As novas gerações lêem menos?

As novas gerações lêem menos?

As novas gerações lêem menos?

Em primeiro lugar, é preciso ter clareza sobre os critérios para classificar o intervalo de cada geração de acordo com a idade das pessoas. A categorização mais aceita hoje indica a existência de três grandes grupos geracionais: geração X (nascida entre 1960 e 1979), geração Y ou a Millennials (nascido entre 1980 e 1995) e geração Z (nascido depois de 1995).

Claro, não é uma consideração capaz de deixar todos felizes. Alguns especialistas em psicologia insistem em agregar a um novo grupo: a geração T, no que diz respeito às pessoas nascidas após 2010. Portanto, é necessário examinar as características comuns de cada geração para responder à questão inicial. «As novas gerações lêem menos?» A coisa mais fácil seria intuir que a resposta é "Sim, eles lêem menos", mas…

As Millennials consulte Mais informação

Aparências enganam. Seria muito fácil acreditar que a Geração X, ou mesmo a chamada baby boomer (nascido entre 1946 e 1959) tem maior predileção pela leitura, mas não é assim. Apesar Millennials tornaram-se a primeira geração hiperconectada pela internet, com elevados valores éticos e sociais, não abandonaram os livros físicos para substituí-los por textos digitais.

Pelo contrário, de acordo com estudo publicado pela O Editor Especialista dos Estados Unidos, durante 2019, 80% do Millennials ler um livro em qualquer formato, dos quais até 72% lêem um exemplar impresso. A mesma postagem afirma que os Millennials Os americanos leem em média cinco livros por ano. Além disso, na hora de adquiri-los não conhecem tanto o autor quanto o design, o preço e a capa.

Além disso, a geração Y incorporou a leitura online como um elemento diário de sua vida (Independent, 2016). Isso não é estranho, há bibliotecas digitais com muito material e que podem ser consultadas gratuitamente. Consequentemente, a leitura semanal média - naqueles Millennials nascido na América Latina, por exemplo - ultrapassa facilmente as 6 horas semanais. Embora portais como o Amazon não relatem uma queda significativa nas vendas de livros impressos, a Geração Z poderia modificar radicalmente essa preferência.

Por que a Geração Z pode dar o impulso máximo para o mercado de livros digitais?

De uma forma muito simples: os nascidos depois de 1995 são claramente mais tecnológicos. Da mesma forma, mostram um maior envolvimento com as questões ecológicas. Por consequência, Indivíduos da Geração Z tendem a ver a impressão de livros como uma atividade dispensável, desnecessário, contrário à preservação da natureza.

Não vamos generalizar

Mas Isso não significa em nenhuma circunstância que os membros da Geração Z leiam menos em comparação com outras gerações. Não. Bem, por ter um número maior de provedores de mídia de informações atualizadas, o "Z-gen" pode gastar muito tempo consumindo informações ... claro, outra coisa é se eles têm um critério bem formado para distinguir os veracidade do conteúdo.

Redes e seus efeitos

O fenômeno das redes sociais tem acentuado essa tendência graças à sua capacidade de conectar pessoas com interesses comuns, o que favorece uma maior troca de informações. Então, livros digitais ou e-book provavelmente será o formato preferido dos leitores de 2020 em diante. Além disso, será o momento em que os nascidos após 1995 terão uma idade mais relevante a nível comercial. Bem, embora seja necessário limitar que o livro físico continua a superar o digital em termos de vendas e gostos.

Geração T

Quanto à geração T, é muito cedo para determinar quais serão os hábitos de leitura dos seres humanos nascidos após 2010. Da mesma forma, é muito difícil decifrar qual será o impacto comercial desse grupo no comércio de livros. Estes são os indivíduos que "nasceram com um dispositivo de toque debaixo do braço", catalogado por meio de algoritmos elaborados para agrupar gostos e preferências (Links - DW, 2019).

Por fim, é necessário levar em consideração (de acordo com o portal BBVA, 2018) que A Geração T possui desde 2016 mais de 80% dos bebês com presença na Internet. Inclui as imagens dos filhos nas redes sociais dos familiares, bem como os seus próprios perfis geridos pelos pais. Por isso, o mundo analógico é todo um universo desconhecido para eles ... enquanto a hiperconexão é um aspecto "comum e atual".


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Javier dito

    Bom post. Os dados, principalmente dos EUA, suponho que possam ser extrapolados para a UE. É verdade que lêem mais, mas com que qualidade?
    A facilidade de autopublicação levou a milhares de títulos e novos autores que aproveitam a atração. No mercado dá para perceber a má qualidade da edição, dos designs, das correções e tudo deixa muito a desejar.
    Eu acho que dá para outro artigo. Vamos torcer para que isso acabe. Saudações.