O Reino, o novo romance de Jo Nesbø. Análise

O Reino é o novo romance de Jo Nesbo. O escritor norueguês acorrentou alguns títulos onde estacionou Harry Hole, seu personagem mais conhecido e seguido. Agora a escuridão nos diz história de dois irmãos. Esta é minha rever.

O Reino

O que é a isolada fazenda Opgard na montanha. E os Opgards são uma família de pai, mãe e dois irmãos, Roy e Carl, onde agora mora apenas Roy, o mais velho. Solitário, taciturno, apaixonado por pássaros e gerente do posto de gasolina da cidade, leva uma vida aparentemente branda e tranquila, quase sem contato com seus habitantes, embora conheça todos e todos o conheçam. Mas essa vida vai virar de cabeça para baixo - o que não foi a primeira nem será a última - quando seu irmão Carl retornar após 15 anos no exterior, de onde partiu após a morte de seus pais em um acidente de carro.
Carl não volta sozinho, ele também traz Shannon, sua esposa, arquiteta e com uma personalidade tão cativante quanto particular. E ambos vêm com grandes planos próprios, mas também para fazer a comunidade prosperar: construir um hotel luxo na área.
Eles têm o Carisma de carl, sempre alegre, brilhante, animado e empreendedor, diante do Roy quieto, sério e muito menos atraente, que também sempre tirou as castanhas do fogo. E continuará a fazê-lo porque os irmãos Opgard eles escondem muito mais histórias do passado que se juntarão àquelas desencadeadas pelo presente e suas naturezas, que já são mostrados mais do que claramente no prólogo de abertura chocante.

Roy é o contador de histórias que nos diz quem somos. Então ele é tudo e nada. É o pássaro da montanha sem nome.

Isso é o que Carl diz em uma conversa logo após chegar e ter apresentado à sua esposa. Roy é quem nos conta toda a história em primeira pessoa, a voz narrativa usual que Nesbø usa em romances publicados à parte da série de Buraco de HarryComo Headhunters o Sangue na neve y Sol de sangue. E isso mostra que está à vontade nela. Todos nós que escrevemos pela metade sabemos que isso permite mais liberdade de ação aos diferentes eus que queremos tirar, mesmo que tenhamos que sacrificar o ponto de vista do resto dos personagens. Além disso, Roy se dirige várias vezes ao leitor, como se estivesse falando conosco debruçado sobre o balcão de um bar e tomando um drinque de vez em quando.

"A família é o primeiro. Para o bem e para o mal. À frente do resto da humanidade.

É a frase que resume e concentra tudo o que é lido em O Reino. É a única motivação e sentido que Roy tem de fazer o que faz por ela e por seu irmão em particular. E o que faz é TUDO E APESAR DE TUDO.
Eu li sobre o componente religioso (que não é mítico, fabricantes de manchetes na mídia) nesta história ao longo Caim e Abel, que também são os segundos nomes dos personagens. Mas não, não há nada disso porque essa história não termina como a dos primeiros irmãos bíblicos. O que há é o habitual em Nesbø, que não engana ninguém e, pelo menos, os seus fiéis leitores: a retrato colossal da natureza humana que sempre se move entre o amor e a morte marcada pela tragédia.
Nem Carl Opgard é um Abel sincero e gentil, apesar do abuso que sofreu, nem Roy é um Caim implacável. E você se convence disso ao conhecê-los e Nesbø - com aquela habilidade de marca registrada - permite que você veja as fissuras que se aprofundam em suas peles no momento certo. A conquista que este escritor sempre alcança é que você também se colocou nessa pele, especialmente no de Roy, que você se vê acompanhando (e justificando) na mesma intenção e passos que está dando, mesmo que sejam terríveis.
O que você não faria por um irmão e pela vergonha de ter escondido ou de não ter evitado uma abominação? Roy carrega isso e com responsabilidade e amor fraternal, mas também decepção, humilhação e inveja, raiva por engano e fraqueza, por ambição excessiva e a traição daquele sangue que é seu e pelo qual você sacrificou e destruiu das formas mais inimagináveis. E também o amor que você acha que merece, que pode ser justo e verdadeiro pela primeira vez na sua vida, já que aquele que você vive é um completo equívoco. Nós vamos Roy fez, faz, vai e vai sacrificar tudo por seu irmão, embora Carl não mereça isso de forma alguma. Essa é a peça principal.

“Estamos todos prontos para vender nossas almas. Exceto que cada um coloca um preço diferente nisso.

A embalagem é completada por uma galeria de personagens secundário para aqueles que também são movidos pela ambição, mentiras e aparências. Do vendedor de carros que dirige um empório local e também é um agiota sem escrúpulos, sua esposa, os funcionários do posto de gasolina, o ex-prefeito, o jornalista local e marido da ex-namorada de Carl Opgard ou o cabeleireiro fofoqueiro e abandonado.
Tudo cercado por ambiente nebuloso e opressor de pequenas cidades onde há muito o que esconder em armários, especialmente segredos e sangue. Apenas Kurt Olson, o policial investigando eventos passados ​​e presentes em torno dos Opgards, parece determinado a encontrar uma verdade que nunca vem. E até mesmo Shannon, a esposa de Carl, será arrastada naquela espiral de segredos e tragédias de seu marido e seu cunhado: "Violamos a moral ao colocá-la a serviço de nossos interesses quando sentimos que nossa matilha está ameaçada . "

Em definitivo

Seguirá eterno debate entre leitores que só querem Harry Hole e as que gostamos com cada carta que Nesbø escreveSeja sobre aquele policial de nossos amores e tristezas ou sobre qualquer história que venha à mente.
Todos eles têm sua marca, sua dissecação única da contradição humana, com o melhor e o pior que temos ou do que somos capazes, sua habilidade de nos fazer pensar uma coisa e outra com essa narração direta, para os fígados e para o coração, para nos procurar e remover aquele ponto escuro e justificá-lo. Com Nesbø, e sempre sem dúvida, essa escuridão é tão legítima quanto a luz.

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   MARIA LUZ ANIBARRO HERNANDEZ dito

    É a primeira vez que leio este autor. O livro parece divertido para mim, mas contém alguns erros de tradução. Disseram-me que Nesbo era o rei do romance negro e fiquei desapontado.

bool (verdadeiro)