Manuel Rivas

Citação de Manuel Rivas.

Citação de Manuel Rivas.

Manuel Rivas é um escritor espanhol considerado um dos maiores expoentes da literatura galega contemporânea. Ao longo de sua carreira dedicou-se à elaboração de romances, ensaios e obras poéticas; o que ele mesmo chama de "contrabando de gênero". Muitos de seus livros foram traduzidos para mais de 30 idiomas e alguns foram adaptados para o cinema em várias ocasiões.

Da mesma forma, o escritor galego tem-se destacado pelo seu trabalho na área jornalística. Este trabalho se refletiu em sua compilação: Jornalismo é uma história (1994), que é utilizado como texto de referência nas principais Faculdades de Ciências da Informação da Espanha.

Biografia

O escritor e jornalista Manuel Rivas Barrós nasceu em La Curuña em 24 de outubro de 1957. Vinha de família humilde, sua mãe vendia leite e seu pai trabalhava como pedreiro. Apesar das vicissitudes, conseguiu estudar na IES Monelos. Anos depois - enquanto trabalhava como jornalista - estudou e obteve a licenciatura em Ciências da Informação na Universidade Complutense de Madrid.

Trabalhos jornalísticos

Rivas teve uma longa carreira como jornalista; ele se envolveu com a mídia escrita, bem como com o rádio e a televisão. Com apenas 15 anos, ele fez seu primeiro emprego no jornal O Ideal Galego. Em 1976, ele entrou na revista Tema, um post escrito em galego.

Sua trajetória na revista espanhola se destaca Mudança 16, onde acabou sendo vice-diretor e responsável pela área de cultura da O Globo. Quanto à sua participação na área da rádio, reabriu em 2003 —em conjunto com Xurxo Souto— Quack FM (Rádio comunitária La Curuña). Atualmente trabalha como redator para o jornal El País, trabalho que ele vem fazendo lá desde 1983.

Corrida literária

Rivas escreveu seus primeiros poemas nos anos 70, que publicou na revista homônima do grupo Loya. Ao longo de sua trajetória como um poeta apresentou 9 poemas e uma antologia chamada: A cidade da noite (1997). O referido livro é complementado com um disco, no qual ele mesmo recita 12 de suas composições.

Da mesma forma, o escritor se aventurou na criação de romances com um total de 19 publicações. Seu primeiro trabalho neste gênero tem o nome de Um milhão de vacas (1989), que contém histórias e poemas. Com este trabalho, Rivas alcançou pela primeira vez o prémio da Crítica Narrativa Galega.

Durante a carreira dele Publicou vários trabalhos que lhe deram notoriedade, assim como a coleção de histórias O que você me quer amor? (1995). Com isso conseguiu obter os National Narrative Awards (1996) e Torrente Ballester (1995). Dentro desta, a coleção é: A língua das borboletas, conto adaptado para o cinema em 1999 e vencedor do prêmio Goya de melhor roteiro adaptado em 2000.

Entre suas obras mais relevantes podemos citar: O lápis do carpinteiro (1998) As chamas perdidas (2002) Nós dois (2003) Tudo é silêncio (2010) y As vozes baixas (2012). O último livro apresentado pelo autor é Viver sem permissão e outras histórias ocidentais (2018), que é composto por três romances curtos: O medo de ouriços, Vivendo sem permissão y Mar sagrado.

Melhores livros de Manuel Rivas

O que você me quer amor? (1997)

É um livro composto por 17 contos que descrevem diversos temas sobre as relações humanas, tradicionais e atuais. Nesta peça o espírito jornalístico do autor é refletido, onde o amor é a base de todas as histórias. Esse sentimento é mostrado em diferentes facetas: do platônico ao triste coração partido.

Alguns destes as histórias têm um tom alegre e cômico, mas outras tocam em temas mais fortes, reflexos da realidade atual.  As pessoas que protagonizam essas histórias são comuns e simples, como: um viajante, uma leiteira, um jovem músico, crianças e seus melhores amigos; cada um com um apelo particular.

Dentre as histórias, destacam-se: A língua das borboletas, uma história entre uma criança e sua professora, que é afetado pela destruição dos anos 30. Esta história foi adaptada com sucesso para o grande ecrã por Antón Reixa. Por fim, cabe destacar que esta coletânea foi traduzida para mais de 30 idiomas e permitiu que o autor fosse reconhecido no meio literário.

Histórias de O que você me quer amor? (1997)

  • "O que você quer de mim, amor?"
  • "A língua das borboletas"
  • "Um sax no meio da névoa"
  • "Leiteira de Vermeer"
  • "Só lá fora"
  • "Você será muito feliz"
  • "Carmiña"
  • "The Mister & Iron Maiden"
  • “O imenso cemitério de Havana”
  • "A garota nas calças de pirata"
  • "Conga, Conga"
  • "As coisas"
  • "Desenhos animados"
  • "Uma flor branca para morcegos"
  • "A luz do Yoko"
  • "A chegada da sabedoria com o tempo."

O lápis do carpinteiro (2002)

É um romance romântico que também mostra a realidade dos prisioneiros republicanos da prisão de Santiago de Compostela, em 1936. A história é narrada na primeira e terceira pessoa por dois personagens principais: Dr. Daniel Da Barca e Herbal. Eles também são uma parte importante da trama: Marisa Mallo e o Pintor - uma prisioneira que desenha várias cenas com um lápis de carpinteiro.

Sinopse

Neste romance apresenta-se a história de amor entre o Dr. Daniel Da Barca —republicano— e a jovem Marisa Mallo. Da Barca está preso por seus pensamentos e ações políticas. Isso complica a relação entre os dois, pois devem lutar pelo seu amor, pelo futuro casamento à distância e pela realidade que vive o país inteiro.

Por outro lado, há o prisioneiro Herbal, que conhece Da Barca na prisão e fica obcecado por ele. Este oficial é uma pessoa perturbada, que gosta de tortura e abuso, e já executou muitas das execuções na prisão.

O pintor, por sua vez, destaca-se pelo enorme talento pictórico. Ele desenhou o Pórtico de la Gloria, e lá ele fez uma representação de seus companheiros assediados. O trabalho era feito apenas com um lápis de carpinteiro, que lhe foi tirado pela Herbal algum tempo antes de executá-lo.

Conforme a história continua, o médico é condenado à morte. Antes de sua execução, ele passa por muitos maus-tratos por parte de Herbal, que tenta acabar com sua vida antes que a sentença seja cumprida. Apesar das adversidades, ele consegue sobreviver e realizar seu desejo de se casar com o amor de sua vida. Anos depois, ele consegue sua liberdade e acaba indo para o exílio na América Latina, de onde ele conta sua parte da história em uma entrevista.

As vozes baixas (2012)

É uma narrativa autobiográfica das experiências do autor e de sua irmã María, desde a infância até a idade adulta em La Curuña. La a história é descrita em 22 capítulos curtos, com títulos que dão um ligeiro preâmbulo ao seu conteúdo. No romance, o protagonista mostra seus medos e diferentes experiências para sua família; muitos deles com um tom triste e nostálgico.

Sinopse

Manuel Rivas relata as memórias da sua infância com a família, com especial destaque para a cultura e as paisagens galegas. Muitos cenários de sua vida são descritos resumidamente, com sentimentos mistos claros.

Na história se destaca María - sua querida irmã-, que ela mostra como uma jovem rebelde de caráter marcante. Ela é sinceramente homenageada no final da peça, como ele morreu após sofrer de um câncer voraz.

Folga Vozes baixas (melhor ...
Vozes baixas (melhor ...
Sem classificações

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)