A utilidade do inútil

A utilidade do inútil.

A utilidade do inútil.

A utilidade do inútil. Manifesto, é um livro do professor e filósofo italiano Nuccio Ordine. Foi traduzido para o espanhol por Jordi Bayod e publicado pela editora Acantilado em 2013. Ele aborda de forma crítica o rebaixamento de sujeitos humanísticos na educação cívica. Pois bem, na opinião do escritor calabreso, a mercantilização da educação e das disciplinas técnicas é priorizada em favor de atividades “lucrativas”.

Analistas literários como Miguel Guerra (2013), da Universidade de Zaragoza, têm sido enfáticos em apoiar as abordagens incorporadas na A utilidade do inútil. Guerra expressa, "... em qualquer uma de suas páginas certamente encontrará uma anedota, uma citação, uma observação que justifica a necessidade de divulgação deste livro." A obra de Ordine expressa premissas cuja validade parece ser reafirmada dia após dia.

Sobre o autor, Nuccio Ordine

Nuccio Ordine nasceu em Diamante, Calábria, em 18 de julho de 1958. Ele é considerado uma autoridade em questões renascentistas e atuais de Giordano Bruno. Atualmente, ele leciona Literatura Italiana na Universidade da Calábria. Ele também é membro honorário do Center for Italian Renaissance Studies da Harvard University e do Alexander von Humboldt Stiftung.

Da mesma forma, Ordine faz parte da equipe adjunta de várias universidades americanas (Yale, Nova York) e europeias (EHESS, École Normale Supérieure Paris)., Instituto Universitário de Paris, entre outros). Suas obras foram traduzidas para mais de 15 idiomas. Ele também é colunista de Fuja do Sera e diretor de coleções renomadas de prestígio em Nápoles, Torino e Milão.

Para entrar no contexto, um fragmento da obra

“No universo do utilitarismo, com efeito, um martelo vale mais que uma sinfonia, uma faca mais que poesia, mais uma chave do que uma pintura: porque é fácil controlar a eficácia de um utensílio, ao mesmo tempo que é cada vez mais difícil compreender para que serve a música, a literatura ou a arte.

«As páginas que se seguem não pretendem constituir um texto orgânico. Eles refletem a fragmentação que os inspirou. Por isso também o subtítulo —Manifesto— poderia parecer desproporcional e ambicioso se não fosse justificado pelo espírito militante que sempre animou esta obra ”.

Estrutura da obra

Desde o início, o autor expressa suas motivações para a redação do ensaio, baseadas em seu espírito militante. Ao mesmo tempo, Ordine esclarece que sua premissa não foi elaborar uma escrita orgânica, portanto, sua história não é objetiva nem completa. Ele usa analogias extraídas de textos de diferentes períodos apresentados em uma certa ordem cronológica para justificar seu argumento de A utilidade do inútil.

Os três capítulos

O livro está dividido em três capítulos:

  • O primeiro investiga os benefícios da literatura e de outras artes "inúteis".
  • O segundo é dedicado à transformação positiva impulsionada pela praticidade do lucro no ensino, pesquisa e cultura.
  • O terceiro capítulo analisa as consequências prejudiciais da "ilusão" de posse sobre o dignitas homalis. Como encerramento (perfeito), é exposto um ensaio de Abraham Flexner.

As humanidades no século XNUMX

Nuccio Ordine.

Nuccio Ordine.

Na introdução de A utilidade do inútil, o intelectual italiano detalha a trama materialista predominante na educação atual. Nesse contexto, programas educacionais e orçamentos ministeriais são planejados com óbvio desprezo pelas humanidades. Pois bem, são áreas de essência livre e independente, separadas de "aplicações mais práticas" e lucrativas.

Em contraste, o conhecimento humanístico vai muito além do cultivo do espírito. Graças à sua natureza altruísta, eles são cruciais para a evolução da civilização e o desenvolvimento cultural da humanidade. Além disso, Ordine defende que o caráter da educação integral não pode ser tendencioso ao relegar conhecimentos voltados para fins não utilitários e / ou comerciais.

Compaixão e bom senso

Ordine não quer mostrar as humanidades acima de todos os outros conhecimentos. Em vez disso, descreve o valor intrínseco da ciência, das disciplinas técnicas e da competitividade. No entanto, ele insiste que mesmo as disciplinas práticas têm um valor adicional, muito diferente do mercantilista. Portanto, todas as áreas da formação do ser humano podem ser orientadas simultaneamente para o pensamento crítico e compassivo; eles não são exclusivos.

A futilidade útil da literatura

De acordo com Wilson Enrique Genao em Caderno de Pedagogia Universitária (2015), o autor toma as reflexões interdisciplinares de "clérigos como Vincenzo Padula" para defender sua tese. Adicione “poetas e escritores como Ovídio, Dante, Petrarca, Boccaccio, Cervantes, Shakespeare, Dickens, García Lorca, Márquez. E filósofos como Sócrates, Platão, Aristóteles, Kant, Michel Montaigne, Martin Heidegger e Paul Ricoeur… ”.

Desta forma, destaca a importância de ler grandes mestres da literatura sem focar em obter nenhum benefício ou instrução específica. Ordine argumenta que o objetivo principal dessas leituras filosóficas é lúdico. No entanto, é inegável a contribuição em termos de consciência humanística e pensamento profundo, que muitas vezes representam os mais difíceis de explicar.

Gratuidade vs. utilitarismo

Diante do arquétipo do utilitarismo e da doutrina mercantilista fundamentalista, Ordine oferece o valor da ilusão, dos ideais e do distanciamento. A gratuidade se opõe ao conceito de homem de Heiddiengger, que, oprimido pela vida cotidiana, leva uma existência desprovida de cor. Ou seja - sem atacar diretamente o capitalismo - o autor aponta para um sistema educacional que forma máquinas sem alma.

Uma pessoa sem tempo para contemplar "coisas inúteis" é prisioneira de suas próprias necessidades básicas, um ser sem uma existência agradável. O filósofo diamante conclui o primeiro capítulo apontando o papel peremptório das humanidades na formação de cidadãos responsáveis, metódicos e socialmente comprometidos.

A universidade-empresa e os alunos-clientes

O segundo capítulo enfoca o paradoxo que ainda desperta a qualidade do século XIX da "arte pela arte" na sociedade de hoje. Conseqüentemente, tornou-se muito difícil superar a tendência de transformação aparentemente imparável das universidades em empresas. Nessas circunstâncias, os alunos assumem sem hesitação o papel de clientes motivados, sobretudo, por um futuro de prosperidade material.

Citação de Nuccio Ordine.

Citação de Nuccio Ordine.

Assim, “se o cliente tiver sempre razão”, a qualidade do ensino cede ao prejuízo da obtenção da licenciatura no menor tempo possível. Essa circunstância também arrasta o corpo docente, transformado em meros burocratas servis da engrenagem comercial da empresa-universidade. Conseqüentemente, Ordine considera imperativo redesenhar um sistema universitário voltado quase exclusivamente para a produção de "pessoal lucrativo".

E a arte?

Laura Luque Rodrigo, da Universidade de Jaén, decompõe o sentido da ideia de Baudelaire citada por Ordine: “o homem útil é assustador”. Em sua publicação (2014) de O gênio do malLuque pergunta: “Isso significa que devemos fugir da utilidade? A arte deve, por definição, ser inútil para ser bela? ”.

Luque argumenta “… ao longo da história, (a arte) teve várias funções, sejam catequéticas, glorificadoras, políticas, puramente estéticas, etc. No final, então, toda a criação tem uma utilidade, embora o resultado, o objeto final, não tenha interesse por parte do criador como aconteceu com Aureliano Buendía, cujo último benefício foi a experiência, portanto, se a quisermos, sempre encontraremos funcionalidade para toda a criação ”.

Arte e cultura em tempos de crise

Nuccio Ordine usa frases de Henry Newman e Victor Hugo para recriminar cortes no orçamento para assuntos humanísticos em programas educacionais. Insiste mesmo em duplicar as carteiras destinadas a programas culturais e artísticos em situações adversas. Assim, o autor não concebe nenhuma projeção pedagógica se for planejada desprovida dos grandes clássicos.

Possuir mortes: Dignitas hominis, Amor, Verdade

Na terceira parte de A utilidade do inútil, Ordine delibera sobre as falsas expectativas derivadas da riqueza e do poder. Representa a posição de desprezo do filósofo italiano diante da atitude superficial de quem aprecia os outros com base na roupa. Da mesma forma, o filósofo italiano analisa o tema do amor e das relações interpessoais dominadas pelo fator infalível das posses.

No âmbito de dignitas hominis, o amor e a verdade são o território propício para manifestar a verdadeira abnegação. Portanto, no critério Ordine é impossível apreciar o dignitas hominis sob os parâmetros convencionais da sociedade de hoje. Encarna uma contradição muito grande ao tentar expressar a gratuidade em meio a uma "civilização" incapaz de romper com o molde materialista de sua própria pedagogia.

Conclusão e o ensaio de Abraham Flexner como um anexo

Juntos, o manifesto Nuccio Ordine e o ensaio de Flexner convidam o leitor a uma reflexão permanente como forma de reconhecer sua dignidade. Condição alcançável somente por meio da educação voltada para a formação integral, sem vieses ou cortes orçamentários causados ​​por (a desculpa de) tempos de crise. Portanto, é necessário pensar sobre isso para encontrar uma resposta adequada à nossa era digital.

Por fim, Flexner insiste em desinibir a curiosidade natural das pessoas com o objetivo de promover “a busca livre pelo conhecimento inútil”. Porque és importante? Pois bem, no passado a humanidade já demonstrou as valiosas consequências transcendentais da liberdade criativa do ser humano. Se um objeto supostamente "inútil" é inofensivo, de que adianta tratá-lo como prejudicial ou perigoso?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Luciano muito dito

    a banalização da "comercialização", como uma espécie de falha de civilização, nega pelo menos um aspecto do livro de Ordine: se eu não for a uma livraria (presencial ou online), ele resolve comprar seu livro, autorizo ​​o pagamento com meu cartão, espero que um e-mail me traga, eu nunca leria o que contém. Isso do material versus o espiritual-real é um exagero que confunde. Para os mais carentes e sinceros. (E eu tenho o livro em três línguas, por causa das nuances, entendeu?).
    Mencionei isso para o próprio autor, via twitter, que pelo menos riu, por coincidência ...