Miguel Hernandez. 110 anos de um poeta imortal. Seleção de poemas

dom Miguel Hernández nasceu em Orihuela atrás Anos 110 um dia como hoje. Um dos maiores e essenciais poetas da literatura espanhola nos deixou muito cedo e muito jovens. Este ano também foi o 75º aniversário de sua morte em 1942 de tuberculose. Mas todo dia 30 de outubro celebramos novamente que é nosso, que escreveu em nossa bela língua e que nos deixou um legado dos mais belos versos que pode ser encontrado.

Guerras tristes, Diaristas, Última música, Cebola nana, As mãos… São tantos e tão bons. Vale a pena este simples homenagem a sua figura e arte lembrando parte de seu trabalho com um seleção dos meus versos e poemas favoritos. 

Miguel Hernandez Gilabert

Nasceu em Orihuela em 30 de outubro de 1910 e ele também era um dramaturgo além de ser poeta. Era de um família humilde e ele teve que abandonar a escola mais cedo para trabalhar como pastor. Mas foi um grande leitor de poesia clássica (Garcilaso, Góngora, Quevedo ou San Juan de la Cruz) e assim encontrou sua inspiração e habilidade para a poesia.

Era de 1930 quando isso começou publicar sua poesia em revistas como A cidade de Orihuela Dia de Alicante. Naquela década ele foi para Madri e também colaborou em diversas publicações, o que lhe permitiu interagir com mais poetas da época. Quando Orihuela voltou, ele escreveu Especialista em luasonde se pode ver a influência dos autores que leu na infância e daqueles que conheceu naquela viagem a Madrid.

Quando voltou a Madrid para se estabelecer, trabalhou como editor no Dicionário de touradas de Cossío e no Missões pedagógicas marcado por Alejandro Casona. É nesses anos que ele escreveu poemas como O apito violado Imagem da sua pegada, e o mais conhecido O raio que nunca para.

Durante a guerra civil composto Vento da aldeia y Homem espreita, títulos do que veio a ser chamado de "poesia de guerra". Depois da luta, tentou sair da Espanha, mas foi preso na fronteira com Portugal. Seu sentença de morte no início foi comutado para o de trinta anos. Na prisão acabou Songbook e baladas de ausências. Mas ele enjoou de tuberculose e morreu em 28 de março, 1942 na prisão de Alicante.

Seleção de versos

Cebola nana

Talvez de seus poemas mais bonitos e chocantes que o poeta escreveu na prisão em resposta à carta de sua esposa. Tinham perdido o primeiro filho um ano antes e ela lhe disse que naquela época só comia pão e cebola.

Cebola é geada
fechado e pobre.
Geada de seus dias
e das minhas noites.
Fome e cebola,
gelo preto e geada
grande e redondo.

No berço da fome
meu filho era.
Com cebola sangue
amamentado.
Mas seu sangue
coberto com açúcar,
cebola e fome.

Uma mulher morena
resolvido na lua
fio por fio é derramado
sobre o berço.
Ria, criança,
que eu te trago a lua
quando necessário.

Cotovia da minha casa,
rir muito.
É a sua risada nos seus olhos
a luz do mundo.
Rir muito
que minha alma te ouça
espaço de batida.

Sua risada me liberta
isso me dá asas.
Solidões me levam embora,
a prisão me leva embora.
Boca que voa,
coração que está em seus lábios
flashes. […]

Oliveiras

Andaluzes de Jaén,
oliveiras altivas,
diga-me na minha alma: quem,
quem criou as oliveiras?

Eles não foram criados por nada,
nem o dinheiro, nem o senhor,
mas a terra tranquila,
trabalho e suor.

Unido à água pura
planetas já unidos,
os três deram a beleza
dos troncos torcidos.

Levanta-te, oliveira cinza,
disseram ao pé do vento.
E a oliveira levantou a mão
base poderosa. […]

A criança da noite

Rindo, claramente zombando do dia,
a criança que eu queria ser duas vezes afundou na noite.
Eu não queria mais a luz. Para que? Não iria sair
mais desses silêncios e essas tristezas.

Eu queria ser ... para quê? ... Eu queria chegar alegre
para o centro da esfera de tudo o que existe.
Queria trazer o riso como a coisa mais linda.
Eu morri sorrindo serenamente triste.

Criança duas vezes criança: três vezes por vir.
Role de volta para aquele mundo opaco da barriga.
Afasta-te, amor. Afasta-te, criança, porque não quero
sai onde a luz encontra a sua grande tristeza. […]

Canção do marido soldado

Eu povoei sua barriga com amor e semeadura,
Prolongei o eco do sangue ao qual respondo
e eu espero no sulco como o arado espera:
Eu cheguei ao fundo

Morena com torres altas, luz alta e olhos altos,
esposa da minha pele, grande bebida da minha vida,
seus seios loucos crescem em minha direção pulando
corça concebida.

Já me parece que você é um cristal delicado,
Eu temo que você vai me quebrar ao menor tropeço,
e reforce suas veias com minha pele de soldado
como a cerejeira.

Espelho de minha carne, sustento de minhas asas,
Eu te dou vida na morte que eles me dão e eu não tomo.
Mulher, mulher, quero-te rodeada de balas,
ansiava por chumbo. […]

Boca

Boca que arrasta minha boca:
boca que você me arrastou:
boca que você vem de longe
para me iluminar com raios.

Alba que você dá às minhas noites
um brilho vermelho e branco.
Boca povoada por bocas:
pássaro cheio de pássaros
Canção que devolve as asas
para cima e para baixo.
Morte reduzida a beijos
com sede de morrer lentamente,
você dá para a grama sangrando
duas abas brilhantes.
O lábio acima do céu
e a terra o outro lábio.

Beijo que rola na sombra:
beijo rolante
do primeiro cemitério
até as últimas estrelas.
Astro que tem sua boca
mudo e fechado
até um toque azul claro
faz vibrar suas pálpebras. […]

Eu chamo o touro da Espanha

Levante-se, touro da Espanha: levante-se, acorde-se.
Acorde completamente, touro de espuma negra,
que você respira a luz e escoa a sombra,
e você concentra os mares sob sua pele fechada.

Acordar

Acorde completamente, eu vejo você dormindo,
um pedaço do peito e outro da cabeça:
que você ainda não acordou como um touro acorda
quando ele é atacado com traições de lobo.

Levante-se.

Inspire seu poder, desdobre seu esqueleto,
levante sua testa com os machados retumbantes,
com as duas ferramentas para assustar as estrelas,
para ameaçar o céu com chifres de tragédia.

Mancha-me.

[...]

Fonte da biografia: Instituto Cervantes


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.