Rosalía de Castro, autora do Romantismo espanhol

Retrato Rosália de Castro

Rosalia de Castro nasceu em Santiago de Compostela no ano 1837 e junto com o poeta sevilhano Gustavo Adolfo Bécquer, formou aquele casal que deu uma nova impulso e trégua para o palco do Romantismo espanhol. Neste artigo especial a ela dedicado, aprofundamos não só a sua vida, infelizmente bastante curta, mas também a sua obra literária, que é muito mais completa do que se divulga a priori, por exemplo nas escolas espanholas, onde a sua importância é dificil mencionada na literatura de nosso país, e se for, apenas suas composições poéticas referentes ao Romantismo são atribuídas a ela.

Neste artigo vamos tirar este espinho e vamos dar o seu lugar a esta grande escritora galega ... Esperamos não deixar nada na calha e transmitir-vos a Rosalía de Castro na íntegra e em toda a sua essência.

Vida

Família de Rosalía de Castro na íntegra

Rosalía de Castro era filha de uma mulher solteira e de um jovem que foi feito padre. Sua condição de filha ilegítima levou-a a ser registrada como filha de pais desconhecidos, da seguinte forma:

No dia vinte e quatro de fevereiro de mil oitocentos e trinta e seis, María Francisca Martínez, vizinha de San Juan del Campo, era madrinha de uma menina que eu batizei solenemente e coloquei os óleos sagrados, chamando-a de María Rosalía Rita, filha de desconhecidos pais, cuja filha a madrinha levou, e ela vai sem número por não ter passado para a Inclusa; E para que conste, eu assino. Certidão de baptismo assinada pelo padre José Vicente Varela y Montero.

Ter crescido assim também condicionará fortemente sua personalidade e, portanto, sua vida e obra literária. Mesmo assim, sabemos os nomes dos pais: María Teresa de la Cruz de Castro y Abadía e José Martínez Viojo. Embora a primeira pessoa que cuidou do recém-nascido tenha sido sua madrinha e serva da mãe, María Francisca Martínez, parte de sua infância seria passada com a família de seu pai, na cidade de Ortoño, para posteriormente se mudar para Santiago de Compostela, onde com a companhia da mãe, passou a receber noções básicas de desenho e música, frequentando regularmente atividades culturais nas quais interagia com parte dos Juventude intelectual galega do momento, como Eduardo Pondal e Aurelio Aguirre. Embora saibamos desde os anos escolares que começou a escrever poesia desde muito jovem, também conhecemos o seu gosto pelas obras teatrais, das quais participou ativamente durante a infância e adolescência.

Em uma de suas viagens à capital espanhola, Madri, conhecer quem era seu marido, Manuel Murguía, Autor galego e figura proeminente da 'Reburning'. Rosalía publicou um livreto de poesia escrita em espanhol, que ela chamou «A flor", e ecoado por Manuel Murguía, que fez referência a ele em Iberia. Graças a um amigo em comum, os dois se encontraram ao longo do tempo, para finalmente casar no ano de 1858, concretamente no dia 10 de outubro, na igreja paroquial de Santo Ildefonso. Eles tiveram 7 filhos.

Embora alguns críticos literários afirmem que Rosalía não teve o que se diz ser um casamento feliz justamente embora amasse muito o marido, sabe-se com certeza que Manuel Murguía a ajudou muito em sua carreira literária, até fazer a publicação do trabalho possível. mais famoso do galego «Canções galegas», sendo a máxima responsável depois da própria autora, claro, que esta obra é hoje conhecida e tem supõe o ressurgimento da literatura galega no século XIX.

Se por si só escrever era difícil para as mulheres naquela época, nem vamos falar de como era complicado fazê-lo em galego e mandar que lessem para você. A língua galega estava muito desacreditada, cada vez mais distante daquela época em que tinha sido a língua pré-estabelecida da criação da lírica galego-portuguesa. Era preciso começar do início, do zero, pois toda tradição havia se perdido. Era preciso romper com a indiferença e o desprezo que se tinha para com a língua, mas pouquíssimos foram os que consideraram a tarefa, pois isso constituiria motivo de descrédito social e não teria a importância de se fazer em espanhol. Por ele, Rosalía de Castro deu prestígio ao galego ao usá-lo como uma língua para «Canções galegas», consolidando assim o ressurgimento cultural da língua galega.

Durante seu casamento, Rosalía e Manuel mudaram de endereço várias vezes: passaram pela Andaluzia, Extremadura, Levante e finalmente, por Castela, antes de regressar à Galiza, onde a autora permaneceu até ao dia da sua morte. Acredita-se que essas idas e vindas de um lugar a outro, principalmente por motivos de trabalho e econômicos, levaram Rosalía a ser constantemente pessimista. Finalmente, morreu em 1885 devido a um câncer uterino que vinha sofrendo muito antes de 1883. A princípio, foi sepultada no cemitério de Adina, localizado em Iria Flavia, para posteriormente exumar seu corpo em 15 de maio de 1891 para ser levado a Santiago de Compostela, onde foi novamente sepultada em o mausoléu criado especificamente para ela pelo escultor Jesús Landeira, localizado na Capela da Visitação do Convento de Santo Domingo de Bonaval, no atual Panteão dos Ilustres Galegos. Um lugar muito melhor, sem dúvida, para uma galega que deu tudo pela sua terra.

Caricatura de Rosália de Castro

Trabalho

Seu trabalho, como o de Gustavo Adolfo Bécquer, faz parte do poesia íntima da segunda metade do século XIX, que se caracteriza sobretudo por um tom simples e direto que confere um novo, mais sincero e autêntico fôlego ao movimento do Romantismo espanhol.

Sua obra literária é conhecida acima de tudo por sua composição poética, que é composto por 3 trabalhos publicados: Canções galegas, Você fode novas y Nas margens do SarOs primeiros dois livros foram escritos em galego, e "Nas margens do Sar", sua obra poética em espanhol, apresenta uma expressão que gira em torno dos sentimentos pessoais da autora e dos conflitos internos que mencionamos anteriormente: a solidão, a dor e uma profunda nostalgia do passado são as consequências mais importantes do contato com a voz poética com os lugares de sua juventude.

Também no trabalho "Nas margens do Sar", aparecem alguns dos motivos que já existiam na sua produção anterior em galego: “as sombras”, a presença de seres falecidos, ou “os tristes”, indivíduos predestinados à dor e assombrados pelo infortúnio. Precisamente, o incompreensível sofrimento humano, ante o qual sua consciência se rebela, às vezes enfrenta sua própria religiosidade.

Rosalía de Castro cultiva uma poesia que considera o sentido da vida a partir de uma visão solitária e desolada do mundo. Essa perspectiva avança o caráter existencial que é percebido em alguns autores como Antonio Machado o Miguel de Unamuno. É desta forma também, como seu tom confessional, a criação de novas estrofes ou o uso do verso alexandrino (um verso de quatorze sílabas métricas composto de dois hemistiques de sete sílabas com um acento na sexta e décima terceira sílaba) prelúdio do tendências formais da poesia modernista.

 

Estátua de Rosalía de Castro na Galiza

«Canções galegas»

Su trabalho mais conhecido, publicado em 1863, está escrito na sua língua materna, o galego, para denunciar a injustiça que se comete contra o povo e a cultura galega em geral.

Este livro de 36 poemas, incluindo o prólogo e o epílogo, começa com a voz de uma jovem que é convidada a cantar, a pedir desculpa, também no último poema, pela sua fraca capacidade de cantar sobre a Galiza e a sua beleza. Rosalía aparece neles como mais uma personagem, evidenciando assim a sua paixão pela dita comunidade galega.

Nas canções galegas, 4 temas diferentes são claramente distinguidos:

  • Tema de amor: Diferentes personagens da cidade em diferentes circunstâncias e situações, vivem o amor de maneiras diferentes, de acordo com uma perspectiva popular.
  • Tema nacionalista: Nestes poemas é reivindicado o orgulho do povo galego, critica-se a exploração dos seus habitantes em terras estrangeiras devido à emigração e, por fim, protesta-se o abandono a que a Galiza está exposta.
  • Tema alfandegário: a descrição e a narração predominam por apresentarem crenças, peregrinações, devoções ou personagens próprios da cultura popular galega.
  • Tema íntimo: É a própria autora, Rosalía, que expressa seus sentimentos em alguns poemas.

Tanto em "Cantares gallegos" como em "Follas novas", o escritor recuperou muitos elementos da poesia popular e do folclore galego esquecidos durante séculos. Rosalía canta a beleza da Galiza em seus poemas e ataca também quem ataca seu povo. Ele é a favor do campesinato e da classe trabalhadora e lamenta continuamente a pobreza, a emigração e os problemas que isso acarreta. Este exemplo deste livro de poemas reflete a dor do emigrante que se despede de sua terra:

Adeus glória! Adeus feliz!

Eu saio de casa onde nasci

Eu deixo a aldeia que eu conheço

por um mundo que eu não vi.

Deixo amigos para estranhos 

Eu deixo o vale pelo mar,

Eu finalmente deixo o quanto de bom eu quero ...

Quem não podia sair! ...

«Folas novas»

Este foi o último livro de poesia que o autor escreveu em galego, publicado em 1880. Esta coleção de poemas está dividida em cinco partes: Vagar, Íntimo fazer, Varia, Da terra e Como você viveu dois vivos e como viveu dois mortos, e seus poemas pertencem à época em que viveu com a família Simancas.

Nestes poemas, Rosalía condena a marginalização das mulheres daquela época e também trata da passagem do tempo, da morte, do passado como um tempo melhor, etc.

Curiosamente, diremos que no seu preâmbulo a autora deixou clara a sua intenção de não voltar a escrever em galego com estas linhas:

«Alá vai, pois, como Follas novas, que simpáticas se chamariam vellas, porque ou são, e por último, porque pagas pela dívida em que me parecia coa miña terra, é-lhe difícil escrever mais versos na língua materna ».

Traduzido, diz o seguinte: “Lá se vão, então, as novas páginas, que seria melhor chamar de velhas, porque são, e por último, porque a dívida em que parecia estar com o meu terreno já pago, é difícil para mim escrever mais versos no língua materna ".

prosa

E embora nas escolas nos contassem uma Rosalía que não era muito notável na sua época e apenas uma poetisa, a verdade é que também escrevia prosa. A seguir, deixamos vocês com os mais notáveis:

  • "A filha do mar" (1859): Dedicado inteiramente a seu marido Manuel Murguía. Seu argumento é o seguinte: Através dos acontecimentos da vida de Esperanza, a menina resgatada das águas em circunstâncias estranhas, Teresa, Candora, Angela, Fausto e o depravado Ansot, entramos em um universo rosaliano cheio de sombras, melancolia e desgosto. A coexistência do real e do misterioso, a concepção pessimista da vida, a supremacia da dor sobre a felicidade na existência humana, a extrema sensibilidade para com a paisagem, a defesa dos mais fracos, a reivindicação da dignidade da mulher, o lamento pelos órfãos e abandonado ... são motivos recorrentes na obra da autora que descobrimos já nos seus primórdios literários, dos quais este título é um bom exemplo. Rosalía não é apenas aquela voz melancólica de um mundo de brumas e saudades que vem moldando a tradição popular ao longo do tempo, mas uma escritora enérgica e comprometida que, já em sua primeira incursão na narrativa, anuncia o espírito de um gênio singular, de uma mulher à frente de seu tempo que, como seus protagonistas, soube contemplar o mundo com olhos de uma sensibilidade especial. Você pode ler o trabalho dele gratuitamente neste link.
  • "Flavio" (1861): Rosalía define esta obra como um "ensaio de romance", uma vez que o que ela narra nele são os seus próprios anos de juventude. Nesta obra o tema da decepção amorosa aparece de forma recorrente.
  • "O cavalheiro de botas azuis" (1867): Segundo a própria Rosalía de Castro, esta obra é uma espécie de "história estranha" cheia de fantasia satírica, que cria um sortimento de histórias lírico-fantásticas com traços tradicionais que visa satirizar a hipocrisia e a ignorância da sociedade madrilena. . Apesar das suas raridades, é considerada pela crítica literária a mais interessante obra em prosa do autor galego.
  • «Conto galego» (1864), escrito em língua galega.
  • "Os literatos" (1866).
  • «O Cadiceño» (1886).
  • "Ruínas" (1866).
  • "O primeiro louco" (1881).
  • "Domingo de Ramos" (1881).
  • "Padrón e as inundações" (1881).
  • «Costumes galegos» (1881).

O nome de Rosalía de Castro hoje

Casa-Museu Rosalía de CastroHoje, são muitos os lugares, homenagens e espaços públicos que lembram o nome de Rosalía de Castro, devido à importância que esta teve no ressurgimento da língua galega em nosso país. Para citar apenas alguns:

  • Centros educacionais nas comunidades de Madrid, Andaluzia, Galiza, bem como em outras regiões de Espanha, bem como no estrangeiro. Sites com o nome do escritor galego foram encontrados na Rússia, Uruguai e Venezuela.
  • Praças, parques, bibliotecas, ruas, Etc.
  • Un vinho com denominação de origem Rías Baixas.
  • Un avião da companhia aérea Iberia.
  • um aeronave de resgate marítimo.
  • Placas comemorativas, esculturas, retratos, prêmios de poesia, pinturas, billetes Espanhol, etc.

E como você sabe que tem sido regular em meus artigos, deixo-o com um relatório de vídeo sobre a autora, cerca de 50 minutos, que fala sobre sua vida e sua obra. Muito completo e divertido. Também deixo algumas citações que adoro particularmente:

  • em os sonhos que alimentam a alma:  «É feliz quem, sonhando, morre. Desgraçado que morre sem sonhar ”.
  • em juventude e imortalidade: "O sangue jovem ferve, o coração exalta-se cheio de fôlego, e ousadamente o pensamento louco sonha e acredita que o homem é, como os deuses, imortal."

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Isabel dito

    grande