Grupo Planeta fecha Círculo de Leitores

O planeta fecha o Círculo de Leitores.

O planeta fecha o Círculo de Leitores.

A digitalização assumiu todas as áreas da vida diária da humanidade. O contexto atual obriga as empresas e as pessoas a viverem em um ambiente em constante transformação. Exatamente isso é Argumento do Grupo Planeta para justificar o fechamento do Círculo de Lectores.

Especificamente, a declaração do editor se refere a à “mudança de hábitos de consumo dos cidadãos derivada da forte implementação de novas tecnologias”. A chamada Revolução Industrial 4.0 modificou radicalmente a economia; a competição está mais acirrada do que nunca.

Internet definindo os padrões

A Internet dita as regras para tudo: comércio mundial, comunicação, meios de interação, estratégias pedagógicas ... Portanto, não é surpreendente que o Círculo de Lectores tenha passado de mais de 300.000 milhão de assinantes no final do século passado para cerca de XNUMX na época de seu fechamento.

O fim de um clube com mais de meio século de história

O Círculo de Lectores foi adquirido pelo Grupo Planeta em 2010. Nessa altura já tinham desenvolvido vários projectos cujo intuito era se integrar no comércio electrónico e tirar partido das aplicações da era digital. No entanto, essas estratégias não funcionaram principalmente devido ao avanço imparável de gigantes da tecnologia como a Amazon.

Pouco importava que fosse um clube de longa data fundado em 1962, sustentá-lo por mais tempo não é lucrativo. Desde 2016 teve uma perda média anual de cerca de 15% com vendas e em 2018 foi necessário um aumento de capital de 6 milhões de euros.

Diante da incapacidade de atrair novos parceiros, O Grupo Planeta considerou seriamente a mudança para um modelo de negócio mais adaptado aos novos tempos. Muitos espanhóis sentirão falta do maior clube de leitura de seu país, bem como de seus diversos agentes autorizados, catálogos, fóruns na Internet e espaços para seus assinantes em livrarias.

O mesmo burofax que anunciou o fechamento do Círculo de Leitores oferece uma luz fraca de esperança aos seus membros mais fiéis. Em um de seus parágrafos lê-se "cinquenta mil coisas se tentaram para melhorar este modelo, mas se decidiu fechar a estrutura comercial, não fechar o Círculo, para entrar em um processo de estrutura futura (ainda não estudado). "

Então, a culpa é das novas gerações?

O mais fácil seria pensar que as "mudanças nos hábitos de consumo" se devem ao fato de as novas gerações lerem menos que seus pais.. No entanto, ao analisar mais detalhadamente os motivos do encerramento do Círculo de Lectores, fica evidente que a causa fundamental é uma deficiência nas estratégias de marketing e promoção nas plataformas digitais. Eles não se adaptaram a tempo.

A primeira informação óbvia é o preconceito que existe em torno dos chamados Millennials (pessoas nascidas entre 1980 e 1995) e geração Z (nascido após 1995). Pois, ao contrário da tendência esperada por gerações estigmatizadas como individualistas e desinteressadas, os Millennials Eles são leitores vorazes.

A nova tendência são os "booktubers".

A nova tendência são os "booktubers".

Na verdade, o portal Biz! A Republic Magazine (2019) relatou que só nos Estados Unidos «80% dos jovens adultos de 18 a 35 anos leram um livro em qualquer formato no último ano, incluindo 72% que leram um exemplar impresso. A mesma fonte indica que os americanos adquirem em média de um a cinco livros por ano.

Da mesma forma, Cerezo (2016) afirma em sua publicação Geração Z e informação que as mudanças culturais são muito mais rápidas hoje. Já não é uma questão de décadas. O autor afirma: “Uma das grandes novidades que a transformação atual traz é a sua velocidade de expansão, cujo impacto é imediato e simultâneo em diferentes partes do planeta”.

Clubes do livro agora são booktubers

O portal Ecoosfera (2019) descreve a Geração Y (millennials) como a primeira geração global, graças a ter se familiarizado com a Internet e visto a disseminação da digitalização. Da mesma forma, a crise econômica mundial e fenômenos como as mudanças climáticas marcaram fortemente seus interesses e costumes.

Portanto, a geração do milênio tende a se manter bem informada sobre várias questões políticas e ecológicas. Essas circunstâncias impulsionaram a diversificação das fontes de informação. Não são mais apenas livros, agora bibliotecas virtuais, fóruns e publicações online indexadas são igualmente relevantes.

Além disso, a opinião dos leitores é fundamental, tanto para qualificar quanto para fazer contribuições que enriquecem o valor da informação. Por esta razão, os consultores percebem os booktubers como plataformas muito versáteis e interativas que reúnem todos os aspectos mencionados.

No caso do fechamento do Círculo de Leitores do Grupo Planeta, as alternativas para evoluir no mundo digitalizado já estão disponíveis. Talvez em um futuro não muito distante um retorno como booktuber ou em um modelo de negócio similar que possa competir dentro da estonteante Revolução Industrial 4.0 seja possível.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

6 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Sérgio Fulgêncio Sarabia dito

    Boa tarde. Preciso de informações sobre como eles devolvem o dinheiro que não usei e que ainda está acumulado lá. Obrigada . Uma saudação

  2.   Peter Suenz dito

    O ex-diretor do Círculo de Lectores, Hans Meinke, entendeu qual poderia ser o futuro modelo do Círculo: um clube do livro de excelência, que cuida da arte de fazer bons livros, bem encadernados, ilustrados, acompanhados de diversas atividades culturais. Bertelsmann, por sua vez, é um grupo editorial que se dedicou à destruição sistemática do mundo editorial, absorvendo um grande número de editoras na Alemanha e em todo o mundo, e particularmente os clubes do livro, que foram uma invenção especificamente alemã de 1919, embora tenha havido precursores, e mais ainda do pós-guerra (por volta de 1950), quando houve um grande boom neste tipo de canal de vendas. Com a mudança de mercado e digitalização, Bertelsmann simplesmente decidiu bater seu Círculo de Lectores original (Bertelsmann Lesering), agora apenas chamado de Clube, depois de engolir 95% dos clubes que vieram a ser na Alemanha, Áustria e Suíça. A mediocridade não apenas prevaleceu, mas também acabou por ser um assassino editorial. O Círculo de Lectores de España foi diferente, porque Hans Meinke soube copiar o modelo da ainda existente Gutemberg Librero Guild (Büchergilde Gutenberg), fundada em 1924 (no mesmo ano da Deutsche Buch-Gemeinschaft, engoliu 50% em 1969 por Bertelsmann e aniquilada como entidade independente de 1974 a 1988). Como Büchergilde, o Círculo publicou livros de alta qualidade, bem encadernados e com uma boa variedade de temas ou gêneros literários. O Círculo poderia ter sobrevivido com seus atuais 300.000 clientes-parceiros mantendo aquela linha editorial de Hans Meinke no estilo Büchergilde. Mas o Bertelsmann livrou-se do preço de banana do clube entregando-o a um editor medíocre: o Planeta. Algo pouco compreensível, porque em Portugal o Círculo de Lectores ainda está nas mãos da Bertelsmann (Bertrand), e também na Argentina e noutros países. Na França, a France Loisirs tornou-se propriedade de seus fundadores.

  3.   Peter Suenz dito

    O ex-diretor do Círculo de Lectores, Hans Meinke, entendeu qual poderia ser o futuro modelo do Círculo: um clube do livro de excelência, que cuida da arte de fazer bons livros, bem encadernados, ilustrados, acompanhados de diversas atividades culturais. Bertelsmann, por sua vez, é um grupo editorial que se dedicou à destruição sistemática do mundo editorial, absorvendo um grande número de editoras na Alemanha e em todo o mundo, e particularmente os clubes do livro, que foram uma invenção especificamente alemã de 1919, embora tenha havido precursores, e mais ainda do pós-guerra (por volta de 1950), quando houve um grande boom neste tipo de canal de vendas. Com a mudança de mercado e digitalização, Bertelsmann simplesmente decidiu bater seu Círculo de Lectores original (Bertelsmann Lesering), agora apenas chamado de Clube, depois de engolir 95% dos clubes que vieram a ser na Alemanha, Áustria e Suíça. A mediocridade não apenas prevaleceu, mas também acabou por ser um assassino editorial. O Círculo de Lectores de España foi diferente, porque Hans Meinke soube copiar o modelo da ainda existente Gutemberg Librero Guild (Büchergilde Gutenberg), fundada em 1924 (no mesmo ano da Deutsche Buch-Gemeinschaft, engoliu 50% em 1969 por Bertelsmann e aniquilada como entidade independente de 1974 a 1988). Como Büchergilde, o Círculo publicou livros de alta qualidade, bem encadernados e com uma boa variedade de temas ou gêneros literários. O Círculo poderia ter sobrevivido com seus atuais 300.000 clientes-parceiros mantendo aquela linha editorial de Hans Meinke no estilo Büchergilde. Mas o Bertelsmann livrou-se do preço de banana do clube entregando-o a um editor medíocre: o Planeta. Algo pouco compreensível, porque em Portugal o Círculo de Lectores ainda está nas mãos da Bertelsmann (Bertrand), e também na Argentina e noutros países. Na França, a France Loisirs tornou-se propriedade de seus fundadores.

  4.   axun dito

    «» »A primeira informação óbvia é o preconceito que existe em torno dos chamados millennials (pessoas nascidas entre 1980 e 1995) e geração Z (nascidas após 1995). Porque, ao contrário da tendência esperada por gerações estigmatizadas como individualistas e desinteressadas, os millennials são leitores vorazes.
    Na verdade, o portal Biz! A Republic Magazine (2019) relatou que apenas nos Estados Unidos "80% dos jovens adultos de 18 a 35 anos leram um livro em qualquer formato no ano passado, incluindo 72% que leram uma cópia impressa". A mesma fonte indica que os americanos adquirem uma média de um a cinco livros por ano. »» »»

    Ler um livro por ano é ser um leitor voraz? Então, o que seremos nós que lemos 2-3 por mês?

    1.    Rachel dito

      Concordo com o comentário final, você acha que comprar cinco livros por ano é ser um leitor voraz…. onde vamos parar. Para mim foi uma pena que tenham fechado o círculo de leitores já que sou membro há muitos anos, mesmo assim tenho um livro eletrônico, mas onde está o livro de papel, o cheiro do livro novo, toque neles e virar as páginas. A geração atual não lê absolutamente nada, muito poucos millennials e geração z (desculpe minha desinformação, mas pensei que millennials eram aqueles nascidos depois de 2000 e algo assim, nunca ouvi falar da geração z, parece um romance de terror). Qualquer coisa porque tenho um filho de 16 anos e o vejo nele e em muitos de seus colegas e amigos. Eu me considero um leitor voraz, já que leio um livro por semana, se gosto em cinco dias e se me fisga desde a primeira página em três ou dois dias mesmo. Eu perco a conta de quantas leio por ano, mas cinco seriam motivo de chacota

  5.   Cesar Patiño dito

    Dói muito que o Círculo de Lectores não tenha se adaptado às novas tecnologias. Cresci com ele, meu pai ficou com a revista, sobraram nada menos que dois ou três livros em casa, LP de todos os tipos de música. Obrigado Círculo de Leitores. Você permanecerá na alma daqueles que amam ler e música. Abraço de Bogotá.