Francisco de Quevedo. Aniversário de sua morte. Sonetos

Qualquer dia é um bom dia para lembrar e ler Don Francisco de Quevedo e Villegas, um dos escritores mais famosos da Século do Ouro e de todos os tempos. Mas hoje há uma razão maior pela qual um novo aniversário de sua morte em 1645. Foi em Villanueva de los Bebês, uma bela cidade La Mancha perto da minha, onde ele está enterrado. Então lá se vai este sescolha de 7 de seus sonetos.

Sonetos

DEFININDO AMOR

É gelo queimando, é fogo congelado
é uma ferida que dói e não pode ser sentida,
é um bom presente sonhado, um presente ruim,
é uma pausa curta muito cansativa.

É um descuido que nos preocupa,
um covarde com um nome valente,
uma caminhada solitária entre as pessoas,
um amor apenas para ser amado.

É uma liberdade aprisionada
que dura até o último parasismo,
doença que cresce se for curada.

Este é o filho do Amor, este é o seu abismo:
olha que amizade ele terá com nada
aquele que é contrário a si mesmo em tudo.

ONTEM FOI UM SONHO, AMANHÃ SERÁ TERRA ...

Ontem foi um sonho, amanhã será terra.
Pouco antes de nada e logo depois do fumo!
E ambições de destino, e eu presumo
apenas aponte para a cerca que me fecha!

Breve combate de guerra importuna,
em minha defesa, sou um grande perigo,
e enquanto eu me consome com minhas armas,
menos o corpo que me enterra me hospeda.

Já não é ontem, o amanhã não chegou;
hoje acontece e é e foi, com movimento
isso me leva à morte.

Hoes são a hora e o momento
isso com o pagamento da minha dor e do meu cuidado
eles cavam em minha vida, meu monumento.

DEFINIÇÃO DE AMOR

Implore ela? Desprezar-me? Amá-la
Siga-a? Fend? Pegue isso? Ficar com raiva?
Querendo e não querendo? Deixando-se tocar
já mil persuasões estão firmes?

Está bom? Tentar separar?
Luta nos braços dele e fica com raiva?
Beije-a apesar de tudo e ela ficará ofendida?
Tentar, e não conseguir, me despedir?

Diga-me as queixas? Repreender meu gosto?
E, finalmente, para os batedores da minha pressa,
pare de franzir a testa? Não mostrar nojo?

Permitir que eu tire a camisa?
Encontrá-lo limpo e encaixado perfeitamente?
Isso é amor e o resto é riso.

EM VÃO PROCURA TRANQUILIDADE NO AMOR

Eu dou abraços em sombras fugitivas,
nos sonhos minha alma se cansa;
Eu passo lutando sozinho noite e dia
com um goblin que carrego em meus braços.

Quando quero amarrá-lo mais com laços,
e vendo meu suor me desvia,
Eu volto com novas forças para a minha teimosia,
e temas com amor me rasgam em pedaços.

Eu vou me vingar em uma imagem vã
isso não sai dos meus olhos;
Tire sarro de mim e, ao tirar sarro de mim, corra com orgulho.

Eu começo a segui-la, estou com falta de energia,
e como eu quero alcançá-lo,
Eu faço as lágrimas correrem atrás dela em rios.

COM EXEMPLOS MOSTRA FLORA O RESUMO
DO BELO, PARA NÃO DANIFICÁ-LO

Os jovens do ano, os ambiciosos
vergonha do jardim, o encarnado
rubi perfumado, tiro encurtado,
também do belo ano da presunção:

a exuberante ostentação da rosa,
divindade do campo, estrela da cerca viva,
a amendoeira em sua própria flor de neve,
o que esperar para as baterias osa:

reprimendas são, oh Flora! muda
de beleza e orgulho humano,
que está sujeito às leis das flores.

Sua idade vai passar enquanto você duvida,
de ontem você terá que se arrepender de amanhã,
e tarde, e com dor, você será discreto.

COMPARE A FALA DE SEU AMOR COM A
DE UM FLUXO

Torto, irregular, suave e barulhento,
você secretamente desliza entre as flores,
roubando o fluxo das baterias,
branco na espuma e loiro como ouro.

Em cristais você dispensa seu tesouro,
Plectro líquido para amores rústicos,
e afinação por cordas rouxinóis,
você ri para crescer, com o qual eu choro.

Copo em lisonja engraçada,
alegre você vai para a montanha, e íngreme
grisalho espumoso com gemido.

Caso contrário, não o coração cuidadoso,
para a prisão, o choro chegou,
alegre, inadvertida e confiante.

LOVING LAMENTATION AND POSTERIOR
SENTIMENTO DE AMANTE

Não lamento morrer, não recusei
terminar de viver, nem fingi
prolongar esta morte, que nasceu
ao mesmo tempo com vida e cuidado.

Me desculpe por deixar desabitado
corpo que o espírito amoroso cingiu,
abandonar um coração sempre ligado
onde todo o amor reinou hospedado.

Os sinais me dão meu eterno fogo queimando,
e de uma história tão longa e dolorosa
meu terno choro será apenas um escritor.

Lisi, a memória está me dizendo,
porque sofro do inferno tua glória,
que chama glória quando sofre tormentos.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.