Entrevista com Jose F. Alcántara, autor de A empresa controladora: «A tecnologia não serve para controlar a cidadania. A tecnologia se utilizar para controlar os cidadãos. "

A entrevista que se segue é peculiar por, nas respostas, se reflectir a precisão de um investigador do Laboratório de Laser da Universidade de Málaga (o que não só não está em conflito com a plasticidade dos exemplos que apresenta quando ele é necessário, mas também é apreciado, dado o assunto discutido). Jose F. Alcántara é o autor do livro A empresa controladora e do blog versos, tribunas das quais fala sobre privacidade, sobre direitos cibernéticos, sobre as implicações que a tecnologia tem em relação à liberdade e ao controle.

Tais implicações, longe de levarem a uma fobia, o levaram à reflexão. Em suas respostas, então, há uma defesa do anonimato, quando muitas vezes é considerado um dos males da internet; um compromisso com a distribuição de informações, em um momento em que redes centralizadas como o Facebook superam os recordes de visitantes; um dardo claro contra o que se qualifica como "Novilíngua", em referência ao conceito cunhado por Orwell; etc. Uma análise interessante, em suma, sobre "certos sonhos repressivos" que a seu ver possibilitam a tecnologia, como uma prévia do que explica no ensaio A empresa controladora.

Você se considera um tecnófobo? Em relação ao uso de novas tecnologias para controlar os cidadãos, quero dizer ...

Tecnófobo? De forma alguma, adoro tecnologia (acho que gosto de quase todo mundo). A tecnologia não serve para controlar a cidadania. A tecnologia se utilizar para controlar a cidadania. E é usado, por sua vez, para muitas outras coisas muito benéficas. O que devemos fazer é tomar consciência desses usos nocivos, pois só assim poderemos limitá-los. E limitar os usos não é um problema técnico, mas legal. Precisamos de leis que funcionem como o firewall de uma montanha: defendendo nossos direitos diante das ameaças.

Quem vigia o vigia?

Mais pessoas do que o vigilante acredita 🙂 Na rede e nas ruas, o vigilante só pode ser vigiado por nós. Foco nos abusos de poder que, como no caso dos governos estaduais, são detidos pelo e para o povo (ou assim se supõe), justamente para que continuem usando o poder pelo e para o povo e não contra o povo.

Na capa do livro A empresa controladora Surge uma imagem parecida com a do videogame Pacman, em que o labirinto parece uma prisão, os fantasmas são policiais e suspeitos. E neles está a pipa, tentando se dar bem. Dada a contundência da imagem, a pergunta é inevitável: por que esse título? Por que essa capa?

A tecnologia torna possíveis certos sonhos repressivos. Se a democracia contemporânea surge em macrocidades como Paris, onde a população pode se perder no anonimato, a tecnologia permite saber tudo sobre as comunicações das pessoas, bem como saber sua localização com razoável precisão (às vezes com extrema precisão, com incertezas inferiores a 1m no caso do GPS ou apenas cem metros no caso do nosso telemóvel, desde que estejamos num núcleo urbano povoado). Toda essa vigilância tem, quer tenhamos consciência disso ou não, um efeito repressivo. Isso inibe a comunicação normal das pessoas, a maneira como nos comunicaríamos. Se você sabe que pode ser usado contra você, você avaliará muito suas palavras, bem como a quem está se dirigindo. É a ideologia do panóptico, estendida às ruas. O policiamento e punição de Foucault. A sociedade de controle: um ecossistema no qual a retaliação, inevitável após a perda do anonimato, inibe qualquer resposta ao poder. E todos nós sabemos que a diferença entre uma democracia ocidental e uma ditadura africana não é que nossos líderes sejam menos corruptos (olhe para a política interna, ou política europeia, para verificar isso), mas que aqui há uma opinião pública que pode se opor a essa corrupção e acabar com ela. E se toda a oposição fosse retaliada graças à perda do anonimato?

Passando à capa, é o trabalho de Fernando Díaz, um designer muito bom e talentoso que desde o primeiro momento assumiu a proposta do pac-man e levou-a mais longe, e com mais sucesso, do que eu sei, nunca teria acontecido. para mim. Escolhemos esta capa porque acho que resume muito bem como podemos nos encontrar se não fizermos algo a respeito exigindo uma defesa legal de nossa privacidade.

Na apresentação do livro, que aconteceu em Madrid há algumas semanas, estiveram várias pessoas ligadas ao mundo da banca, um mundo em que as câmaras de videovigilância estão na ordem do dia. Qual política você os aconselharia a seguir, em relação ao respeito à privacidade, se tivesse a oportunidade de fazê-lo?

A segurança não é uma magnitude absoluta. Em vez disso, deve ser visto em equilíbrio com o preço que pagamos por ele. Se se trata de garantir o ouro depositado no banco, certamente existem medidas que compensam (cofres blindados, temporizadores de abertura, sistemas de chaves múltiplas, ...). Se para aumentar a segurança do seu negócio precisam prejudicar os direitos das pessoas, seja usando câmeras de vídeo ou exigindo que você abra sua vida privada como se fosse um vidro transparente antes de conceder o auxílio, talvez o preço que estão pagando em imagem não vai compensá-los. Os bancos violam nossa privacidade muito mais agressivamente do que suas câmeras de vídeo. Quando nos pedem detalhes muito longos de despesas e receitas, quando nos fazem um seguro (seguradoras e bancos andam de mãos dadas) exigem todo tipo de garantias (econômicas, de saúde, de hábito, de história) exigem que demos eles nossa privacidade de uma forma que mina totalmente a confiança que o usuário tem no banco. A má reputação dos bancos se deve não só à falta de transparência, mas ao fato de que a mesma transparência que eles não oferecem nunca é exigida com antecedência e em doses altíssimas de quem quer fazer negócios com eles. Se eu pudesse falar com o banco, diria que eles têm um problema de imagem porque não entenderam que exigem transparência que nunca dão depois. Que às vezes o risco de saber um pouco menos sobre o seu cliente (arriscar pegar um limão na pilha de pêssegos) é benéfico em termos de imagem e pode render muito mais a médio e longo prazo. Não estou dizendo que dar dinheiro para idiotas e malucos, isso não seria lucrativo, mas talvez respeite mais a privacidade de seus clientes.

Jose F. Alcántara, em um ponto durante seu discurso na apresentação de A empresa controladora.

A centralização das informações tem aspectos positivos, por exemplo, facilidade de localização. A distribuição da informação pode ser útil, por exemplo, para garantir que nunca seja destruída, podendo fazer cópias com mais facilidade. Se existem prós e contras em ambos os modelos, por que essa defesa do modelo distribuído para proteger a privacidade? Não é apenas uma solução de meio-tom, escondendo um pouco?

Porque, acima de tudo, esses modelos (o centralizado e o distribuído) representam duas arquiteturas informacionais radicalmente diferentes. Em um, a informação desce piramidal de onde é centralizada, passando pelos controles que o controlador da pirâmide colocou. No distribuído não há pirâmide, há muitos riachos, como em um degelo, que fluem pela periferia do ecossistema informacional. Se alguém tenta desligar a torneira de informação, a informação flui, pois cada nó está conectado a muitos outros e a informação depende de um único nó central permitindo que seja acessível. Os dados podem estar acessíveis em um tempo um pouco mais longo, mas os lucros de tal organização excedem em muito este preço a pagar: a informação é mais persistente (devido à redundância no armazenamento) e é mais difícil do que uma potência interessada em filtrá-la. conseguiu filtrá-lo. Todas as vantagens.

Na sua opinião: Qual é a arma da sociedade de controle que já está sendo usada e que passa mais despercebida?

De semântica de combate (eufemismos, newspeak) destinada a nos vender todas as medidas de controle como um ganho de segurança (embora muitas vezes o oposto), a tecnologias de controle amplamente difundidas (vigilância por vídeo, chips RFID em documentos oficiais) a leis inevitáveis ​​que tornam os abusos possíveis sem que os cidadãos possam reclamar contra uma “atividade de espionagem ilegal” do Estado, já que está tudo legalizado. Se há duas leis que devo destacar em tudo isso, destaco a que possibilitou o acesso ao traço privado de telecomunicações sem controle judicial e a lei de retenção de dados de telecomunicações que, entre outras coisas, acabou com o anonimato em telefonia móvel.

Permita-me algumas perguntas atuais: O que você acha do Facebook? O que você diria a alguém que se recusa a desistir de sua conta porque permite algum contato com quem está longe, mas se preocupa com sua privacidade?

Como uma avaliação pessoal: acho que o Facebook não contribui com nada que já não tínhamos na internet (tínhamos um site pessoal, tínhamos fóruns e mensagens instantâneas, lugares para fazer upload de fotos e vídeos e blogs para conversar nossos amigos), a única coisa que o Facebook contribui é a centralização de todas essas informações. Centralização, mais uma vez. Isso torna essas informações mais fáceis de serem encontradas, por você e por quem deseja assediá-lo. E eu sei que 99.99% das pessoas nunca vão assediar ninguém, devemos estar preparados para não facilitar para os restantes 00.01%.

Você está preocupado com sua privacidade e, mesmo depois de ler isto, deseja continuar usando o Facebook? Um caso raro, eu acho. Se você está preocupado com sua privacidade, recomendo que não coloque na internet o que não colocaria em um cartão postal. Se você colocar na internet (mesmo em uma página supostamente fechada), você deve estar preparado para que essa informação se torne pública. Se você está preocupado com sua privacidade, não deve nem usar o Facebook. Use e-mail ou mensagens instantâneas convencionais, ambas podem ser criptografadas e são mais seguras.

Em relação ao que consta no livro, por que o senhor tem sido tão crítico em relação às ações dos governos neste assunto da gripe suína?

Está provado que essa gripe (como você quiser chamá-la, gripe americana, suína ou tipo A) não é mais virulenta que a gripe convencional (cada paciente infecta, por sua vez, 2.5 pessoas - em média). Está comprovado que a taxa de mortalidade é aparentemente inferior à da gripe convencional. Quase não houve cem mortes por esse novo tipo de gripe, quando centenas de milhares de pessoas no mundo morrem de gripe a cada ano. Certamente, os números falam contra o alarme social. Por que tanto alarme? Não sei, mas pelo menos podemos acusar os governos (os espanhóis pela proximidade, os mexicanos pelo exagero de sua reação) de terem realizado uma avaliação de risco muito ruim neste caso, de terem tomado medidas talvez exageradamente drásticas. . Acredito que fazer uma avaliação precisa dos riscos (e que o Estado deve ter profissionais capacitados para isso) é lucrativa do ponto de vista econômico, mas também do ponto de vista da tranquilidade social: talvez evitássemos mergulhar a população em pânico. injustificado.

Sobre a Ediciones el Cobre (que publica A empresa controladora), e sobre a coleção Planeta 29: O que você pode me dizer? Você está satisfeito com o trabalho, com o envolvimento, com o resultado?

A verdade é que todas as peças estão funcionando muito bem, e isso mostra. Na coleção Planta 29, tanto o trabalho da Sociedade Eletrônica das Índias (promotora da ideia) quanto do patrocinador (BBVA) estão sendo exemplares. É muito arriscado lançar uma coleção de ensaios e lançá-la publicando todos os livros diretamente no domínio público e permitindo o download gratuito do livro eletrônico, quando o modelo dominante está comprometido com licenças cada vez mais restritivas. E ainda, existe a Planta 29, com um modelo radicalmente grátis que prova (além) que é possível ganhar dinheiro com ela (no final do primeiro ano, a coleção mostrou benefícios). O trabalho da editora, que tem menos peso aparente, mas é muito importante porque implica uma boa distribuição dos exemplares, também está sendo notável. Não há problemas em encontrar o livro nas principais cidades ou nas principais livrarias como a FNAC ou a Casa del libro.

Na verdade, o livro pode ser adquirido em várias livrarias (publica El Cobre, coleção Planta 29), e, além disso, pode ser baixado gratuitamente, no site do autor. Muito obrigado a Jose F. Alcántara pelo seu tempo e atenção.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Versvs dito

    Graças a você Álvaro 🙂

bool (verdadeiro)