Melhores livros feministas de todos os tempos

25 frases de escritoras

Em 8 de março de 2018 foi Dia Internacional da Mulher, mas não mais um. Um dia que reuniu todas as mulheres do mundo em busca de uma igualdade que, apesar de se aproximar, ainda sofre em muitos aspectos e direitos. Estes a seguir melhores livros feministas de todos os tempos junte-se à causa para descobrir grandes e corajosas histórias.

Os melhores livros feministas da história

The Handmaid's Tale, de Margaret Atwood

O conto da serva de Margaret Atwood

Graças à série recomendada do Hulu estrelando Elizabeth Moss, o mundo redescobriu um dos grandes livros feministas e distópicos das últimas décadas. Lançado em 1985 com grande sucesso de crítica e best-seller, The Handmaid's Tale, da canadense Margaret Atwood, nos leva a um futuro em que a infertilidade leva uma sociedade totalitária a usar mulheres como escravas para perpetuar a vida da humanidade. Magro e duro, o romance se tornou uma referência da onda feminista.

Um Quarto Próprio, de Virginia Woolf

Quarto próprio de Virginia Woolf

Virginia Woolf foi um dos as primeiras escritoras a defender o movimento feminista em uma década como a de 20 em que o direito das mulheres de votar na Inglaterra daria início a uma revolução apoiada por obras como A Room to Write. O ensaio, composto de várias palestras proferidas por Woolf no final de 1928 na Universidade de Cambridge, defende a independência econômica e ideológica das mulheres para que ela possa se realizar e ter tempo para se desenvolver artisticamente.

The Color Purple por Alice Walker

A cor roxa de Alice Walker

Adaptado em 1985 por Steven Spielberg no famoso filme estrelado por Whoopi Goldberg, Cor roxa vindica a liberdade de escravos e mulheres. Situado no início do século XNUMX, o romance segue os passos de Celie, uma jovem que engravida do pai e é vendida a um homem que a abusa física e psicologicamente, mantendo-a separada da irmã. O romance de Alice Walker ganhou o Prêmio Pulitzer em 1983, tornando sua autora uma das grandes embaixadoras das letras feministas nos últimos anos.

Devíamos ser todas feministas, por Chimamanda Ngozi Adichie

Devemos ser todas feministas por Chimamanda Ngozi Adichie

durante o TED Discussão que a nigeriana Ngozi Adichie convocou em 2013, a definição de feminismo mudou para sempre. Um depoimento coletado meses depois em Devemos todas ser feministas, um ensaio curto e ágil em que a autora de obras como Americanah nos fala sobre sua visão de igualdade, aquele em que o sexo oposto não é degradado e a mulher pode continuar a ter os mesmos direitos que o homem que usa seus melhores saltos. Um dos melhores livros feministas dos últimos anos.

Você gostaria de ler Todos nós devemos ser feministas?

O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Segundo sexo de Simone de Beauvoir

Após sua publicação em 1949, este ensaio se tornou um sucesso, transcendendo como um dos livro distintivo de feminismo. Ao longo de suas páginas, Simone de Beauvoir reflete sobre a natureza da mulher e como sua imagem atual nasce de sua projeção perante a sociedade. A base perfeita para analisar as diferenças entre homens e mulheres, incentivando estas últimas a recuperarem os seus critérios e serem o tipo de pessoa que outrora desejaram.

Lee O segundo sexo.

The Bell Jar, de Sylvia Plath

Redemoinho de Sylvia Plath

O único romance da poetisa americana Sylvia Plath Foi lançado no Reino Unido uma semana antes do suicídio da autora, depois de ligar o gás em sua cozinha. Uma história em que sua protagonista, Esther, é a jovem mais popular do colégio e a inveja de todas as garotas, vendo seu futuro estrelato cair na busca por decisões que ela nunca conseguiu tomar e às quais se somam seus maus relacionamentos com os homens arrogante e misógino. O perfil psicológico do protagonista era, às vezes, em comparação com um autor afetado por bipolaridade e depressão, deixando como testemunho uma semiautobiografia que iria para a posteridade.

Descobrir Redemoinho de Sylvia Plath.

Os monólogos da vagina, de Eve Ensler

Monólogos de vagina de Eve Ensler

Em 1996, a escritora Eve Ensler começou uma conversa com seus amigos que levou a uma série de histórias que ela batizaria comoOs monólogos da vagina, considerado superior ao pênis por estar conectado ao clitóris, único órgão responsável por dar prazer. A peça, que transcreve monólogos textuais de uma "vagina zangada" e "esbofeteada", foi adaptada para o teatro e se tornou um sucesso em 2001 após sua apresentação no Madison Square Garden com artistas como Queen Latifah, Winona Ryder e Marisa. Tomei, desencadeando funções subsequentes em outros idiomas em diferentes países do mundo.

Jane Eyre, de Charlotte Brontë

Jane Eyre, de Charlotte Brontë

Pouco antes da publicação de Jane Eyre em 1847, Charlotte Brontë decidiu usar o pseudônimo Currer Bell Numa época em que ser escritor não era tão bem visto. O curso de sua carreira mudaria quando a obra se tornasse um best-seller instantâneo. De natureza autobiográfica, Jane Eyre conta a vida de uma jovem que, depois de passar por diversos orfanatos e sofrimentos, torna-se governanta da filha do misterioso Sr. Rochester. O trabalho é considerado um dos os primeiros romances feministas da história.

O Mito da Beleza, de Naomi Wolf

O mito da beleza de Naomi Wolf

Considerado por muitos como um dos ensaios-chave para a compreensão do feminismo, O livro de Wolf publicado em 1990 abriu um novo debate em torno das consequências do empoderamento progressivo das mulheres: sua aparência física. Em um mundo onde os transtornos alimentares e as operações de cirurgia plástica estão em alta, Wolf analisa a imagem de uma mulher vítima de uma superficialidade ditada pela própria sociedade e comunicação de massa.

Recomendamos o mito da beleza.

Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

Orgulho e Preconceito de Jane Austen

Publicado em 1813 anonimamente, Orgulho e Preconceito nos apresenta a situação de algumas irmãs Bennet desesperadas para pertencer a um homem que as apoia. Todos menos um: Elizabeth Bennet, uma jovem que prefere analisar seus próprios desejos em vez de se casar. O problema surge quando o Sr. Darcy, um dos homens mais ricos da região, semeia inúmeras contradições no protagonista em torno de sua figura. Um clássico, tão delicioso quanto a adaptação cinematográfica de 2005 estrelada por Keira Knightley.

Quais são os melhores livros feministas que você leu?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   BEATRIZ FERNANDEZ dito

    Li "O País das Mulheres" e "A Mulher Habitada", ambos da escritora nicaraguense Gioconda Belli. Alice Munro também escreve muito sobre as mulheres.

  2.   Angel Navarro Pardiñas dito

    Agnes Gray, de Anne Bronte