Livro de Fariña

Farinha.

Farinha.

O livro Fariña. História e indiscrições do narcotráfico na Galiza, é um dos títulos mais polêmicos dos últimos anos na Espanha. Principalmente depois que uma ordem judicial foi emitida em março de 2018 ordenando a suspensão de sua comercialização. O motivo: alegada violação do direito à honra de uma das pessoas mencionadas no texto.

Em qualquer caso, a disposição foi revogada quatro meses depois. Na realidade, o processo contribuiu (ainda mais) para o sucesso editorial da Fariña, ultrapassando as 100.000 cópias vendidas até o momento. Da mesma forma, este livro do jornalista espanhol Nacho Carretero é a base do enredo da série. Fariña, lançado pela Movistar Plus em setembro de 2019.

Sobre el autor

Nacho Carretero (A Coruña, 1981) é um jornalista e escritor com uma carreira bastante longa. Além de suas investigações sobre o tráfico de drogas na Galiza, Carretero concluiu relatórios chocantes sobre o genocídio em Ruanda, Ebola na África, a guerra civil na Síria e os incêndios florestais na Galiza durante 2017.

A situação jurídica do livro de Fariña

Entre março e junho de 2018, estava em vigor um “sequestro preventivo” ordenado pela juíza Alejandra Fontana, a pedido de José Alfredo Bea Gondar, ex-autarca de O Grove (Pontevedra). O processo fazia parte de sua ação contra Nacho Carretero e a empresa Libros del KO. Além disso, o demandante reivindicou uma indenização de € 500.000, o que ameaçou a sobrevivência do editor.

No entanto, Em 22 de junho de 2018, o Tribunal Provincial de Madrid revogou a cessação comercial. Aconteça o que acontecer, este livro sempre será controverso e desconfortável. A palavra "fariña" significa "farinha" em galego (uma das formas coloquiais de se referir à cocaína). A capa também é uma declaração de intenções: simula um pacote aberto de drogas.

Nacho Carter.

Nacho Carter.

Outros livros de Nacho Carretero (ambos lançados em 2018):

  • Parece melhor para nós (Libros del KO), onde faz uma revisão histórica e aborda a crise esportiva e institucional do Deportivo de La Coruña.
  • No corredor da morte (Editorial Espasa), referindo-se ao caso de Pablo Ibar, espanhol condenado à morte nos Estados Unidos em 2000. Mas em 2016 a Suprema Corte da Flórida concluiu que não havia um julgamento justo, ou seja, deve ser repetido.

Contexto histórico do contrabando na Galiza

Incontáveis ​​enclaves ocultos, canais e recantos intrincados, fazem Galicia uma região ideal para o desenvolvimento de grupos de contrabando. Qualquer criminoso com conhecimento suficiente da área tem uma boa chance de se esconder e escapar. A este respeito, Carretero completou uma excelente cronologia sobre uma tradição estabelecida há vários séculos.

Um estilo de vida "justificado"

Historicamente, a negligência por parte das autoridades do governo central criou as condições “perfeitas” de dívida social para o contrabando florescer. Por esta razão, tráfico - não só de drogas proibidas - tem sido bem visto na costa galega. É simplesmente percebido como um procedimento alternativo para obter dinheiro.

Os envolvidos geralmente justificam suas ações alegando que "suas atividades não prejudicam ninguém". Eles consideram o contrabando como um “rublo” que impulsiona outros setores da economia, “mais negócios, mais investimentos, mais trabalho para todos”. Assim, o tráfico que começou com bicicletas em meados do século 70 e continuou com o fumo nos anos 80, levou às drogas nas décadas de 90 e XNUMX.

O livro Fariña evidencia um problema cultural

Você pode comprar o livro aqui: Fariña

Auto-decepção

“O trânsito não afeta as populações locais” é uma frase repetida para encobrir tragédias subsequentes. É um pedido de desculpas estabelecido em países onde o cultivo e processamento de plantas como a folha de coca ou maconha é comum. Neste ponto, os testemunhos obtidos de toxicodependentes da Galiza são extremamente importantes.

Investigando o problema da dependência de drogas naquela região, Carretero desmonta completamente o mito do "consumo que ocorre em outros lugares". Mas desculpas simplistas não são os únicos vínculos com os países produtores de drogas. Bem, as conexões com os cartéis sul-americanos - principalmente com os de Pablo Escobar - têm sido muito sólidas.

"Uma nova Sicília"

Obviamente, o estabelecimento de uma verdadeira rede de tráfico de drogas em grande escala requer a incompetência e / ou cumplicidade das autoridades. Políticos, policiais, militares ... em maior ou menor grau, todos têm sua parcela de responsabilidade. Caso contrário, os clãs criminosos não teriam lugar. Além disso, Carretero não exclui a sociedade galega como parte do problema.

Citação de Nacho Carretero. em Fariña.

Citação de Nacho Carretero. em Fariña.

Por consequência, a investigação acabou desnudando cada um dos elos do narcotráfico na Galiza. Então, muitas, muitas pessoas acostumadas à impunidade acabaram “respingadas”. Na verdade, o processo recebido foi uma consequência “normal”; não é improvável que mais apareçam em um futuro não muito distante.

Jornalismo de primeira

A Carretero (e a editora) mostraram sua coragem fazendo um trabalho tão arriscado quanto necessário. En Fariña declarações de capos, policiais, juízes, jornalistas e moradores locais aparecem que demonstram a permanência do problema do narcotráfico até hoje.

Por outro lado, as informações aparecem muito bem esquematizadas, o que facilita o entendimento da magnitude do tráfego com suas respectivas bordas. Além disso, euO infográfico fornece dados confiáveis ​​sobre clãs, rotas e métodos de transporte. Particularmente impressionantes são os detalhes dos macro-planadores usados ​​para mover cargas pelos estuários.

Um forte chamado de despertar para a sociedade espanhola

Os meios audiovisuais são parcialmente culpados de gerar empatia para com os grandes narcotraficantes mexicanos ou colombianos. Hoje, em redes como Netflix ou Fox, séries de televisão focadas nesses personagens são bastante comuns e bem-sucedidas. Por ele, Carretero deixa claro que a admiração das pessoas comuns pelo narcotraficante é um grande problema.

Os espanhóis normalmente consideram as notícias de confrontos violentos entre gângsteres um assunto estranho.. O mesmo acontece com as alarmantes estatísticas de consumo. Quando a realidade é muito diferente, “eles têm o monstro em casa”. Além disso, está associado a uma série de infortúnios, como tráfico de pessoas, corrupção e degradação da sociedade.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.