Ninguem conhece ninguem

Frase de Juan Bonilla

Frase de Juan Bonilla

Em 1996, Ediciones B publicou Ninguem conhece ninguem, segundo romance do escritor, jornalista e tradutor espanhol Juan Bonilla. Três anos depois, o título foi levado ao cinema sob a direção de Mateo Gil com elenco encabeçado por Eduardo Noriega, Jordi Mollá e Paz Vega. Mais tarde, Seix Barral lançou uma nova versão do livro com o nome ninguém contra ninguém (2021).

A novela, nas palavras de seu criador, é uma homenagem à cidade de Sevilha. O protagonista da história é Simón Cárdenas, um jovem universitário que se dedica a fazer palavras cruzadas em um jornal sevilhano para ganhar a vida. Essa abordagem inicial aparentemente branda esconde uma dinâmica —um tanto atropelada pela escassez de sinais de pontuação— e muito empolgante.

Análise e resumo de Ninguem conhece ninguem

Contexto e abordagem inicial

Bonilla situa a história em Sevilha, uma semana antes das feiras da Semana Santa de 1997.. É importante notar que o autor de Cádiz publicou o romance em 1996, portanto, a ambientação antecipa algumas das construções vistas no futuro. Por exemplo, alude-se ao metro da cidade, embora o sistema ferroviário urbano tenha sido inaugurado a 2 de abril de 2009.

O personagem principal do romance é Simão Cárdenas, um estudante universitário de Filologia na Universidade de Sevilha que você quer se tornar um escritor. Não obstante, que a aspiração ao emprego é inicialmente uma ilusão, pois deve se contentar em fazer palavras cruzadas em um jornal lugar para sustentar. Além disso, possui boa formação acadêmica e mantém relacionamento estável com a namorada.

Folga Ninguém Conhece Ninguém
Ninguém Conhece Ninguém
Sem classificações

desenvolvimento

O protagonista divide um apartamento com Javierum menino obeso apelidado de "sapo" devido a uma malformação na garganta que o faz emitir um som semelhante ao coaxar dos anfíbios. Da mesma forma, o parceiro de Simon é altamente inteligente, ele gosta de mostrar seu humor negro e seu sarcasmo mordaz. Esta é provavelmente a melhor maneira de ele lidar com suas deficiências físicas.

Um trabalho que beira a frustração e uma vida cheia de monotonia fizeram de Cárdenas uma pessoa insatisfeita. Não obstante, o cotidiano anódino termina com a chegada de uma estranha mensagem na secretária eletrônica. A carta em questão indica ao protagonista que deve incluir a palavra "harlequins" no próximo jogo de palavras cruzadas.

Ameaças e ataques

Simão duvida a um pedido tão estranho, mas a recorrente não demora a lançar ameaças disfarçadas a pessoas próximas da protagonista (parentes, namorada, colega de quarto). Consequentemente, o medo prevalece na mente de Cárdenas...

Pouco depois da publicação das palavras cruzadas com a palavra "harlequines", eventos assustadores começam a ocorrer em Sevilha. Entre esses terríveis acontecimentos está o ataque com gases asfixiantes a uma estação de metrô, deixando um elevado número de mortos e feridos. Nesse ponto, o protagonista percebe que está imerso contra sua vontade em uma trama horrível.

Para piorar, a cidade transborda de fiéis e turistas na véspera da Semana Santa.

Semelhanças e diferenças entre o livro e o filme

Texto e longa-metragem coincidem no cerne da trama: o tempo urge e Simón deve resolver a identidade da causa dos ataques. Caso contrário, muitas pessoas podem morrer, começando por ele mesmo. Conforme a ação avança, o protagonista se sente mais angustiado pela sensação de não saber em quem confiar e pelo peso enorme de cada uma de suas decisões.

Por outro lado, enquanto o filme é um suspense ação, o livro é mais um thriller psicológico. Consequentemente, o romance escrito é muito mais introspectivo, denso, cheio de monólogos e mais lento em comparação com o longa-metragem. Outro contraste notável é o tempo: a prosa se passa nos dias que antecedem a Semana Santa, enquanto o filme se passa no meio da semana santa.

Sobre o autor, Juan Bonilla

John Bonilla

John Bonilla

Juan Bonilla nasceu em Jerez de la Frontera, Cádiz, Espanha, em 11 de agosto de 1966. Deve-se notar que ele nunca se dispôs a falar sobre si mesmo quando foi entrevistado. Por esse motivo, não há muitos dados biográficos publicados sobre o escritor. Mais, ocasionalmente, ele revelou que era um jovem interessado em outros autores que não os estudados no ensino fundamental e no ensino médio.

Assim, desde a adolescência "absorveu-se" de escritores como Jorge Luis Borges, Vladimir Nabokov, Fernando Pessoa, Charles Bukowski, Herman Hesse ou Martín Vigil, entre outros. Claro, a curiosidade do jovem Bonilla por escritores de outras latitudes não o impediu de explorar profundamente as cartas de vários dos mais destacados escritores espanhóis dos séculos XIX e XX. Entre eles:

  • Benito Perez Galdos;
  • Miguel de Unamuno;
  • Juan Ramón Jiménez;
  • Dâmaso Alonso;
  • Gustavo Suárez;
  • Francisco Limiar;
  • Agustín Garcia Calvo.

Carreira literária

Juan Bonilla é formado em Jornalismo (ele se formou em Barcelona). Ao longo de 28 anos de carreira literária, o autor ibérico publicou seis livros de contos, sete romances e sete ensayos. Além disso, o homem de Jerez destacou-se como editor e tradutor. Nesta última vertente traduziu personalidades como JM Coetzee, Alfred E. Housman ou TS Eliot, entre outros.

Adicionalmente, Bonilla foi descrito como um poeta existencialista e irônico com bom senso de humor. As referidas marcas são palpáveis ​​nos seis livros de poesia que levam a sua assinatura até à data. Atualmente, o escritor espanhol é coordenador da revista Zut, além de colaborador regular em O cultural de El Mundo e o portal Anotar.

A narrativa de Juan Bonilla

O primeiro longa de Bonilla, Aquele que apaga a luz (1994), foi um texto de contos muito elogiado pela crítica e pelo público. Esse sucesso continuou com os romances Ninguem conhece ninguem (1996) príncipes núbios (2003) y Proibido entrar sem calças. Este último ganhou o Prêmio Bienal de Novela Mario Vargas Llosa e foi escolhido por Escudeiro como um dos dez livros da década de 2010.

Sobre suas atuais motivações literárias, Bonilla afirmou o seguinte em uma entrevista com Carlos Chávez e Almudena Zapatero em 2011:

“A única literatura capaz de agitar ou ter certos resultados sociais é a literatura juvenil. Mas este é o que é mais orientado. Nesse sentido o literatura juvenil É muito importante: é por isso que tanta literatura desse tipo é escrita agora, mas quase toda ela segue as diretrizes propostas por quem projeta de cima. Alguém diz o que as crianças precisam e está escrito. Até o momento que surge algo que vai contra aquele desígnio e aí eles proíbem”.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.