Livros mais importantes sobre ETA

Frase de Fernando Aramburu

Frase de Fernando Aramburu

Hoje, a menção do ETA gera divisões ferozes na esfera sociopolítica espanhola. Grande parte da controvérsia atual gira em torno da recém-promulgada Lei da Memória Democrática, apoiada por políticos progressistas e vilipendiada pelos conservadores. Estes últimos qualificam a referida lei de “revanchista, sectária e pactuada com terroristas”.

De fato, a maioria das democracias ocidentais e as instituições supragovernamentais mais influentes do mundo —ONU, OEA, União Europeia, entre outras- consideravam o ETA um grupo extremista. Evidentemente, Não é um assunto fácil de abordar. Por isso, apresentamos a seguir uma série de livros com diferentes pontos de vista sobre o surgimento, ascensão e fim do ETA.

Sobre ETA

Euskadi Ta Askatasuna foi um movimento autoproclamado “independentista, patriótico, socialista e revolucionário” que operou principalmente no País Basco (norte da Espanha e França). O principal objetivo da organização era promover a gênese de um estado socialista completamente independente em Euskal Herria.

A maior parte das atividades criminosas do ETA começou após a morte de Francisco Franco (1975) até meados da década de 1990. Eles incluíram roubos, atentados, sequestros, tráfico de armas e suborno, daí seu status de terroristas. O grupo radical conseguiu até arrecadar cerca de 120 milhões de dólares americanos graças às suas extorsões. Em 2011, o grupo se desmobilizou definitivamente.

o equilíbrio do terror

  • As investigações das autoridades francesas e espanholas indicam que ETA matou mais de 860 pessoas (incluindo 22 crianças);
  • A maioria de suas vítimas era de origem basca e incluíam guardas civis (principalmente), magistrados, políticos, empresários, jornalistas e professores;
  • Seus bombardeios causou inúmeras mortes a civis, declaradas como “danos colaterais”, de acordo com a organização.

Sinopse dos livros mais importantes da ETA

Patria (2016)

Este romance representa um marco na carreira literária de Fernando Aramburu. De fato, a publicação rendeu vários prêmios —como o Critics Award ou o National Narrative Award, entre outros— ao escritor de San Sebastian. Além disso, em 2017, a HBO Espanha anunciou que o título será transformado em série de televisão (sua estreia foi adiada devido à pandemia de Covid-19).

Fernando aramburu

Fernando aramburu

Patria apresenta a história de Bittori, a viúva de um empresário assassinado pelo ETA em um enclave rural fictício em Guipúzcoa. No início do livro, ela visita o túmulo do marido para dizer a ele que está voltando para a cidade onde ocorreu o assassinato. Mas, apesar da desativação definitiva do grupo terrorista, naquela aldeia vive uma tensa tensão mascarada pela falsa tranquilidade reinante.

ETA e a conspiração da heroína (2020)

Em 1980, o ETA acusou o Estado espanhol de introduzir heroína como uma ferramenta política para inativar e arruinar a juventude basca. Então, sob esse argumento, a organização regionalista lançou um suposto campanha radical contra o narcotráfico. Mas, na perspectiva do autor Pablo García Varela, a “máfia das drogas” era um mito criado pelo grupo terrorista.

Para argumentar seu ponto, Varela —Doutor em História Contemporânea pela UPV/EHU— Ele fez uma extensa pesquisa sobre o assunto. O resultado é um texto que esclarece com dados e evidências como era o real objetivo do ETA consolidar seu componente armado. Além disso, o autor fornece as possíveis causas do problema das drogas no País Basco com suas soluções pertinentes.

1980. Terrorismo contra a Transição (2020)

A partir de 1976, a Espanha iniciou um processo lento e traumático de mudança da ditadura de Franco para a democracia. Foram pouco mais de seis anos em que o terrorismo representou a maior ameaça à estabilidade de um país em crise. O motivo dos crimes foi a firme rejeição da Transição por parte de grupos radicais com diferentes perfis políticos.

É claro que, apesar das diversas tendências dessas organizações (separatistas, ultraesquerdistas, ultradireitistas...), todas elas decidiram usar o terror para quebrar o Estado. Nesses anos, o mais turbulento foi 1980, quando foram registrados 395 ataques., causando 132 mortes, 100 feridos e 20 sequestros.

Cartão

Coordenadores: Gaizka Fernández Soldevilla e María Jiménez Ramos. prefácio: Luísa Etxenike.

autores: Gaizka Fernández Soldevilla, María Jiménez Ramos, Luisa Etxenike, Juan Avilés Farré, Xavier Casals, Florencio Domínguez Iribarren, Inés Gaviria, Laura González Piote, Carmen Lacarra, Rafael Leonisio, Javier Marrodán, Irene Moreno, Roberto Muñoz Bolaños, Pablo Pérez López, Matteo Re, Barbara Van der Leeuw.

editorial: Technos.

As narrativas do terrorismo (2020)

Editado por Antonio Rivera e Antonio Mateo Santamaría, Este livro reúne as perspectivas de 20 autores entre especialistas em história, filosofia, sociologia e comunicação. Em particular, os escritores exploram o fim das atividades criminosas e a dissolução do ETA. Da mesma forma, o texto aprofunda a situação atual do terrorismo com sua respectiva normalização em todos os tipos de mídia cultural.

Consequentemente, a brutalidade permeou a população através da imprensa, cinema, literatura e televisão. Dada tal dispersão, os autores questionam a forma como a história está sendo contada para as novas gerações. Eles alertam que o maior perigo é que uma narrativa tendenciosa possa justificar a violência terrorista e ignorar o sofrimento das vítimas.

AS NARRATIVAS DE...
AS NARRATIVAS DE...
Sem classificações

Fernando Buesa, uma biografia política. Não vale a pena matar ou morrer (2020)

Em 22 de fevereiro de 2000, o político socialista Fernando Buesa —junto com seu acompanhante, Jorge Díez Elorza— foi assassinado pelo ETA. O falecido em questão havia sido ameaçado pela organização terrorista devido à sua oposição ao nacionalismo institucional das partes alinhadas com a ETA. Esta tendência ideológica secessionista era muito palpável no PNV (Partido Nacionalista Basco) e em algumas facções do PSE (Partido Socialista de Euskadi).

Em relação ao livro, Mikel Buesa, irmão de Fernando Buesa, declarou ao Libertad Digital que o texto não relata alguns aspectos biográficos importantes do assassinado No entanto, a publicação do historiador Antonio Rivera e Eduardo Mateo —um delegado da Fundação Fernando Buesa— cobre detalhes relacionados com as lutas internas no socialismo Alava.

Fernando Buesa,...
Fernando Buesa,...
Sem classificações

Dor e memória (2021)

Esta história em quadrinhos escrita por Aurora Cuadrado Fernández e publicada pela Saure apresenta dez histórias sobre sofrimento, solidão, abandono, medo e morte. Seus personagens parecem "normais", pois nenhum deles queria ser o protagonista. No entanto, todos são obrigados a trilhar o difícil caminho da resiliência para enfrentar as adversidades e abraçar o futuro.

São pessoas com origens muito diferentes, mas com uma coisa em comum: suas vidas foram drasticamente alteradas por um ato terrorista. Para montar as histórias, a autora recorreu aos depoimentos de vítimas e familiares afetados por grupos extremistas como ETA, GRAPO ou terrorismo islâmico (11-M). Os principais ilustradores do quadrinho são Daniel Rodríguez, Carlos Cecilia, Alfonso Pinedo e Fran Tapias.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.