunca terminaríamos. Então, eu dou uma olhada rápida naqueles que mais foram capazes de gostar, influenciar e inspirar-me. Talvez compartilhemos os gostos.

De Safo ou do japonês Murasaki Shikibu ao recente vencedor do Planet, Dolores Redondo, choveu muito. Agora, o punhado de poetas, escritores, roteiristas e jornalistas extraordinários e bem-sucedidos já é uma pilha incontável. Embora sempre haja a eterna questão de se você ler mais para eles do que para eles. Que cada um dê sua resposta. Comecemos.

Eu acredito que toda a nossa infância, ou pelo menos, nós lemos os contos de fadas de Sophia Fyodorovna Rostopchina, a Condessa de Ségur. E um pouco mais velho, com certeza não perderemos nenhuma aventura dos Cinco. As meninas, em particular, estudam não só em nossas escolas, mas também em Santa Clara e Torres de Malory, com os muitos colegas criados pelo prolífico escritor inglês. Enyd Blyton.

E não vamos deixar a Grã-Bretanha porque naquela adolescência do colégio mais de uma vez descobrimos o rico e elegante Sr. Darcy, o insípido e atormentado, mas paradigma do romântico mais vitoriano que é o Sr. Rochester. Ou o corajoso e discreto coronel Brandon fingindo para a sonhadora Marianne Dashwood. Tudo saindo da mente de Jane Austen e Charlotte Brontë, como elas me apontam, que entre essas irmãs e Austen e tantos personagens maravilhosos quanto eles inventaram, eu já posso misturar Heatcliff de Emily com Emma na mesma história.

Poderíamos igualmente desfrutar da natureza e do amor mais inocente e puro entre dois irmãos inesquecíveis, aqueles que criaram Emilia Pardo Bazán em seu tão galego Os Pazos de Ulloa. Aprendi o gênero que mais gosto graças à rainha do mistério, do suspense e do crime, Agatha Christie. Ninguém pode negar que não há estante com os livros dessa coleção em casa.

Agatha Christie

Agatha Christie

Não deixei um livro de que gostei muito, embora a literatura de fantasia não seja minha devoção. O Esquecido Rei Gudúde Ana Maria Matute tem um lugar privilegiado na minha memória.

Então você descobre e lê histórias de uma maneira mais "adulta". Destes eu destaco Amado mestrede Rosa Montero, que sigo muito no papel de colunista. Ela e Soledad Puértolas eles formam um dos meus pares favoritos de escritores.

Rosa Montero e Soledad Puértolas

Rosa Montero e Soledad Puértolas

Infelizmente meu relacionamento não é mais tão próximo com escritoras, digamos, mídia ou best-sellers. Devo confessar que não caí nos truques de mágica de Harry Potter de JK Rowling, nem me deu a febre vampírica dos sugadores de sangue descafeinados de Stephanie Meyer (nem mesmo no mais escuro de Arroz Ann) Nem sou das sombras de EL James. Mas eu atribuo isso à minha certa idade e meu pouco gosto por esses gêneros. No entanto, tiro meu chapéu para seu trabalho e sucessos.

Assim como eu tiro isso diante da infinidade de autores de romances policiais que fizeram seu caminho para esse gênero difícil. Para citar alguns, o Nordic Camilla Läckberg, Mari Jungstedt ou Åsa Larsson; o francês fred vargas, cujo curador Adamsberg é um dos meus favoritos; O britânico Mo hayder (essencial para descobrir seu detetive Jack Caffery) ou o alemão Nele neuhaus Eles fizeram um nicho importante e merecido em um panorama negro que seus colegas homens dominam, ou querem dominar. Aqui claro nós temos Dolores Redondo, que com sua trilogia Batzán e seu recente Planeta se destaca merecidamente.

Camilla Låckberg, Mari Jungstedt, Åsa Larsson, Fred Vargas, Mo Hayder, Nele Nauhaus

Camilla Låckberg, Mari Jungstedt, Åsa Larsson, Fred Vargas, Mo Hayder, Nele Nauhaus

Deixei para o final um escritor que me inspirou muito ao escrever um dos meus romances. Tenho um carinho muito particular por ele, porque me lembro de ter visto seus livros nas prateleiras da minha casa desde que me lembro. Eu li alguns quando era pequeno e os reli não faz muito tempo. Se trata de Pearl S. Buck, o escritor, jornalista, ativista e roteirista americano que passou quarenta anos na China. Ele ganhou um Pulizter em 1932 e recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1938.

Enfim, eu poderia continuar e continuar, mas eles (nós) merecem mais de um especial, certo?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

6 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Gaby buj dito

    Rochester saiu da mente de Jane Austen? A sério? E eu que sempre acreditei que tinha sido criado por Charlotte Brontë ...

    1.    Mariola Diaz-Cano Arevalo dito

      Obrigado pela nota, Gaby. Retificado e esclarecido. Que entre tantos personagens bons como eles criaram um e outro, eu já os atribuo e os misturo sem vergonha.

  2.   Isabel dito

    Também existem super vendas que lêem bem. Gosto muito da Matilde Asensi e da Julia Navarro, principalmente desta última, que com o "Diga quem eu sou" me fazia perder a noção dos dias e horas para terminar a minha "bunda" como se fosse uma caderneta leve.
    Maruja Torres, tanto na imprensa quanto em seus livros, é outro valor certo. Sua ironia e sua idade permitem-lhe falar de muitos assuntos que outros não ousariam tocar ou sob pena de morte.
    Não consigo com Lucía Etxebarria ou Mercedes Abad. Já tenho idade suficiente para aprender lições.

    1.    Mariola Diaz-Cano Arevalo dito

      Isabel, estamos de acordo com o Navarro e o seu “Diga-me quem eu sou” e também com o Torres, que gosto muito da imprensa. Também em Etxebarría ou Abad. Oh, eu teria gostado de dar mais espaço a tantos quantos existem.

    2.    Peter dito

      Excelente lista, só faltando, na minha modesta opinião: Santa Teresa. Da mesma forma, como você descreve os personagens dos escritores britânicos. O caso das três irmãs Brontë, pelo menos que eu saiba, é sem dúvida o mais talentoso dos escritores de uma mesma família, na história da literatura. Saudações.

  3.   Nurilau dito

    Revisão feminina muito boa. Quem não leu sobre o anão Enyd Blyton. Que não se emocionou com as mulheres vitorianas. E eu divido com você, Mariola, a boa negra que está fazendo agora de mãos femininas. Muito boa entrada !!!!