Guadalupe Grande. 4 de seus poemas em sua memória

Fotografia: escritores.org

Guadalupe Grande, poeta Madrilena, ensaísta e crítica, morreu em Madrid logo no início de 2021 devido a um doença cardíaca, com 55 anos. Filha único dos poetas também Felix Grande e Francesca Aguirre, com ela termina uma linhagem literária notável. Em sua memória, vai este seleção de 4 poemas pertencente ao seu trabalho.

Guadalupe Grande

Licenciatura em Antropologia Social pela Universidade Complutense, ao longo de sua carreira participou de eventos literários como o I Show Ibero-Americano de Poesia e o Festival Internacional de Poesia de Medellín, ou o festival INVERSO Madrid. Como crítica literária, trabalhou em El Independiente, El Urogallo, Reseña ou El Mundo, entre outros jornais e revistas.

Também atuou na área de comunicação da Teatro Real e foi responsável pela atividade poética do Universidade Popular José Hierro, em San Sebastián de los Reyes.

Em 1995 recebeu o Prêmio Rafael Alberti por Livro de lilith, e também publicou os livros de poesia A chave de nevoeiro, mapas de cera y Hotel para ouriços.

4 poemas

As cinzas

Dicionário de Inventário
lista o número preciso
computação de uma linguagem
que não podemos entender

Eu digo que não há esquecimento;
há morte e sombras dos vivos,
Existem naufrágios e memórias pálidas
existe medo e imprudência
e novamente sombras, frio e pedra.

O esquecimento é apenas um artifício de som;
apenas um final perpétuo que vai
da carne à pele e da pele aos ossos.
Assim como as primeiras palavras são feitas de água
e então lama
e depois de pedra e vento.

Instante

Caminhar não é suficiente
a poeira da estrada não faz a vida
O olhar para longe
Água no papel
e espuma na palavra

Você é uma fenda no tempo, padre:
nada em você dura e tudo permanece.

Pronuncie a primeira palavra
e o desastre foi um só,
naquele momento em que te desenhamos
a cara dos dias.

Não pode ser,
nunca poderia ser,
nunca poderia ter sido,
e ainda tenaz são as sombras
em sua vocação de carne,
teimosa sua respiração
e teimoso sua palavra.
Viver não tem nome.

O rastro

Somos uma questão de estranheza
quem ia nos dizer
que sofremos tanto
Mas nossa memória não queima
e não sabemos mais como morrer

Memória de vida,
memória dos dias e da vida,
faca que abre o mundo
espalhando algumas entranhas que não consigo decifrar.

Memória das tardes e da luz,
você ilumina o visual
você é o vigia implacável,
a bússola severa, a testemunha da prisão
que ganha tempo em sua masmorra.

O que você procura, memória, o que você procura.
Voce me segue como um cachorro faminto
e você cuida do seu olhar compassivo aos meus pés;
cheirando, pernicioso, a caminho
o rastro dos dias que foram,
que eles não são mais e que nunca serão.

Os trapos da bem-aventurança te vestem
e a desolação o tornou cauteloso;
memória de vida, memória de dias e vida.

Ao lado da porta

A casa esta vazia
e o cheiro de esperança rancorosa
perfumar todos os cantos

Quem nos disse
enquanto nos estendíamos para o mundo
que encontraríamos
abrigo neste deserto.
Quem nos fez acreditar, confiar,
-pior: espere-,
que atrás da porta, sob o copo,
naquela gaveta, depois da palavra,
nessa pele,
nossa ferida seria curada.
Quem cavou em nossos corações
e depois não soube o que plantar
e nos deixou este poço sem sementes
onde só há esperança.
Quem veio a seguir
e ele nos disse suavemente,
em um instante de ganância,
que não havia canto para esperar.
Quem foi tão cruel, quem,
que abriu este reino sem taças para nós,
sem portas ou horas humildes,
sem tréguas, sem palavras com as quais forjar o mundo.
Está tudo bem não vamos chorar mais
a noite ainda cai lentamente.
Vamos dar o ultimo passeio
desta esperança miserável.

Fontes: El Mundo - Poemas da Alma


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Gustavo Woltman dito

    Que belos poemas e que mulher eloqüente e exemplar.
    -Gustavo Woltmann.