Luis Castañeda. Entrevista com o vencedor do Prêmio Literário da Amazônia em 2020

Fotografia. Luis Castañeda, perfil no Facebook.

Luis Castañeda, Escritor das Canárias de La Palma, foi ele vencedor do Prêmio Literário Amazon Storyteller para autores em espanhol de 2020 com Quando o rei vier. Me concedeu isso Entrevista Muito obrigado pelo seu tempo e gentileza. Nele ele nos fala sobre aquele romance, outros livros, escritores e gêneros favoritos, suas influências, costumes e passatempos do autor e novos projetos que ele tem em mente.

Entrevista com Luis Castañeda

Seu romance de estreia Quando o rei vier foi selecionado de mais de Títulos 5.500, de 50 países diferentes, auto-publicado Através da plataforma Kindle Direct Publishing entre 1 de maio e 31 de agosto de 2020. O trabalho é baseado na visita que o rei Alfonso XIII fez à ilha de La Palma em 1906.

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

LUIS CASTAÑEDA: Não sei se são as primeiras histórias que li e escrevi, mas são as primeiras de que tenho conhecimento. O primeiro livro como tal foi A terra das peles, De Julio Verne, que cativou minha mente pré-adolescente e que precedeu várias outras do grande escritor francês.

Quanto a primeira história que eu me lembro de escrever teria que se referir, já como um garoto do ensino médio, a um narrativa irreverente intitulado Luisses no planeta das mulheres, que pretendia adicionar um pouco de cor e humor ao revista fotocopiada que nos esforçamos para produzir no instituto. Não teve muito sucesso.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

LC: Acho que estabeleci três marcos como leitor que se referem a dois livros que me impressionaram profundamente por diferentes motivos. O primeiro, desde o meu tempo mais combativo, foi Um homem, pelo escritor e jornalista italiano Oriana Fallaci, uma história crua, violenta e apaixonada, escrita na segunda pessoa, sobre a vida de Alekos Panagoulis, um herói clássico que tentou por conta própria acabar com a chamada Ditadura dos Coronéis. Alcançou fama internacional após sua tentativa de agredir o ditador Georgios Papadopoulos, em 13 de agosto de 1968, sua posterior prisão e tortura e, posteriormente, sua morte em circunstâncias ainda obscuras.

El segundo O livro que quero citar pertence ao meu tempo nostálgico, daqueles anos de solidão e miséria como estudante de jornalismo numa Madrid que me ultrapassou, rodeada de mil rostos que iam e vinham nas suas vidas, estranhos à minha, incapaz de ver « aquele pequeno detalhe que pintei no meu quadro », como aconteceu a Juan Pablo Castel em O tunelpor ernesto sábado, até encontrar María Iribarne.

El terceiro Já recebi o livro na minha maturidade, com maior serenidade de espírito, e que reconheço como o último elo de uma escada de leituras dentro da corrente literária latino-americana. Na verdade, eu quase poderia ter escolhido qualquer outro título de Garcia Marquezmas me encheu completamente O Amor nos Tempos do Cólera, do qual, aliás, ainda não terminei de lê-lo, porque de vez em quando volto a ele motivado por alguma dúvida, alguma pergunta, algum desejo.

  • AL: Quem é seu escritor favorito?

LC: Essa pergunta, nesses momentos da minha vida, tem uma resposta fácil, porque sem dúvida eu tenho que escolher a Prêmio Nobel da Colômbia. Outros escritores que eu também poderia apontar aqui - Juan Rulf, Faulkner, Carpentier, etc.– Eles sempre me levam, como culminação, a García Márquez. Nem é que eu seja um bom leitor, porque Eu pequei muitas releituras e acho difícil me abrir para outros estilos. Quando eu era mais jovem, li um romance realista, especialmente o novo romance americano como Tom WolfeNorman Mailer, Truman CapotaTodos do mundo jornalístico, mas não satisfizeram totalmente o meu espírito sonhador.

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

LC: Nunca tinha pensado nisso, mas diria que teria gostado de criar e conviver com personagens de aventura, como Phileas Fogg de Ao redor do mundo em 80 dias ou viajante de A máquina do tempo, por HG Wells, escapando dos Morlocks, ou Axel descendo para Centro da terra.

  • AL: Alguma mania ou hábito quando se trata de escrever ou ler?

LC: Quando eu escrevo Eu gosto de me acompanhar com musica (instrumental, senão me desconcentra) e, pelo menos durante todo o ano que estive escrevendo Quando o rei vierde uma dose de licor de nêspera elaborado por minha mãe. Então é necessário ter o porta fechada, Dispor de tempo adiante (não posso começar a escrever sabendo que em meia hora terei que sair para atender a algum compromisso) e, por fim, uma curiosidade: Eu preciso ter unhas curtas, bem rentes, que podem tocar as teclas com os pads.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

LC: O quando é algo que dificilmente escolho, mas sim obedeço quando ele me deixa o resto de sua vida. Tento alcançar estabilidade, mas como autônomo que sou, muitas vezes é uma quimera. Enfim, começar a escrever geralmente acontece pouco depois das oito da tarde até aproximadamente dez horas. Nem escolho onde, nem considero isso. Eu tenho um pequeno escritório, compartilhado com minha esposa, onde tenho o computador, os livros, os troféus de xadrez, minhas outras coisas ... Só tenho que encontrar uma maneira de expulsar minha esposa para alcançar a solidão solitária.

  • AL: O que seu romance nos diz Quando o rei vier?

LC: Este romance nos fala sobre solidão e esperança, amor e desgosto, ódio e inveja, de vida e morte; é uma história de sentimentos universais concentrados em uma pequena rocha vulcânica cercada pelo mar. Quando o rei vier, que tem como subtítulo amor e morte em uma ilha à deriva, é um ficção histórica, ou cenário histórico, que nos diz a vida e vicissitudes dos habitantes de uma ilha esquecida o que você está esperando, que eles anseiam, a chegada do rei do império para resgatá-los, salve-os de todos os males. E como, no entanto, o destino e as próprias ações acabam tornando aquele encontro, que deveria ser histórico, não apenas o início de uma nova vida, mas o culminar glorioso do drama que os assombra.

Com todo o cuidado do mundo, preparam a pequena cidade para o acolhimento, mesmo com todas as misérias e necessidades que sofreram, mas, como se fosse uma maldição, tornar-se é apresentar obstáculos que pode arruinar o encontro desejado, como o que acontece na primeira página: o aparência do corpo sem vida, esfaqueado e flutuando na baía, do ilustre doutor Mauricio Santos Abreu.

Daqui em diante, um romance coral que revela os personagens envolvidos e suas relações, e em que o amor - o proibido, o contrariado e o ignorado - desempenha um papel determinante.

  • AL: Outros gêneros que você gosta?

LC: Meus gostos literários, como leitor, eles têm mudado ao passar dos anos. Ultimamente meu apreço por biografias e, em geral, pelo novela histórica. É como se, ao completar meu aniversário, fosse cativado pelas velhas histórias e também pelos velhos filmes.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

LC: Neste momento estou terminando a leitura de um maravilhoso biografia sobre os irmãos wright, um ensaio-conto histórico Madrid, cortado para o tcheco e, como romance, acompanho um pouco com a leitura de Eu tenho em mim todos os sonhos do mundo, uma obra preciosa de Jorge Díaz.

Em relação a escrever é pior, já que nesses tempos não estou produzindo. Estou no processo conformar-se, sentir e ser movido pela história que luta para se concretizar. Eu escrevo frases, ideias, sentimentos. Preciso encher meu peito e minha mente com as vozes dos personagens antes de canalizar a história. Vamos ver o que sai.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou será capaz de guardar algo positivo para futuros romances?

LC: Desde o confinamento, e ao longo do ano passado, tenho aplicado um método para me evadir realidade que me serviu tão bem como escudo psicológico, e não foi outro senão foco no trabalho. Comecei recuperando o atraso e depois passei para projetos que, de outra forma, não teria tido tempo ou ímpeto para resolver. Trabalhei muito, diariamente, durante esses meses de paralisação ou semiestagnação da minha empresa, onde moro e desenvolvo meu trabalho e minha atividade de vida.

Mas eu mal conseguia escrever nesse período. A incerteza não me deu a paz de espírito necessária para isso. Engraçado, mas era assim. Agora, com o ano novo e depois de alguns dias de reflexão, estou encontrando novamente o meu caminho. E, ah, surpresa: paradoxalmente, a estrada passa pelo trabalho. É o trabalho diário que me dará paz para criar. Eu estou trabalhando nisso. Eu tenho esperanças.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)