Meu pai alemão: Ricardo Dudda

meu pai alemão

meu pai alemão

meu pai alemão, finalista do II Prêmio de Não-Ficção Libros del Asteroide, é uma biografia ensaística escrita pelo jornalista e escritor espanhol Ricardo Dudda. A obra foi publicada pela editora Libros del Asteroid em 11 de setembro de 2023, conseguindo se posicionar não apenas como um dos livros mais interessantes do ano, mas também como referência para pesquisas familiares.

Este último tornou-se uma tendência nos textos autobiográficos, que, para serem credíveis, requerem árdua pesquisa e reflexão consciente. Ricardo Duda se destaca em ambos os aspectos, e apresenta as memórias de seu pai, sua família e ele mesmo como o chef de um prato gourmet. meu pai alemão É uma história atraente, mas, simplesmente tudo, honesto.

Sinopse de meu pai alemão

Como trançar todas as histórias

Todas as pessoas, pelo menos uma vez, Eles tiveram uma daquelas longas conversas com os pais em que surgem lembranças do passado, fotografias de família, certidões de nascimento, árvores genealógicas, entre lembranças. Ricardo Dudda conhecia bem essas conversas mágicas, de onde surgiram questões que deram origem às anedotas mais surpreendentes.

A curiosidade do autor pela vida de seu pai começou muito antes de escrever este livro.. No ensino médio, ele já havia trabalhado nisso, mas precisava saber mais para entender o pai. Anos depois, no presente, surge a ideia de uma biografia, um compêndio de lembranças composto por pequenas notas, notas, reflexões e resumos.

Em um país antigo que não existe mais

Ricardo Dudda conduz uma excelente entrevista e, por meio da investigação, reconstrói a infância e a juventude de seu pai, que foi obrigado a permanecer nos campos de nitração nazistas por dez anos. Mais tarde, Ele teve que deixar sua casa na Prússia quando a Segunda Guerra Mundial terminou.. Junto com a história biográfica, o autor se esforça para retratar a sociedade do século XX.

Por si só, isto implica falar de um sem número de situações sombrias, como as consequências da guerra e das turbulências que abalaram grande parte do Ocidente nos últimos tempos. El conflito bélico e sua evolução são usados ​​sabiamente como pano de fundo, enquanto Ricardo Dudda conta a complicada e comovente história de seu antecessor.

Muito mais que um pai

Ricardo Dudda alude à distância temporal que existe entre ele e o pai, cinquenta e dois anos mais velho que ele. Essa margem permite ao escritor se distanciar um pouco do pai e contar sua história da forma mais sincera possível. De modo fala sobre como esse homem tem apoiado outras pessoas e tem amado mulheres que não eram sua mãe encontrando neles o verdadeiro afeto.

Do mesmo modo, menciona outras senhoras que o senhor abandonou, bem como aquelas que o abandonaram. O livro remonta à infância do pai de Dudda, detalhando anedotas sobre os avós do autor, que ele próprio nunca conheceu. Ao mesmo tempo, descreve cenários prussianos, dos quais sente falta graças às conversas com o pai.

O fio condutor do livro

Por mais absorvente que seja a narrativa do autor sobre a guerra, os trechos mais encantadores – assim como o eixo central da trama – são dominados pelas conversas que o escritor mantém com seu pai, Gernot, em El Hoyo, a casa ao lado da praia em Cabezo de Torres, Múrcia, local onde este último reside há alguns anos. O curioso do texto é a forma como está estruturado.

En meu pai alemão o passado e o presente se misturam através de ensaios e reflexões, tudo isso através das confissões de Gernot. É aqui que o escritor tem o dever de organizar as peças do quebra-cabeça para que os leitores tenham todo o espectro dos fatos. Da mesma forma, as fotografias antigas desempenham um papel muito importante quando as pessoas nelas contidas se tornam protagonistas da história.

Estilo narrativo da obra

Pode ser o que gera mais confiança no leitor em relação meu pai alemão é dele mesmo estilo narrativo por Ricardo Duda. Isso é apresentado com calma, com toques de humor no momento certo, como aquele em que o autor admite sentir-se indefeso diante da língua nativa dos pais, apesar de já conhecê-la antes mesmo de aprender a falar. Disto resulta uma espécie de indefesa diante da comunicação.

Esses momentos causam ternura, e são perfeitamente complementados por aqueles em que Dudda aborda temas mais delicados, não só sobre a sociedade em que seu pai cresceu, mas também sobre as experiências, segredos, defeitos e comportamentos repreensíveis mais arraigados de Gernot. Neste sentido, É notável como o autor abandona seus preconceitos e se torna um contador de histórias a serviço do público.

Sobre o autor, Ricardo Dudda

Ricardo Dudda nasceu em 1992, em Madrid, Espanha. Apesar da pouca idade, tem colaborado em algumas das publicações mais famosas do seu país natal, bem como em portais internacionais. Como jornalista, trabalhou como editor e redator da revista cultural Cartas grátis. Em conjunto, foi colunista de O Objetivo, como em El País, onde tem participação recorrente há cinco anos.

Atualmente ele escreve fóruns para El Mundo. Igualmente, emprestou sua caneta para criar artigos sobre opinião, política, sociedade e cultura em Ética, Revista Livro, Nova Sociedade, Playground e outras publicações. A atuação em todos esses meios o levou a escrever os livros pelos quais é mais conhecido hoje, o que lhe conferiu um lugar na lista dos grandes autores contemporâneos e serviu de inspiração para criadores inexperientes.

Outros livros de Ricardo Dudda

  • A verdade da tribo: o politicamente correto e seus inimigos (2019).

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.