Glória Fuertes: poemas

Poemas de Gloria Fuertes

Fonte da foto de Gloria Fuertes: Poemas - Facebook Gloria Fuertes

Não há dúvida de que Gloria Fuertes é uma das escritoras mais conhecidas do mundo. Seus poemas são quase sempre lembrados porque crescemos com eles. Mas a verdade é que ela foi mais do que uma poetisa infantil. Tanto a figura forte de Gloria quanto seus poemas perduram com o tempo.

Mas Quem foi Gloria Fuertes? Quais poemas são os mais importantes que você escreveu? Como era?

Quem é Gloria Fuertes

Gloria Fuertes

Fonte. Zenda

Nas palavras de Camilo José Cela, Gloria Fuertes era um 'anjo malvado' (Desculpe-me). Ela não teve uma vida fácil e, mesmo assim, conseguiu escrever alguns dos mais belos poemas para crianças.

Gloria Fuertes nasceu em Madrid em 1917. Ela cresceu no bairro de Lavapiés, no seio de uma família humilde (mãe costureira e pai porteiro). Sua infância foi passada entre várias escolas, algumas das quais ele relatou em seus poemas.

Aos 14 anos, sua mãe matriculou-a no Instituto de Educação Profissional da Mulher, onde obteve dois diplomas: Taquigrafia e Digitação; e o de Higiene e Puericultura. Em vez de trabalhar, porém, decidiu se matricular em Gramática e Literatura.

Seu objetivo, e o que ela sempre quis ser, ela era uma escritora. E o conseguiu em 1932, aos 14 anos, quando publicaram um dos seus primeiros poemas, «Infância, Juventude, Velhice ...».

Seu primeiro emprego foi como contador em uma fábrica, o que lhe deu tempo para escrever poemas. Foi em 1935 que ele publicou uma coleção deles, Ilha ignorada, e passou a dar recitais de poesia na Rádio Madrid. No entanto, ele não largou o emprego. De 1938 a 1958, ela trabalhou como secretária até conseguir pedir demissão. E é que além desse trabalho também teve outro como editora de revista infantil. Foi esse gênero que conseguiu abrir as portas para a fama, que lhe veio em 1970, quando A televisão espanhola a apresentou em seus programas infantis e juvenis e tornou seus poemas conhecidos em todo o mundo.

Por fim, e por se tratar de um dos poemas em que ela própria fala da sua vida, deixamos-vos a forma como ela se apresentou.

Autobiografia

Gloria Fuertes nasceu em Madrid

aos dois dias de idade,

Bem, o parto da minha mãe foi muito trabalhoso

que se for negligenciado morre para viver para mim.

Aos três anos já sabia ler

Já conhecia meu trabalho às seis.

Eu era bom e magro

alto e um pouco doente.

Aos nove anos fui pego por um carro

já aos quatorze anos a guerra me pegou;

Aos quinze anos, minha mãe morreu, ela foi embora quando eu mais precisei dela.

Aprendi a pechinchar nas lojas

e ir para as cidades comprar cenouras.

Naquela época eu comecei com amor,

-Não digo nomes-,

graças a isso, fui capaz de lidar

minha juventude da vizinhança.

Eu queria ir para a guerra, para pará-la,

Mas eles me pararam no meio do caminho

Então, um escritório saiu para mim,

onde eu trabalho como se fosse estúpido,

(Mas Deus e o carregador sabem que não sou)

Eu escrevo a noite

e eu vou muito a campo.

Todos os meus estão mortos há anos

e estou mais sozinho do que eu mesmo.

Eu postei versos em todos os calendários,

Eu escrevo em um jornal infantil,

e quero comprar uma flor natural a prazo

como os que eles dão a Pemán às vezes.

Os melhores poemas de Gloria Fuertes

Os melhores poemas de Gloria Fuertes

Fonte: Facebook Gloria Fuertes

Abaixo nós compilamos alguns dos poemas de Gloria Fuertes para que, se você não os conhece, veja como ele escreveu. E, se você os conhece, com certeza deseja relê-los, porque são um dos melhores da poesia.

Quando eles nomeiam você

Quando eles nomeiam você,

eles roubam um pouco do seu nome de mim;

parece mentira,

que meia dúzia de cartas diz muito.

Minha loucura seria desfazer as paredes com o seu nome,

Eu iria pintar todas as paredes,

não haveria um poço

sem eu mostrar

para dizer o seu nome,

nem montanha de pedra

onde eu não vou gritar

ensinando o eco

suas seis letras diferentes.

Minha loucura seria,

ensine os pássaros a cantar,

ensine o peixe a beber,

ensine aos homens que não há nada,

como enlouquecer e repetir seu nome.

Minha loucura seria esquecer tudo,

das 22 letras restantes, dos números,

dos livros lidos, dos versos criados. Cumprimente com seu nome.

Peça pão com seu nome.

- Ele sempre fala a mesma coisa - falavam no meu passo, e eu, tão orgulhosa, tão feliz, tão alegre.

E eu irei para o outro mundo com o seu nome na minha boca,

a todas as perguntas responderei seu nome

- os juízes e os santos não vão entender nada-

Deus me condenaria a dizer isso sem parar para sempre.

Você vê que bobagem

Você vê que bobagem,

Eu gosto de escrever seu nome

preencha papéis com seu nome,

encha o ar com o seu nome;

diga às crianças o seu nome,

escreva para meu pai morto

e diga a ele que seu nome é assim.

Eu acredito que sempre que eu digo você me ouve.

Acho que é boa sorte.

Eu vou pelas ruas tão feliz

e eu não carrego nada além do seu nome.

Autobio

Eu nasci muito jovem.

Deixei de ser analfabeta aos três anos,

virgem, aos dezoito anos,

mártir, aos cinquenta.

Aprendi a andar de bicicleta,

quando eles não me alcançaram

pés nos pedais,

beijar, quando não me alcançassem

seios à boca.

Muito em breve alcancei a maturidade.

No Colégio,

o primeiro em Urbanity,

História Sagrada e Declamação.]

Nem álgebra nem irmã Maripili me convinham.

Eles me despediram.

Eu nasci sem peseta. Agora,

depois de cinquenta anos de trabalho,

tenho dois.

O Galo Acorda

Kikiriki,

estou aqui,

o galo disse

Beija-Flor.

O galo beija-flor

ele era ruivo,

e era o terno dele

de bela plumagem.

Kikiriki.

levanta camponês,

que o sol já está aí

de caminho.

-Kikiriki.

levanta fazendeiro,

acorde com alegria,

o dia está chegando.

-Kikiriki.

Crianças da aldeia

acorda com o ole,

esperando por você na "escola".

A cidade não precisa de relógio

o galo vale o alarme.

No meu jardim

Na grama as árvores falam comigo

do poema divino do silêncio.

A noite me surpreende sem sorrisos,

mexendo em minha alma as memórias.

* * *

Vento! ouve!

esperando! não vás!

De que lado está? Quem disse isso?

Beijos que eu esperava vc me deixou

Na asa dourada do meu cabelo

Não vás! Ilumine minhas flores!

E eu sei, você, amigo mensageiro do vento;

responda ele dizendo que você me viu,

com o livro de sempre entre os dedos.

Ao sair, ilumine as estrelas,

eles pegaram a luz, e eu dificilmente vejo,

e eu sei, vento, cansado da minha alma;

e leve este "encontro" para ele em um vôo rápido.

... E o vento me acaricia docemente,

e sai insensível ao meu desejo ...

Os melhores poemas de Gloria Fuertes

Fonte: Gloria Fuertes Facebook

Adivinhe, adivinhe ...

Adivinhe, adivinhe ...

Adivinhe, adivinhe ...

Adivinhe, adivinhe:

ele está montado em um burro

ele é baixo, gordo e com barriga,

amigo de um cavalheiro

de escudo e lança,

conhece provérbios, é inteligente.

Adivinhe, adivinhe ...

Quem é ele? (Sancho Pança)

Oração

Que você está na terra, nosso Pai,

Que eu te sinto na ponta do pinheiro,

No torso azul do trabalhador,

Na menina que bordas curvas

Nas costas, misturando o fio no dedo.

Pai nosso que estás na terra,

No groove

No Jardim,

Na mina,

No Porto,

Em filmes,

No vinho

Na casa do médico.

Pai nosso que estás na terra,

Onde você tem sua glória e seu inferno

E seu limbo; que você está nos cafés

Onde os ricos bebem seu refrigerante.

Pai nosso que estás na terra,

Em um banco na leitura do Prado.

Você é aquele velho que dá migalhas de pão aos pássaros no caminho.

Pai nosso que estás na terra,

Na cigarra, no beijo,

Na ponta, no peito

De todos aqueles que são bons.

Pai que mora em qualquer lugar,

Deus que penetra qualquer buraco,

Você que tira a angústia, que está na terra,

Pai nosso nós te vemos

Aqueles que temos que ver mais tarde,

Em qualquer lugar, ou lá no céu.

Aonde você está indo, carpinteiro? (CAROL)

-Onde você vai carpinteiro

com a queda de neve?

-Eu vou para as montanhas buscar lenha

para duas tabelas.

-Onde você vai carpinteiro

com essa geada?

-Eu vou para as montanhas em busca de lenha,

meu pai espera.

-Onde você vai com o seu amor

Filho do Amanhecer?

-Eu vou salvar a todos

aqueles que não me amam.

-Onde você vai carpinteiro

tão cedo pela manhã?

-Eu vou para a guerra

para pará-lo.

À margem

Sou alta;

na guerra

Cheguei a pesar quarenta quilos.

Eu estive à beira da tuberculose

à beira da prisão,

à beira da amizade,

no limite da arte,

à beira do suicídio,

à beira da misericórdia,

à beira da inveja,

à beira da fama,

no limite do amor,

na beira da praia,

e, aos poucos, foi me deixando com sono,

e aqui estou eu dormindo no limite,

prestes a acordar.

Casal

Cada abelha com seu parceiro.

Cada pato com sua pata.

Cada um tem seu próprio tema.

Cada volume com sua capa.

Cada cara com seu tipo.

Cada apito com sua flauta.

Cada foco com seu selo.

Cada prato com sua xícara.

Cada rio com seu estuário.

Cada gato com seu gato.

Cada chuva com sua nuvem.

Cada nuvem com sua água.

Cada garoto com sua garota.

Cada abacaxi com seu abacaxi.

Todas as noites com o seu amanhecer.

O pequeno camelo

O camelo foi picado

com um cardo da estrada

e o mecânico Melchor

deu-lhe vinho.

Balthazar

foi reabastecer

além do quinto pinheiro ...

e o grande Melchior estava inquieto

ele consultou seu "Longinus".

-Não chegamos,

nós não chegamos,

e o Santo Parto chegou!

-é meio-dia e três minutos

e três reis foram perdidos.

O camelo mancando

mais meio morto do que vivo

seus arrepios de pelúcia

entre os troncos das oliveiras.

Aproximando-se de Gaspar,

Melchior sussurrou em seu ouvido:

-Bom camelo birria

que no Oriente eles o venderam.

Na entrada de Belém

o camelo soluçou.

Que tristeza tao grande

em seu belfo e em seu tipo!

A mirra estava caindo

pelo caminho,

Baltasar carrega os baús,

Melchior estava empurrando o bug.

E já de madrugada

-os pássaros já estavam cantando-

os três reis ficaram

boquiaberto e indeciso,

ouvir falar como um homem

para uma criança recém-nascida.

-Eu não quero ouro ou incenso

nem aqueles tesouros tão frios,

Eu amo o camelo, eu amo ele.

Eu o amo - repetiu a Criança.

A pé os três reis voltam

cabisbaixo e aflito.

Enquanto o camelo deitava

faz cócegas na criança.

Na minha cara redonda

Na minha cara redonda

Eu tenho olhos e nariz

e também uma boquinha

para conversar e rir.

Com meus olhos eu vejo tudo

com meu nariz eu faço dores,

com minha boca assim como

Pipoca.

Pobre burro!

O burro nunca deixará de ser burro.

Porque o burro nunca vai à escola.

O burro nunca se tornará um cavalo.

O burro nunca ganhará corridas.

Qual é a culpa do burro por ser um burro?

Na cidade do burro não há escola.

O burro passa a vida trabalhando,

puxando um carro,

sin pena ni gloria,

e os fins de semana

amarrado à roda gigante.

O burro não pode ler,

mas tem memória.

O burro chega por último à linha de chegada,

Mas os poetas cantam para ele!

O burro dorme em uma cabana de lona.

Não chame o burro de burro,

chame-o de "ajudante do homem"

ou chamá-lo de pessoa

Você conhece mais poemas dignos de memória de Gloria Fuertes?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.