Nossa seleção dos 10 melhores livros do ano 2018.

2018 acabou, mas nos deixa muitos romances excelentes que valem a pena ler.

2018 acabou, mas nos deixa muitos romances excelentes que valem a pena ler.

Terminamos o ano com um seleção dos dez melhores livros de 2018, que realmente deve se chamar, os dez livros que mais chamaram a nossa atenção neste ano que nos deixa. Escolhemos dez, embora devêssemos ter escolhido o dobro. Metade teria sido muito difícil para mim.

Como sempre, Eles não são todos os que são, mas são todos os que são. Qualquer um deles, uma ótima escolha, você só tem que escolher o gênero que mais gosta. A história vai corresponder a isso.

A bruxa por Camila Lackberg. Ed. Maeva.

Décima parcela da série Os crimes de Fjällbacka.

O desaparecimento de Linnea, uma menina de quatro anos, de uma fazenda nos arredores de Fjällbacka, desperta memórias trágicas. Trinta anos antes, o rastro de outra garota, Stella, se perdeu na mesma fazenda, que logo foi encontrada morta. Em seguida, dois adolescentes foram acusados ​​de seu sequestro e assassinato, julgados e considerados culpados, mas evitaram ir para a prisão por serem menores.

Uma delas viveu pacificamente em Fjällbacka, a outra, uma atriz de sucesso, retorna pela primeira vez após o evento para interpretar Ingrid Bergman em um filme a ser rodado na região.

Moradores de Fjällbacka se organizam para procurar Linnea, e quando eles finalmente a encontram, morta, perto da lagoa onde o corpo da outra garota foi encontrado décadas atrás, eles se perguntam com medo se outras garotas podem estar em perigo.

Embora Patrik acredite que a verdade sempre encontra seu caminho, apesar de rumores e superstições, ele e seus colegas na delegacia investigam a conexão entre os dois casos.

Para isso contarão com a ajuda de Erika, que já há algum tempo trabalha em um livro sobre o assassinato daquela garota, aparentemente resolvido há anos.

As filhas do capitão por María Dueñas quando tivermos a informação. Ed. Planet.

Nova York, 1936. A pequena casa de comida El Capitán inicia seu percurso na Rua XIV, um dos enclaves da colônia espanhola que então residia na cidade. A morte acidental de seu dono, o tarambana Emilio Arenas, obriga suas indomáveis ​​filhas de vinte e poucos anos a assumirem o negócio, enquanto o tribunal resolve a cobrança de uma promissora indenização. Abatidas e atormentadas pela necessidade urgente de sobreviver, as temperamentais Victoria, Mona e Luz Arenas lutarão por arranha-céus, compatriotas, adversidades e amores, determinadas a transformar um sonho em realidade.

Com uma leitura tão ágil e envolvente quanto comovente, As filhas do capitão desdobra a história de três jovens espanholas que foram forçadas a atravessar um oceano, instaladas em uma cidade deslumbrante e lutaram bravamente para encontrar seu caminho. Uma homenagem às mulheres que resistem quando os ventos sopram contra ela e uma homenagem a todas aquelas pessoas valentes que viveram - e vivem - a aventura, muitas vezes épica e quase sempre incerta, da emigração.

O dia em que o amor se perdeu por Javier Castillo quando tivermos a informação. Ed. Sum.

À meia-noite de 14 de dezembro, uma jovem machucada aparece nua nas instalações do FBI em Nova York. O inspetor Bowring, chefe da Unidade de Criminologia, tentará descobrir o que esconde uma nota amarelada com o nome de uma mulher que horas depois aparece decapitada em um campo. A investigação o mergulhará totalmente em uma trama em que destino, amor e vingança se entrelaçam em uma história horrível que está ligada ao desaparecimento de uma garota vários anos antes e cujo paradeiro ele nunca poderia descobrir.

 Patria por Fernando Aramburu quando tivermos a informação. Editores do Tusquets.

Prêmio Nacional de Narrativa

Prêmio da crítica narrativa

Prêmio Francisco Umbral para o Livro do Ano

No dia em que o ETA anuncia o abandono das armas, Bittori vai ao cemitério para contar ao túmulo do marido, Txato, morto pelos terroristas, que decidiu regressar à casa onde viviam. Será que ela conseguirá viver com aqueles que a assediaram antes e depois do ataque que interrompeu sua vida e a de sua família? Será que ela saberá quem era o encapuzado que matou seu marido em um dia chuvoso, quando ele voltava de sua empresa de transportes? Por mais sorrateira que seja, a presença de Bittori alterará a falsa tranquilidade da cidade, especialmente de seu vizinho Miren, outrora amigo próximo e mãe de Joxe Mari, uma terrorista presa e suspeita dos piores temores de Bittori. O que aconteceu entre essas duas mulheres? O que envenenou a vida de seus filhos e de seus maridos unidos no passado? Com suas lágrimas ocultas e convicções inabaláveis, com suas feridas e sua bravura, a história incandescente de suas vidas antes e depois da cratera que foi a morte de Txato, fala-nos da impossibilidade de esquecer e da necessidade de perdão em uma comunidade quebrada pelo fanatismo político.

Talion pontuado por Santiago Díaz Cortés quando tivermos a informação. Ed. Planet.

O que você faria se tivesse apenas dois meses de vida?

Marta Aguilera, jornalista comprometida com seu ofício, recebe notícias que mudarão seu destino: um tumor ameaça sua saúde e ela tem apenas dois meses de vida. Sem nada a perder e sem ninguém a quem responder, Marta sente que a realidade é um lugar ameaçador e decide ocupar o tempo que lhe resta ensinando JUSTIÇA.
Em uma corrida contra o tempo por sua própria vida e contra a inabalável inspetora Daniela Gutiérrez, Marta Aguilera tentará aplicar sua lei particular de retaliação.

Ótimos livros de 2018 para ler em 2019.

Ótimos livros de 2018 para ler em 2019.

Eu, julia pontuado por Santiago Posteguillo. Ed. Planet.

Prêmio Planeta 2018 com romance feminista ambientado no Império Romano.

192 DC Vários homens lutam por um império, mas Julia, filha de reis, mãe de Césares e esposa do imperador, pensa em algo maior: uma dinastia. Roma está sob o controle de Commodus, um imperador louco. O Senado está conspirando para acabar com o tirano e os governadores militares mais poderosos podem dar um golpe: Albino na Grã-Bretanha, Severo no Danúbio ou Negro na Síria. Confortável segura suas esposas para evitar sua rebelião e Julia, esposa de Severo, torna-se assim refém.

De repente, Roma arde. Um incêndio assola a cidade. É um desastre ou uma oportunidade? Cinco homens se preparam para lutar até a morte pelo poder. Eles acham que o jogo está prestes a começar. Mas para Julia o jogo já começou.

Ele sabe que só uma mulher pode formar uma dinastia.

Nos tempos de ódio por Rosa Montero quando tivermos a informação. Seix Barral.

Terceira parcela da série Bruna Husky. Prêmio Nacional de Literatura.

Independente, insociável, intuitiva e poderosa, a detetive Bruna Husky tem apenas um ponto vulnerável: seu grande coração. Quando o Inspetor Lizard desaparece sem deixar rastros, o detetive sai em uma busca desesperada e cronometrada pelo policial. Sua pesquisa a leva a uma colônia remota dos Novos Antigos, uma seita que nega a tecnologia, além de traçar as origens de uma teia negra de poder que remonta ao século XVI. Enquanto isso, a situação mundial está se tornando cada vez mais convulsionada, a tensão populista aumenta e a guerra civil parece inevitável.
Bruna terá que enfrentar seu maior medo, a morte, em uma história que é um retrato preciso e deslumbrante dos tempos em que vivemos.
Os Tempos do Ódio é um romance intenso e de ação acelerada, em que os grandes temas de Rosa Montero estão presentes: a passagem do tempo, a necessidade dos outros de fazer a vida valer a pena, a paixão como rebelião contra a morte, os excessos do poder e o horror dos dogmas.

O caçador de cogumelos por Long Litt Woon. Ed. Maeva.

Após a inesperada morte de seu marido, Long Litt Woon descobre o maravilhoso mundo dos cogumelos e se junta aos Mushroom Pickers, um grupo dedicado ao estudo e coleta. Nessas memórias, ele também se aventura em uma jornada pessoal de autoconhecimento e superação da dor. Long conta uma história tão positiva quanto dolorosa, e faz com que o leitor entre em sua busca pessoal e a sinta como sua. O autor não só mostra os cogumelos como alimento ou veneno perigoso, mas também explica sua história e importância cultural. O encontro entre os cogumelos e o seu processo de luto pessoal irá desencadear mudanças profundas na sua vida e dar-lhe um novo significado e uma nova identidade.

Ordesa por Manoel Vilas. Ed. Alfaguara.

Melhor livro do ano segundo Babelia (El País)
Livro recomendado por La Esfera (The World)
Prêmio Artes Literárias e Letras (El Heraldo)

Um romance sobre como juntar nossas peças quebradas para entender quem somos.

Uma leitura íntima da história recente da Espanha.

A realidade e a ficção se misturam neste romance escrito com uma voz corajosa e transgressora que nos conta uma história verdadeira e difícil na qual todos podemos nos reconhecer.

Das lágrimas às vezes, e sempre da emoção, Vilas fala-nos de tudo o que nos torna vulneráveis, da necessidade de nos levantarmos e seguirmos quando não parece possível, quando quase tudo o que nos unia aos outros desapareceu ou o rompemos. . É então que o amor e uma certa distância - também aquela que a ironia nos permite - podem nos salvar.

Uma educação por Tara Westover. Ed. Lumen.

Melhor livro do ano pelo New York Times.

Melhor livro do ano pela Amazon.

Nascida nas montanhas de Idaho, Tara Westover cresceu em harmonia com uma grande natureza e se curvou às leis estabelecidas por seu pai, um mórmon fundamentalista convencido de que o fim do mundo é iminente. Nem Tara nem seus irmãos vão à escola ou vão ao médico quando estão doentes. Todos trabalham com o pai e a mãe é curandeira e a única parteira na área.

Tara tem um talento: cantar e uma obsessão: saber. Põe os pés em uma sala de aula pela primeira vez aos dezessete anos: não sabe que houve duas guerras mundiais, mas também não sabe a data exata de seu nascimento (não tem documentos). Ele logo descobre que a educação é a única maneira de escapar de casa. Apesar de começar do zero, ele reúne forças para se preparar para o vestibular, cruzar o oceano e se formar em Cambridge, mesmo que precise romper os laços com sua família para isso.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

3 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Alfredo Doors dito

    a sério? Ordesa de Manuel Vilas, é a pior que li este ano. Parece incrível que você se deixe influenciar pela autopromoção que as editoras dão a alguns de seus livros. Que uma campanha de marketing não influencia sua leitura.

    1.    Ana Lena Rivera Muniz dito

      Olá Alfredo:
      Sempre que uma lista é feita, é uma seleção pessoal, e já sabes que em relação a gostos e opiniões são todos igualmente válidos ... Se fizermos a prova e pedirmos a 100 pessoas do sector para fazerem esta lista, terás 100 listas diferentes, e cada uma pensará que as outras 99 têm muitos livros e estão faltando. Graças aos tempos em que vivemos, existe tanta literatura que todos podemos escolher de acordo com as nossas preferências. Obrigado por nos ler, por dar a sua opinião e por partilhar: Feliz Ano Novo! Ana Lena.

  2.   Xisca Tous dito

    Dos 10 que selecionei, houve um: «Pàtria», mas a re-coleta de tote totes. É uma obra-prima, é ótimo por causa da perspectiva sete poliédrica e universal. Os livros D'aquest não serão usados ​​para escrever molts, mas serão muito.