Melhores contadores de histórias da história

Melhores contadores de histórias da história

La literatura curta Ela experimentou um renascimento nos últimos anos graças às mídias sociais e aos padrões de consumo mais rápidos do que no passado. Uma boa ocasião para lembrar aqueles melhores contadores de histórias de todos os tempos encarregado de enaltecer um gênero que, até meados do século XX, viveu sua particular época áurea.

Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe

Nascido em Boston em 1809, Poe era o principal embaixador do conto nos Estados Unidos e precursor de um gênero como a ficção científica que abriria portas para outros autores a partir do século XIX. Também considerado o primeiro escritor a tentar viver de suas histórias, o autor de O Besouro Dourado foi escravo de uma vida marcada por dificuldades familiares, álcool e depressão. Experiências das quais surgiram clássicos da literatura curta abrangendo o satírico e o gótico, como La caja oblonga, El Rey Peste ou sua grande obra Nenhum produto encontrado..

Gabriel García Márquez

Gabriel García Márquez

Mesmo que fosse Cem Anos de Solidão romance que o tornaria a estrela literária que é hoje, Gabo cultivou a arte do conto desde o início de sua carreira. Da coleção Olhos azuis de cachorroque já antecipou o Macondo que descobriríamos através da saga Buendía ao jornalístico História de um náufrago, o escritor colombiano nos deu várias histórias que merecem destaque, entre elas a poderosa O rastro do seu sangue na neve, incluída na coleção Doze contos de peregrinos que tratou das experiências de diferentes personagens latinos na Europa e que foi publicado em 1992.

Alice Munro

Alice Munro

Alice Munro, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura 2013.

Vencedor do Prêmio Nobel em 2013 por seu árduo trabalho no conto, a canadense Alice Munro é uma das melhores exemplos contemporâneos de literatura curta. Embora seus primeiros escritos tenham chegado na década de 60, foi somente no final dos anos 70 que ela começou a ser conhecida graças à coleção Quem você pensa que é?, seguido pelo sucesso de outras antologias, como a famosa As luas de Júpiter. As histórias de Munro geralmente se passam no condado de Huron, Ontário, e ao contrário de protagonistas masculinos mais lisonjeiros, as protagonistas femininas são muito mais complexas, envolvendo o leitor com suas histórias de solidão, reconciliação e introspecção.

Antón Chéjov

Anton Chekhov

Se há um contador de histórias a considerar, esse é o russo Antón Chéjov, um autor que se transformou em um poderoso caleidoscópio de sua Rússia natal, um país cuja realidade ele capturou por meio de histórias que evocaram o realismo e o naturalismo do final do século XIX. Embora inicialmente Tchekhov tenha começado a escrever simplesmente por aspirações financeiras, ele acabou incluindo novas vanguardas como o monólogo interno, que inspiraria outros escritores como James Joyce após o sucesso de sua obra traduzida logo após a Primeira Guerra Mundial. Funciona como The Flying Islands, O beijo o A tristeza já faz parte da história universal da literatura.

Charles Perrault

Charles Perrault

Embora inicialmente seu trabalho se baseasse no elogio a Luís, o Grande, em cuja corte trabalhou durante parte do século XVII, Perrault estava destinado a reinventar os contos de uma vida para levá-los às novas gerações e fazê-los durar por toda a eternidade. Criador de histórias infantis (ou talvez nem tanto) como Cinderela, Chapeuzinho Vermelho ou Gato de Botas, incluído no livro Nenhum produto encontrado., Perrault é possivelmente um dos contadores de histórias mais famosos da história e o autor do qual todo um universo infantil de moral, reinvenção ou filmes da Disney é desenhado.

Charles Bukowski

Charles Bukowski

Nascido na Alemanha, mas nacionalizado nos Estados Unidos, Bukowski representa a imagem mítica do escritor corrompido: álcool, sátira e sexo em torno de uma máquina de escrever para ganhar a vida (ou continuar a obter benefícios para viver uma existência desequilibrada). Embora seus romances façam parte de sua carreira, foram os contos que o tornaram famoso e inspiraram toda uma geração de escritores fascinados por ele. realismo sujo. Os melhores exemplos são A porra da máquina, uma antologia que reúne diferentes histórias sobre personagens e situações do cotidiano do autor, ou a história Mulher Procurada, em que Bukowski fala sobre um amor impossível em um mundo hostil.

Jorge Luis Borges

Jorge Luis Borges

A filosofia teceu o trabalho do considerado de os melhores escritores do século XNUMX. Foi a partir daí que o universo dos Borges argentinos se desdobrou adquirindo formas mais evidentes, mas também exigentes. A matemática literária ou bestiários lógicos, a simbologia da Bíblia, de Shakespeare ou da Cabala, cimentaram a trajetória deste eterno candidato ao Prêmio Nobel de Literatura cuja definição de tudo e nada por meio de cartas ou histórias como o mítico O Aleph torná-lo uma referência.

Julio Cortázar

Julio Cortázar

Compatriota de Borges, Cortázar não está muito atrás no que diz respeito à sua carreira de contador de histórias. Embora parte de seu legado gire em torno de seu famoso livro AmarelinhaCortázar deslumbrou o mundo com contos onde o metafísico e o cotidiano flutuavam de mãos dadas, principalmente em contos como La noche bocarriba, possivelmente um dos as melhores histórias de todas, ou Axolotl, onde uma salamandra mexicana serve de padrão para falar da solidão do ser humano.

Juan José Arreola

Juan José Arreola

Colega de outro grande contista mexicano como Juan Rulfo, autor com quem fundei publicações literárias como a revista Pan, Arreola é um dos grandes contadores de histórias do século XNUMX e ele foi um dos editores mais prolíficos do México. Seu trabalho mais famoso, Confabulario, é um compêndio de histórias que aborda, com ironia, problemas como a solidão, o isolamento ou os problemas do amor. Sem dúvida, um dos autores mexicanos mais universais.

Estes melhores contadores de histórias de todos os tempos Eles cimentaram uma narrativa breve, mas profunda, tornando-se grandes escritores de seu tempo e influenciando as gerações futuras que transformaram o briefing em uma nova tendência.

Qual é o seu contador de histórias favorito?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Walter gonzales dito

    O melhor contador de histórias do Peru foi Sebastián Salazar Bondi