Resumo da vida é um sonho

Pedro Calderón de la Barca.

Pedro Calderón de la Barca.

A vida é um sonho É considerada a peça mais representativa do teatro calderoniano. Esta obra estreou-se em Madrid em 1635. Nessa época, as encenações na capital espanhola decorriam em pátios retangulares abertos (15 a 17 metros de largura e 30 a 40 metros de comprimento), rodeados de casas com varandas.

Do mesmo modo, esta obra é um exemplo clássico de dramaturgia barroca, dominado por temas filosóficos e deliberações sobre a vida. Além disso, neste tipo de representações a cenografia refletia o contraste de pensamentos antagônicos, bem como a prevalência da civilização sobre a selvageria (ignorância).

Sobre o autor, Pedro Calderón de la Barca

O nome completo dele é pedro Calderon de la Barca e Barreda González de Henao Ruiz de Blasco y Riaño. Viu a luz pela primeira vez em Madrid, a 17 de janeiro de 1600. Era o terceiro de seis filhos (dois morreram ainda jovens) do casamento entre Diego Calderón e Ana María de Henao, ambas de família nobre. Ele estudou letras, teologia, latim e grego no Imperial College of Jesuits em Madrid.

Aos 14 anos matriculou-se na Universidade de Alcalá, mas teve que abandonar os estudos por problemas familiares. Mais tarde, Ele pôde retomar sua formação educacional na Universidade de Salamanca, onde obteve o diploma de bacharel em Direito Canônico. e Civil (1619). Em 1621, ele entrou no serviço militar para pagar dívidas da família e ajudar seus irmãos.

Militar, clérigo e dramaturgo

Embora algumas fontes apontem para A selva confusa (1622) como sua primeira peça datável, a comédia Amor, honra e poder (1623) foi o título que o tornou conhecido. A partir de então, ele foi capaz de combinar sua carreira militar com sua criação dramática. Na verdade, ele foi nomeado Cavaleiro da Ordem de Santiago e foi reconhecido por seu trabalho como soldado em Fuenterrabía (1638) e Catalunha (1640).

Além disso, Foi ordenado sacerdote (1651), clérigo de Reyes Nuevos de Toledo (1653) e capelão honorário do rei (1663). Além disso - graças à sua criação artística variada, rica e prolífica - durante a década de 1640 ele se tornou o dramaturgo mais respeitado de seu tempo.

Seu trabalho, em poucas palavras

Algumas fontes como Ruiza e. ai (2004) do portal Biografias e vidas, afirmam que Pedro Calderón de la Barca fez uma contagem de suas criações pouco antes de sua morte (maio de 1681). Seu trabalho inclui "cento e dez comédias e oitenta autos sacramentales, elogios, aperitivos e outras obras menores."

Características do teatro calderoniano

La Composição teatral calderoniana foi localizado no período barroco. É caracterizada por um impressionante grau de perfeição técnica, bem como um estilo sóbrio, com um número reduzido de personagens e um eixo de enredo claro em torno do protagonista. O rasgado Sigismundo de A vida é um sonho é provavelmente o mais universal entre todos os seus personagens principais.

Resumo A vida é um sonho

A vida é um sonho.

A vida é um sonho.

Você pode comprar o livro aqui: A vida é um sonho

Este trabalho representa uma adaptação ao cristianismo do preceito budista do adormecido acordado. Contudo, a moral sem dúvida reflete um dogma cristão: a efemeridade da vida terrena —Só um sonho transitório— comparado à vida após a morte.

Esses temas são apresentados com uma mistura magistral de filosofia séria e humor por Calderón de la Barca. Além disso, durante a representação alguns personagens aparecem em diferentes disfarces com o objetivo de aumentar a incerteza do espectador sobre quais eventos são reais e quais são etéreos.

O prisioneiro

Basílio, monarca da Polônia, recebe por meio de um horóscopo o presságio de que seu filho Sigismundo se tornará um tirano. Por isso, ele o tranca no calabouço de uma torre. Lá, o príncipe herdeiro amaldiçoa sua sorte enquanto está acorrentado, alegando que não cometeu nenhum crime. Por isso está cheio de rancor e deseja assassinar dois supostos espiões que o abordaram.

Não são espiões de verdade, são a moscovita Rosaura - disfarçada de homem - e o Clarín, seu criado. Aqueles que chegaram ao campo a pé porque o cavalo da mulher escapou misteriosamente. Mais tarde, Sigismundo sente compaixão por Rosaura e aceita seu pedido de misericórdia.

O guarda

Clotaldo, o guarda da torre, intervém para punir os forasteiros porque qualquer contato com o prisioneiro é punível com a morte. Mas o vigilante hesita em executar o mandato real quando Rosaura lhe mostra uma espada relacionada ao próprio passado de Clotaldo. Bem, ele deu a sua amante Violette com a promessa de reconhecer seu filho no portador da espada.

Perturbado com a possibilidade de matar o próprio filho (travesti Rosaura), Clotaldo leva os prisioneiros até o rei para pedir misericórdia por eles. Enquanto isso, o rei fica feliz com a chegada de seus sobrinhos Astolfo (duque de Moscóvia) e Estrella para completar seus planos de sucessão. Este último suspeita muito de um medalhão que o duque carrega com a imagem de uma mulher.

A prova

Na hora da verdade, o rei Basílio logo revelou aos recém-chegados e à corte a existência de um filho natural. Igualmente, o monarca duvida da previsão inicial sobre o caráter tirânico de seu descendente. Portanto, ele decide fazer uma experiência antes da expectativa de todo o seu povo: colocar Sigismundo para dormir, revelar suas verdadeiras origens e sentá-lo no trono por um dia.

Honra de Rosaura

Basílio declara que o contato com Sigismundo não é mais punível. Nesse momento, Clotaldo quer se revelar o pai do espadachim, mas Rosaura (ainda disfarçada) diz que veio ao encontro de Astolfo para vingar sua honra. Então, Rosaura revela que é mulher e vai embora com a criada. Aí - já trocou de roupa - ela finge ser sobrinha de Clotaldo.

Monarca por um dia

Um sonolento Sigismundo é conduzido ao quarto real e vestido com trajes de monarca. Ao acordar, está muito desorientado e mal reconhece o guardião da torre que deseja assassiná-lo. Mais tarde, o príncipe herdeiro trata os servos de maneira muito rude (chega a jogar um pela janela) e Astolfo.

O rei fica sabendo do comportamento irascível de seu filho, conseqüentemente, ele fica prisioneiro do desespero por se recusar a aceitar as profecias sobre seu herdeiro. Qualquer maneira, Quando Basílio tenta abraçar Sigismundo, ele o rejeita enquanto reivindica seu irrefutável direito de governar. Naquele momento, Basílio lhe diz que talvez "seja só um sonho".

De volta para a torre

Sigismundo fica deslumbrado com a beleza de Rosaura e tenta seduzi-la com frases lisonjeiras. Embora quando ela o rejeite, o príncipe envie todos os servos do lugar para tomá-la à força. O abuso é finalmente interrompido por Clotaldo e segue-se uma luta que nem mesmo Astolfo consegue parar. Só o rei consegue encerrar a disputa.

Basílio manda que o filho volte a dormir. Uma vez na torre, o Clarín também é colocado atrás das grades porque sabe muito sobre o assunto. Ao mesmo tempo, Clotaldo explica a Sigismundo que seu dia no trono foi uma ilusão. A partir desse momento, o príncipe não distingue bem o sonho da realidade, portanto, ele entende que deve se comportar com mais sensatez.

Um trono disputado

Rosaura e Estrella afastam-se de Astolfo ao descobrirem seus truques de amor devido ao retrato (do primeiro) pendurado no pescoço do duque. Por outro lado, uma multidão de plebeus chega à torre para libertar o Clarín (eles acreditam erroneamente que ele é o rei). Mais, Quando Sigismundo aparece, a multidão afirma desejar o verdadeiro sucessor no trono e que estão prontos para lutar por ele.

Citação de Pedro Calderon de la Barca.

Citação de Pedro Calderon de la Barca.

O príncipe herdeiro consegue se controlar e se comportar corretamente (ainda sem saber se está sonhando ou não), mesmo tendo a vida de um Clotaldo resignado. Entretanto, No palácio Clarín, ele informa Astolfo e Estrella sobre os acontecimentos. A população está dividida entre os que permanecem fiéis a Basílio e os partidários de Sigismundo.

Resolução

Nos momentos da batalha, Rosaura entra em cena para implorar a Sigismundo que a ajude a matar Astolfo (e assim resgatar sua honra). Assim que a luta começar, Clarín morre com um tiro e Basílio entende que não pode enfrentar o próprio filho. Por isso, ele se entrega aos seus pés. Mas a profecia não se cumpriu da maneira esperada.

Sigismundo não é um tirano, ele estende a mão para seu pai e o cria. Por fim, o filho é proclamado sucessor legítimo aceito pelos colonos e pela corte.. Além disso, o novo rei deixa todos felizes: ele restaura a honra de Rosaura casando-a com Astolfo e ele mesmo pede a mão de Estrella, que a aceita.

A vida é um sonho

No ato final, Sigismund descreve as razões de sua surpreendente transformação: ele aprendeu a ser um rei justo por meio de um sonho. Portanto, se a existência terrena do ser humano é uma ilusão, ele deseja aproveitar essa centelha que é a vida para agir como um justo soberano.

Fragmento

"Mas, seja verdade ou sonho,

fazer bem é o que importa.

Se fosse verdade, por ser;

se não, para ganhar amigos

para quando acordarmos ”.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Gustavo Woltman dito

    Excelente artigo, descreve perfeitamente o trabalho que transcendeu aos nossos tempos e que hoje continua a surpreender e encantar.
    -Gustavo Woltmann.