Stephen King: o sucesso da constância

Stephen King, o sucesso da constância.

Stephen King, o sucesso da constância.

Se há um autor que está lutando hoje pela genialidade de sua pena sangrenta, esse autor é Stephen King.. Este americano de Portland marcou um antes e um depois no gênero de terror na literatura mundial. Sua predileção por ficção de terror vem de quando ele e seu irmão David (com aproximadamente 5 e 7 anos cada) liam histórias de terror da série um para o outro. Histórias de Suspensão de Choque y Contos da cripta.

São muitos os fãs do escritor, e entre aqueles que não o conhecem bem, sempre se fala em seus sucessos, como O resplendor o Cemitério de Animais, entre as melhores obras de King. A verdade é que antes de sua fama chegar, King viveu uma vida muito difícil com sua mãe e irmão.

Stephen King e abandono

Quando o escritor tinha apenas 2 anos e meio de idade, seu pai (Donald Edwin King) abandonou sua família. A mãe de King, Nellie Ruth Pillsbury de King, lembrou-se por muito tempo da frase “Vou comprar cigarros”, dita por Donald antes de partir para sempre. A partir daí, Nellie teve que trabalhar duro para criar seus dois filhos. Para isso, ele trabalhou simultaneamente em até três empregos.

Com o passar do tempo, após suas leituras com o irmão e a mãe (um contador de histórias excepcional), a paixão de Stephen pela literatura cresceu, especialmente o horror. Não obstante, o dinheiro sempre foi uma limitação para poder consagrar. A pobreza era muito marcante neles. No inverno, até, os irmãos King tinham que ir à casa de uma das tias para poder se banhar com água quente durante os invernos, que no Maine eram muito rigorosos.

Ruth sempre teve esperança de que o marido voltasse, mas nunca foi assim. O vazio paterno era palpável em casa, tanto emocional quanto financeiramente, e afetou os irmãos King emocionalmente.

Os irmãos King e seu jornal

Apesar de tudo, David e Stephen cresceram fortalecidos pelo apoio da mãe, a ponto de não se limitarem a tentar capturar sua paixão pelas letras. Se os irmãos tinham algo, era amor pela leitura. De fato, tudo em sua vida foi influenciado por livros (terror, especialmente), não houve um dia em que eles não leram algo ou praticaram a escrita.

Em 1959, e com a ajuda de uma velha máquina de escrever que conseguiu, David criou o Trapo de Daves, uma espécie de jornal onde o jovem publicava suas ocorrências. Lá, Stephen King contribuiu para várias críticas que fez de programas de televisão da época.

Este foi o primeiro encontro formal de King com cartas. Apesar de extremamente pobre, a criação do Trapo de Daves era notícia em toda a cidade.

Stephen King e a origem genética de seu amor pela literatura

Quando King tinha 12 anos, ele recebeu algumas cartas em caixas na casa de sua tia. Tratava-se de várias tentativas que seu pai havia feito para poder publicar algumas obras feitas por ele; todos foram rejeitados. Nesse momento Stephen entendeu que sua passagem com o mundo das letras foi marcada por algo maior do que ele., algo que persistiu do sangue, mesmo e com a ausência perene de seu pai.

Coleção de obras de Stephen King.

Coleção de obras de Stephen King.

A persistência de problemas econômicos

Depois de se convencer de que se tratava de literatura, o jovem Stephen começou a enviar suas histórias a revistas e jornais para publicação, mas foi rejeitado uma e outra vez. A única coisa que o diferenciava de seu pai era que ele não desistia, mas persistia e persistia.

A Lisbon Hish School abriu as portas ao escritor e aí ele conseguiu encaixar-se bem. Aliás, naquele instituto, pelo talento com as letras, King era muito reconhecido.

No entanto, apesar de entrar em um instituto onde seu trabalho foi reconhecido e insistir com vários meios de comunicação para publicá-lo, King não conseguiu se estabilizar financeiramente. O escritor veio trabalhar como coveiro para conseguir algum dinheiro extra. King também teve que doar seu sangue várias vezes para que houvesse algo para comer em casa.

Se King tem algo a agradecer, é sua miopia, pés chatos e pressão alta, porque esses fatores o salvaram de ir para o Vietnã.. A propósito, sua posição diante dessa guerra foi muito clara e contundente.

No encontro com o amor de sua vida

Stephen conheceu Tabitha Jane Spruce, sua futura esposa, enquanto trabalhava meio período na biblioteca da universidade. Ela estudou história e era uma amante da poesia. Aos poucos o amor fluiu entre eles, tiveram a primeira filha e depois se casaram.

Embora King tivesse dois empregos e sua esposa um, o dinheiro não estava indo bem o suficiente. Por isso tiveram que morar em um trailer. Isso destruiu as aspirações de King. O pensamento persistiu em sua mente que ele tinha que repetir a história infeliz de sua mãe.

A presença de alcoolismo

Todos esses problemas empilhados, um após o outro e diretamente ligados ao econômico, eles fizeram com que o escritor caísse em depressão e, mais tarde, no vício do álcool. E não se trata de alguém convencional, não, esse era um sujeito que no terceiro ano de trabalho universitário já havia completado cinco romances, quando os demais alunos nem pensavam em escrever um.

O que acontece é que as letras não eram valorizadas o suficiente naquela época, enfim, não aquelas de alguém não reconhecido, que não vinha de uma família de escritores renomados. Essa é a principal desvantagem que King apresentou, ele não tinha ancestralidade literária reconhecida.

O sucesso da persistência e o olho bom de Tabitha

Em 1973, Stephen King estava trabalhando em uma história baseada na história de uma jovem que sofreu bullying na escola. Além disso, a menina era filha de um fanático religioso. Sim, essa história foi Carrie. Apesar de a história ser boa e viciante, King não acreditava no potencial dela, não a considerava com a força necessária, então jogou na lata de lixo.

Tabitha conseguiu encontrar o manuscrito enquanto fazia o trabalho doméstico, leu e disse ao marido que seria um sucesso, para não deixá-lo de lado. Nada mais próximo da realidade.

Em 1974, Stephen foi contatado pela Doubleday Publishing, que decidiu publicar a história e pagar US $ 2.500 por ela. Tudo graças à intervenção do editor Bill Thomson, amigo de Stephen. A emoção foi perceptível na família King, no entanto, as boas novas não chegaram lá.

Assinatura de Stephen King.

Assinatura de Stephen King.

A New American Library mais tarde contatou Dobleday e ofereceu-lhe $ 200. pelos direitos de Carrie. Após várias negociações, o valor chegou a US $ 400.

De acordo com os estatutos que fundaram a Doubleday, o redator foi responsável por metade do que foi negociado. Fassim como Stephen King conseguiu deixar seus outros empregos e se dedicar totalmente a viver das cartas. Talvez o mais infeliz de tudo seja que Ruth, a mãe do escritor, não foi capaz de sentir o triunfo do filho. Ela morreu antes que a negociação fosse finalizada, ela sofria de câncer. Isso afetou Stephen profundamente.

O resto são histórias tecidas com maestria, e se ainda não os leu, recomendo que os procure.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)