Transmissão literária até hoje

Hoje gostamos da nossa literatura atual e também daqueles clássicos que os autores famosos nos deixaram antes de partir, mas como surgiu a literatura nos nossos dias? Você sabe alguma coisa sobre a tradição literária? Se você já se perguntou como esse hobby que tanto fisgou muitos de nós se espalhou ao longo dos séculos, fique e leia este artigo conosco. Nele, nós dizemos a você o transmissão literária até os dias atuais.

A tradição literária

Quando falamos de tradição literária, estamos falando do conjunto de obras criadas ao longo da história. Este conjunto de obras constitui um pano de fundo que os escritores, atuais e antigos, usam como Modelo para suas criações.

La Tradição literária espanhola É constituído pelo conjunto de obras que foram escritas na Espanha ao longo dos anos, mas mantém uma relação estreita com a literaturas de outros países como francês, italiano, inglês, etc. Por exemplo: Pinóquio ou Gulliver não pertencem à literatura espanhola, porém são personagens que fazem parte de nossa tradição.

A literatura espanhola é formada dentro da tradição literária ocidental, da qual também fazem parte outras literaturas europeias e americanas. Esta tradição literária começou a se formar no Grécia Antiga 28 séculos atrás e foi aumentado por contribuições feitas por escritores do Roma antiga e para a tradição bíblica. Roma, Grécia e a Bíblia contribuíram com temas e estilos que séculos depois serviram e continuam a inspirar escritores europeus e americanos.

Processo de transmissão literária

O processo que permitiu a transmissão de literatura ao longo dos anos funciona assim: um escritor pega argumentos, temas e personagens existentes e os incorpora em seu trabalho por meio de um processo de transformação; por sua vez, esse novo trabalho se torna uma fonte de inspiração para outros.

Um exemplo desse processo é a história do personagem que planeja seu futuro, mas perde tudo. Esta fábula tem uma origem antiga e ainda hoje. A seguir, veremos como essa história evoluiu ao longo do tempo por meio de novos textos literários:

Panchatantra

 

Em um antigo trabalho do literatura indiana, o Panchatantra, é coletada uma história cujo protagonista é um pobre brâmane que sonha com os benefícios que a venda de sua panela elétrica de arroz trará para ele, mas acidentalmente a panela quebra. A história começa assim:

Em certo lugar vivia um brâmane chamado Svabhakripana, que tinha uma panela cheia de arroz que lhe fora dada como esmola. Ele pendurou esse pote em um prego na parede, colocou sua cama embaixo dele e passou a noite olhando sem tirar os olhos, pensando assim: -Este pote está todo cheio de farinha de arroz. Se um tempo de fome chegar agora, posso conseguir cem moedas de prata dele. Com as moedas, comprarei um par de cabras. Já que esses se reproduzem a cada seis meses, vou reunir um rebanho inteiro. Então com as cabras vou comprar ...

Calila e Dimna

A história chega ao Ocidente por meio de um coleção árabe de histórias intituladas Calila e Dimna. Desta vez, o protagonista é religioso e o objeto é um pote com mel e manteiga:

«Dizem que um religioso recebia esmola todos os dias na casa de um rico; Eles lhe deram pão, manteiga, mel e outras coisas. Ele comeu o pão e o resto que guardou; Ele colocou o mel e a manteiga em uma jarra até que estivesse cheia. Ele tinha o jarro na cabeceira da cama. Chegou um momento em que o mel e a manteiga ficaram mais caros, e o padre disse a si mesmo um dia, sentado na cama: ».

Don juan manuel

No século XNUMX, o Infante Don Juan Manuel pegou o assunto em uma história estrelada por uma jovem carregando um pote de mel:

"Conde", disse Petrônio, "havia uma senhora chamada Dona Truhana, mais pobre que rica, que um dia foi ao mercado carregando um pote de mel na cabeça." Descendo a estrada, começou a pensar que venderia aquele pote de mel e que compraria com o dinheiro um lote de ovos, dos quais as galinhas chocariam, e que depois com o dinheiro venderia as galinhas que compraria ovelhas, e assim ele estava comprando com o lucro até que ela ficasse mais rica do que qualquer um de seus vizinhos.

A história de «La lechera», de Félix María Samaniego

Cinco séculos após a escrita de Don Juan Manuel, Félix María Samaniego escreve uma nova versão da história em verso:

Ele usava na cabeça

uma leiteira a jarra para o mercado

com aquela vivacidade,

aquele ar simples, aquele prazer, 

quem está dizendo a todos que percebem:

Estou feliz com minha sorte!

... a feliz leiteira marchou sozinha,

eles disseram um ao outro assim:

«Este leite vendeu,

ele vai me dar tanto dinheiro ... ».

E assim por diante até hoje, até termos letras escritas por Shakespeare, por Neruda, por Cervantes, por García Márquez, por Benedetti, e por tantos outros, grandes antes e grandes para sempre ... Porque a literatura nunca morre, e sempre haverá textos que o fazem persistir no tempo, por muitos séculos.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.