Blacksad. Tudo cai, de Juanjo Guarnido e Juan Díaz Canales. Análise

Blacksad 6. Everything Falls - Part One é a nova história que eles apresentam Imagem de Juanjo Guarnido placeholder (desenho) e Juan Diaz Canales (script) deste gato detetive os anos 50 que já fez 20 anos. E é um luxo, como os anteriores. Já falei sobre eles e sobre ele, então hoje me concentro neste último. Esta é minha rever.

Blacksad 6. Everything Falls - Part One - revisão

No começo de Blacksad 6. Everything Falls - Part One vemos o sorriso sardônico de um crocodilo declamando frases de A tempestade, por William Shakespeare. Esse é o primeiro gênio, como o resto das vinhetas até o fim. Para finalizar, a história começa com essas palavras dirigidas por John Blacksad, em sua narração em 1ª pessoa desde o início da série com Um lugar nas sombras.

Que a vida nada mais é do que um show, é algo que todos intuímos. E eu, sem vocação nenhuma, me tornei um drama profissional. Público e ator com um open bar de baixas paixões e miséria humana. Caras torturados e coloridos são minhas co-estrelas. Com esse panorama, não entendo porque ainda gosto de teatro.

E, claro, bem, como você não continua? Você tem que fazer isso porque você sabe que vai ler e assistir a outra história fantástica deste (pedaço de) gato detetive. Pouco se esbanjou nesses 20 anos de existência, a verdade, porque simEle só nos contou 6 histórias, mas como são! E este último, além disso, está em 2 partes. A segunda está marcada para 2023, algo que terá de ser apreciado porque não será as 8 que já demorou.

Mas está provado mais uma vez que seus autores demoram tanto porque cada um é uma joia. Agora, com essa divisão, a história se desenrola com mais calma e é mais elaborada. Isso pode ser percebido e percebido não só nos desenhos mais detalhados, em mais vinhetas que na verdade são tomadas cinematográficas, mas também no roteiro de Díaz Canales que, por outro lado, continua a bordá-lo.

Acontece também que ele e Guarnido mais aquele tempo têm moldado e aperfeiçoado suas criaturas em cada novo álbum. Como sempre, haverá quem tenha o seu favorito, mas são todos bons, embora seja aconselhável conhecer este gatinho desde o nascimento.

Também haverá quem chame esta história - ou a série inteira - de previsível demais ou atormentada por clichês, mas é isso clichês funcionam, especialmente neste gênero.

Blacksad é tão duro quanto romântico, um homenagem perfeita a noir mais clássico, literário e cinematográfico, da estética aos roteiros e, mais especificamente, ao norte-americano. Mergulhar em suas páginas é fazê-lo em Perversidade, O Sono Eterno, Perdição, O Caminho das Trevas ou Foragidos, onde eles cruzam o Philip Marlowe de Bogart ou o Jeff Bailey por Mitchum em Volte ao passado. E mais mil e uma referências a qualquer título que ele assinou Hammet, Merceeiro o Bom é Ou qualquer um daqueles filmes da época de ouro dos anos 40 e 50 no cinema.

Sobre o que é e seus personagens

En Blacksad 6. Everything Falls - Part One temos John Blacksad na cidade depois dos casos anteriores que aconteceram em Amarillo (Texas), New Orleans ou Las Vegas. E que começar com uma performance teatral aparentemente calma levará a um conspiração de corrupção e interesses políticos nos mais altos escalões envolvendo o prefeito, um importante construtor e o diretor daquela companhia de teatro.

Com eles temos de novo Semanal, o repórter de tablóide e o elemento mais cômico, além de um contraponto à seriedade e contundência de Blacksad. No entanto, desta vez ele joga um papel mais importante e decisivo no final que, claro, é deixado em aberto com um Grande surpresa que, não suspeitado, tem menos efeito. Ao contrário. É o melhor golpe, o suspense Anglo-saxão, que deixa mel nos lábios e tudo expectativas e desejo dessa segunda parte.

Claro que também continuamos a gostar disso criação de personagem antropomórfica bronzeado heterogêneo como chocante e um marca de expressividade da casa Guarnido, que tanto deve à Disney e, ao mesmo tempo, tira todo o halo infantil ou inocente da empresa dos ratos.

Nada como um peru altivo como o escuro prefeito Schumann de uma Nova York nunca mencionada, mas claramente refletida tanto em prédios, ruas e parques quanto na essência urbana cem por cento americana. E nada como um Falcão com um olhar penetrante e um porte poderoso para representar Salomão, aquele construtor que brinca com tudo e com todos desde as alturas que sem dúvida domina a sua natureza.

E dessas alturas descemos às profundezas da terra onde, é claro, os trabalhadores estão toupeiras, ratos ou camundongos na escuridão de Metro. Seu representante, Kenneth Clark, é um morcego eles querem sair do caminho e é por isso que ele contrata Blacksad, recomendado por Iris Allen (uma lhama graciosa), o diretor de teatro para quem Blacksad evitou um conflito com a Polícia com o qual esta história começa.

Então nosso gato vai fingir ser um mais trabalhador para descobrir e parar o assassino (Logan, um feroz e sem alma Urso pardo) que pertence à gangue da máfia que controla alguns doninhas, sempre com má imprensa e uma reminiscência das de Quem traiu o coelho Roger?, outra boa história negra do cinema, embora mais desarranjada e infantil.

Também veremos pela primeira vez o elaboração de O que há de novo, onde o Weekly funciona, e conheceremos seu novo diretor, um veemente porco-espinho, que decidiu apostar num jornalismo mais empenhado do que sensacionalista.

Secundários mais poderosos são Olaf, um travesso grandes danos, O motorista e capanga de Salomão, e Shelby, um misterioso gaivota quem faz o trabalho mais sujo para o falcão, quem o usa sob ameaça.

Todos se misturam neste coquetel de teatro, gestão de poderes políticos e empresariais e contas antigas que eles têm pendentes. E todos acabar em circunstâncias perturbadoras —Com aquela aparência estelar no final de um personagem muito importante para Blacksad—, que pressagia uma segunda parte cheia de emoção e intensidade.

Em definitivo

O melhor: TODO.

O pior: que eles são apenas páginas 58.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.