Frases famosas de Emilia Pardo Bazán

Há alguns dias foi celebrado o aniversário de nascimento de uma das nossas escritoras mais importantes: Emilia Pardo Bazán. Nasceu em Coruña, no ano 1851, pertencia a uma família aristocrática. Ela era uma mulher de enorme prestígio para sua época. Fez inúmeras viagens e conheceu grandes autores como Victor Hugo ou Zola.

Ela se separou de seu marido e começou um caso de amor com Benito Pérez Galdós. Dirigiu a seção de literatura do Ateneu e em 1916 foi nomeada professora da Universidade de Madrid. Morreu em 1921, também em Madrid.

Pertenceu ao Realismo

desenvolvimento Realismo Foi o triunfo do romance, gênero que possibilitou retratar a realidade de forma confiável. Os romancistas mais representativos dessa época foram Galdós, Juan Valera, Leopoldo Alas "Clarín" e Emilia Pardo Bazán. Este último pertenceu especificamente ao Naturalismo, uma derivação do Realismo que apareceu na Espanha por volta de 1880 com a publicação de "Os deserdados" de Galdos.

Emilia Pardo Bazán foi a principal zagueira na Espanha do Naturalismo. No caso deste autor, esse movimento está enquadrado no catolicismo. Assim, o determinismo naturalista de Zola é apenas aparente e subordinado à capacidade do homem de superá-lo por meio da fé, que o eleva acima de todas as outras criaturas. Entre seus romances se destacam acima de tudo "Os pazos de Ulloa" (1886) y "Mãe natureza" (1887), ambos desenvolvidos em ambientes rurais da Galiza que constituem mundos fechados dominados pelas paixões.

Cotações

E agora, vamos comemorar o nascimento desse autor que nos deixou tantas frases boas para a história. Alguns deles são os seguintes:

  • “Tenho como importante entre todos o conceito de que o romance não é mais uma obra de mero entretenimento, uma forma de enganar agradavelmente algumas horas, no valor de estudo social, psicológico, histórico, mas em última instância de estudo”.
  • «A desgraça do homem moderno é ser egoísta e sensível; egoísta o suficiente para ceder às suas paixões, sensível o suficiente para sofrer ao testemunhar a destruição que eles causaram no destino de outra pessoa. Por ser interior e cuidadosamente escondido, a luta de Felipe não foi menos violenta, nem seu mal-estar menos. Para dizer a verdade, esse estado tão especial não pode ser chamado de luta: há uma luta em si, quando a vontade oscila entre duas soluções ».
  • “Não escolhemos os nossos sentimentos, eles vêm até nós, crescem como o joio que ninguém planta e que inundam a terra. E os sentimentos às vezes se entregam a uma infantilidade sem valor aparente, aliás extremamente eloqüente, reveladora da verdade psicológica, pois certos sintomas leves denunciam doenças fatais ».
  • «Um padre pode fazer todas as coisas más do mundo. Se tivéssemos o privilégio de não pecar, estaríamos bem; fomos salvos no momento da ordenação, o que não foi um negócio fraco. Na verdade, a ordenação impõe deveres mais restritos sobre nós do que sobre outros cristãos, e é duplamente difícil para um de nós ser bom. E para ser assim do modo que o exigiria o caminho da perfeição que devemos trilhar ao nos ordenarmos sacerdotes, é necessário, além dos nossos esforços, que a graça de Deus nos ajude. Não há nada.
  • "A ditadura é como uma ária e nunca se torna uma ópera."
  • "No dia em que" alguns senhores "disseram a Amparo que ela era bonita, a menina errante tinha consciência de seu sexo: até então era um menino de saias. Nem ninguém a considerava diferente: se algum malandro na rua a lembrou de que ela fazia parte da metade mais bela da raça humana, ela o fez metade com as bochechas e rejeitou com punhados, senão com pontapés e mordidas, o elogio bárbaro. Todas as coisas que não tiraram seu sono ou apetite.
  • "É um absurdo um povo depositar suas esperanças de redenção e boa sorte em formas de governo que não conhece."
  • “A educação das mulheres não pode ser chamada de educação, mas de formação, já que a obediência, a passividade e a submissão se propõem”.
  • "A educação física aumenta a estatura e o vigor das mulheres e enriquece seu sangue."
  • «Pela boca morremos habitualmente como simples peixes, e não é a morte de um sábio, mas de um animal bruto, frio e desajeitado».

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.