Os rostos de José María Guelbenzu

Guelbenzu: Literatura em sua forma mais pura

Guelbenzu: uma vida de paixão pela literatura

Guelbenzu escreverá um romance policial pela mão de sua protagonista, Mariana de Marco, enquanto ela continuar a chamá-lo para escrever. Ele confessa que não tem nenhum interesse especial no gênero, além do personagem do juiz de instrução de Marco. Com uma meta inicial de dez romances para a série, ele foi publicado em oito, desde o primeiro, Do Not Harass the Murderer em 2001 ao último, A Heartbroken Murderer, em 2017. Talvez seus leitores ávidos tenhamos a nona edição em nossas mãos em 2019.

Guelbenzu é o exemplo ativo de uma vida dedicada à literatura. Aos 73 anos, José María Guelbenzu continua a se dedicar à sua grande paixão com o mesmo entusiasmo de quando começou e já tocou todas as facetas literárias e nenhuma de passagem: No mundo editorial, como diretor editorial Touro por onze anos e Alfaguara por seis. Na crítica literária, desde os primeiros anos de sua carreira profissional e continua com sua coluna na Babelia, o Suplemento Cultural do País.

professor na Universidade e em diferentes cursos para novos escritores para deleite de quem espera com entusiasmo a sua aula e as suas correcções desde a saída da última, porque é capaz de transmitir os seus conhecimentos e empenhar-se nesta profissão muito para além das suas palavras.

Em sua profissão principal, a de escritor, ele provou estilos diferentes. Muitos anos se passaram desde seu primeiro livro, poesia, Notebooks hispano-americanos. Felizmente para os amantes de romance policial, que não é negra, porque o próprio autor não gosta que sua série sobre a juíza de instrução Mariana de Marco seja assim classificada, não seguiu na linha poética e deu o salto novela. Nada do gênero negro, para isso foi feito esperar, muitos anos ainda teriam que se passar para que Guelbenzu chegasse ao mundo da intriga.

Entre a poesia e o romance policial, excelentes romances que se diferenciam entre si, com o elo de ligação de serem reflexos profundos de temas inerentes ao ser humano. Com o seu primeiro romance El Mercurio, publicado em 1968, recebeu o primeiro prémio, o de finalista do Short Library Award, que encabeçará uma longa lista, onde podemos encontrar desde o Prémio da Crítica por Narrativa Castelhana ao Torrente Ballester através do Prêmio Internacional Novela Plaza & Janés e continuou a colher prêmios no último ano de 2017. Apenas um deles, o Torrente Ballester, por um dos romances da série negra: O irmãozinho.

Em seu primeiro romance, Guelbenzu define o que será uma linha recorrente em toda a sua obra. Nele, ele analisa a sociedade madrilena do momento usando como veículo um grupo de jovens intelectuais do momento, Un peso en el Mundo, do ano 99 onde fala sobre a necessidade de transcender, de encontrar seu peso no mundo de. uma mulher na metade de sua vida que contrasta com a de sua antiga professora que em uma fase muito mais avançada da vida já voltou daquela angústia.

A partir desse momento, Guelbenzu mergulha, para deleite dos amantes do gênero, no romance policial, com a publicação de Não moleste o assassino Em 2001, embora não tenha saído da linha anterior, apenas a espaçou, publicando mais cinco romances que triunfam sobre a série de casos de Mariana de Marco:  A cabeça do dorminhoco (2003) Esta parede de gelo (2005) O amor verdadeiro (2010) Mentiras aceitas (2013) Os poderosos querem tudo (2016) onde, seguindo a linha aberta com Un peso en el mundo,  Trata-se da corrupção de uma sociedade inchada como a atual ao vazio espiritual, da superficialidade com que passamos nosso tempo no mundo. o amor de duas pessoas ao longo de toda uma convivência e, em última instância, o sentido da nossa existência, sempre numa perspetiva transgressora, tanto fantástica como clássica, onde surgem desde personagens que vendem a alma ao demónio para escapar da morte ao vicissitudes da alma de um homem morto que o barqueiro ajuda a atravessar para o Reino da Morte.

Gijón, a cidade onde se passam as últimas novelas da série estrelada por Mariana de Marco.

G… o destino atual de Mariana de Marco

Enquanto tudo isso acontecia nas falas de Guelbenzu, Mariana de Marco resolveu mais sete casos nas mãos de seu autor, que somam oito desde o primeiro. Guelbenzu é capaz de escrever um ano uma crítica profunda e cuidadosa sobre sua geração e a falta de ideais e profundidade da sociedade que eles construíram e no ano seguinte nos entregar um novo e suculento caso das mãos do juiz favorito de seus leitores Quanto daquele romance social profundo de Guelbenzu está na série de Mariana de Marco?  O que reflete a obsessão do juiz investigador em buscar a verdade, bem como a atração pelo perigo e pelas pessoas, principalmente os homens, com um lado negro mais do que pronunciado? Talvez suas linhas de escrita sejam menos uniformes do que parece à primeira vista e sejam apenas caminhos diferentes, que se aprofundam nas questões que preocupam o autor, mas o fazem em diferentes níveis de profundidade.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.