O eterno da escrita

a-eterna-da-capa-escrita

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, e em grande medida é verdade ... Há situações que se captam em fotografias que dificilmente se poderiam descrever com palavras ... E friso o “dificilmente”, mas não impossível. Portanto, a partir de situações como essas, eles poderiam diferencie bons escritores de maus.

Bons escritores deixam textos eternos ... Textos que por mais tempo que passem serão sempre lembrados. Porque transmitem sentimentos, transmitem beleza, sabem recriar situações com tal precisão que até uma fotografia poderia causar inveja, ...

Se você pensar um pouco a respeito, certamente encontrará um texto literário de que se lembra. Talvez porque o marcou em uma determinada fase da sua vida, talvez porque foi escrito por um escritor que você admira. Seja qual for o motivo, você tem aqueles textos literários tão profundos, tão memorizados, que se poderia dizer que em você eles sempre serão eternos.

Hoje, quero compartilhar alguns (não todos) dos meus textos eternos ... Certamente muitos de nós coincidem.

Meus textos literários "eternos"

Capítulo 7 de «Amarelinha», Julio Cortázar

Toco a tua boca, com um dedo toco o canto da tua boca, desenho-o como se saísse da minha mão, como se pela primeira vez a tua boca se abrisse um pouco, e só preciso fechar os olhos desfazer tudo e recomeçar, faço a boca que desejo, a boca que minha mão escolhe e desenha no teu rosto, boca escolhida entre todas, com liberdade soberana escolhida por mim para desenhá-la com a mão no teu rosto, e que por um acaso que não procuro entender coincide exatamente com a tua boca que sorri por baixo daquela que a minha mão te desenha.

Você me olha, de perto, você me olha, cada vez mais de perto e então brincamos de ciclope, olhamos cada vez mais de perto e nossos olhos se arregalam, se aproximam, se sobrepõem e os ciclopes se olham, respirando confusos , as bocas se encontram e lutam com ternura, mordendo-se com os lábios, mal pousando a língua nos dentes, brincando nos seus recintos onde entra e sai um ar pesado com um perfume antigo e um silêncio. Então minhas mãos procuram afundar em seus cabelos, acariciando lentamente a profundidade de seus cabelos enquanto nos beijamos como se estivéssemos com a boca cheia de flores ou peixes, com movimentos vivos, com uma fragrância escura. E se nos mordermos, a dor é doce, e se nos afogarmos em uma breve e terrível respiração simultânea, aquela morte instantânea é bela. E há apenas uma saliva e apenas um gosto de fruta madura, e eu sinto você tremer contra mim como uma lua na água.

o-eterno-do-escrito

Rima XXIV "Duas línguas vermelhas de fogo", Gustavo Adolfo Bécquer

Duas línguas vermelhas de fogo
que, ao mesmo tronco conectado,
eles se aproximam, e quando se beijam
eles formam uma única chama;
duas notas que do alaúde
ao mesmo tempo, a mão começa,
e no espaço eles se encontram
e abraçar harmoniosamente;
duas ondas que se juntam
morrer na praia
e que ao quebrar são coroados
com uma pluma prateada;
dois fiapos de vapor
que sobe do lago
e quando se encontra lá no céu
eles formam uma nuvem branca;
duas ideias que brotam juntas,
dois beijos que ao mesmo tempo explodem,
dois ecos que são confusos,
essas são nossas duas almas.

Poema «Amor de minhas entranhas», Federico García Lorca

Amor pelas minhas entranhas, vida longa à morte,
em vão espero sua palavra escrita
e eu acho que, com a flor que murcha,
que se eu viver sem mim, quero perder você.

O ar é imortal. A pedra inerte
nem conhece a sombra nem a evita.
coração interior não precisa
o mel congelado que a lua derrama.

Mas eu sofri com você. Eu rasguei minhas veias
tigre e pomba, na sua cintura
em um duelo de picadas e lírios.

Então preencha minha loucura com palavras
ou deixe-me viver no meu sereno
noite da alma para sempre escura.

Nota em "Flores para Hitler", do recentemente falecido Leonard Cohen

o-eterno-do-escrito-2

Algum tempo atrás, este livro teria se chamado

"SOL PARA NAPOLEÃO"

e antes ainda teria sido chamado

"PAREDES PARA GENGHIS KHAN".

Fragmento de "Perfume", de Patrick Süskind

Foi aqui, no lugar mais fedorento de todo o reino, que Jean-Batiste Grenouille nasceu em 17 de julho de 1738. Foi um dos dias mais quentes do ano. O calor caiu como chumbo derretido sobre o cemitério, espalhando-se pelas ruas adjacentes como uma névoa pútrida que cheirava a uma mistura de melões podres e chifre queimado. Quando as dores de parto começaram, a mãe de Grenouille estava em uma barraca de peixes na Rue aux Fers, escalando albures que ela havia previamente estripado.

Coplas pela morte de seu pai, Jorge Manrique

o-eterno-do-escrito

Lembre-se da alma adormecida

avivar o cérebro e acordar

contemplando como a vida é gasta

como a morte vem,

tão quieto; quão rápido o prazer vai,

como, depois de acordado,

dá dor;

como, em nossa opinião,

qualquer tempo passado,

Foi melhor.

Fragmento de «A insuportável leveza do ser», Milan Kundera

«Se cada um dos momentos da nossa vida se vai repetir infinitas vezes, estamos pregados na eternidade como Jesus Cristo na cruz. A imagem é terrível. No mundo do eterno retorno, o peso de uma responsabilidade insuportável repousa sobre cada gesto. É por isso que Nietzsche chamou a ideia do retorno eterno de o fardo mais pesado. Mas se o eterno retorno é o fardo mais pesado, então nossas vidas podem aparecer, contra esse pano de fundo, em toda a sua maravilhosa leveza.

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

4 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Jose dito

    Eu sabia, quando recebi o email de notificação de uma nova postagem de Carmen, que o artigo seria muito bom, como é de fato. Muito obrigada por este lindo artigo, com admiração diária e de Caracas. (Há algum tempo e muita publicidade na web, muito chato).

    1.    Jose dito

      Eu quis dizer ... há muita publicidade ... saudações

  2.   Juan Carlos Ocampo Rodriguez dito

    Parabéns Distinta senhora das letras. Da Sala de Leitura (Pnsl) Veracruz 500 anos, saudações, agradecimentos, elogios e motivação por seus escritos.
    Bem-vindo a Veracruz, Ver.
    Repito-me à correspondência de suas belas atenções.

  3.   LUIS ARMANDO TORRES CAMACHO dito

    como eu sei desde criança, isso foi dito por um filósofo chinês

bool (verdadeiro)