Francisco Narla. 10 perguntas para o autor de Lain, o bastardo.

Foto do autor: francisconarla.com

Francisco narla Ele é um dos nossos melhores contadores de histórias e tem um novo romance. Mentira o bastardo foi publicado em março e é o vencedor do primeiro prêmio para Narrativa Histórica de Edhasa. Apenas estar no passado São Jordi e ainda está em processo de promoção. A próxima parada será Feira do Livro de Madrid que começará no final deste mês e onde o escritor irá assinar as cópias já em 9 e 10 de junho.

Não é a primeira vez que Narla Converse conosco. Agora você foi gentil o suficiente para me responder a estes 10 perguntas sobre suas leituras, seus autores, seus novos projetos, suas recomendações de redatores e sua opinião sobre o cenário editorial. Então novamente Agradeço-lhe muito daqui pelo seu tempo e espero saudá-lo na Feira de Madrid.

1. Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

A verdade é que não, embora eu suponha que seria uma história em quadrinhos, quando eu era muito pequeno adorava os quadrinhos de Mortadelo e Filemón, Ainda tenho uma coleção enorme. E a verdade é que de vez em quando releio alguns deles e continuo curtindo suas loucas aventuras.

Embora eu suponha que a pergunta se refira ao primeiro romance que li e também não está claro para mim. Lembro-me vagamente de alguns livros infantis, embora me lembre claramente das histórias de Sandokan que minha avó paterna me deu, uma de Júlio Verne, como Michael Strogoff, também da série de os três pesquisadores de Hitchcock, o de James Bond ... E, claro, os romances de aventura de Alberto Vazquez-Figueroa. Eu leio muito.

Quanto à primeira história que escrevi, também não me lembro, a verdade é que faço desde criança e não sabia precisar. Só poderia ser acrescentado que é algo tão pessoal que não consigo me lembrar sem algo pendente para colocar no papel. Comecei muito cedo, antes de dez anos levar sempre comigo um caderno para escrever.

2. Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

Eu também não lembro. Os livros sempre foram meus melhores amigos e não consigo dizer qual foi o primeiro especificamente. Sim, posso dizer que esse gênero de aventura de que também falei na pergunta anterior me marcou muito. Ele fez o desejo de viajar, conhecer lugares exóticos, viver experiências incríveis, como os heróis daqueles romances da juventude.

3. Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

Nunca sei como responder a esses tipos de perguntas, Tenho dificuldade em decidir sobre um em particular, existem muitos. Além disso, no meu caso, as preferências mudaram ao longo dos anos. Suponho que, como muitos outros leitores, houve clássicos que não fui capaz de apreciar até a maturidade.

Mas hey, vou tentar dar uma lista mais ou menos cronológica com alguns deles. Claro, alguns permanecerão no pipeline.

Homero, Julio César, a freira Egeria, Ramón Lull, Erasmo de Róterdam, Quevedo, Rosalía de Castro, Unamuno e para a contemporaneidade acrescentarei um punhado daqueles que não estão mais conosco, pois aos que ainda estão escrevendo vamos deixá-los de lado, para não entrar em jardins muito lamacentos. Vamos ver, Delibes é sem dúvida uma referência, Blasco Ibáñez, remetente...

A verdade é muitas e não se pode dizer que sou mitômano.

4. Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

Acho que não gostaria de conhecer nenhum deles, se isso fosse possível, tiraria muita magia, estragaria o relacionamento. Mas vou trapacear para responder, gostaria muito de ter conhecido Antoine de Saint-Exupéry, que não só escreveu o maravilhoso O Pequeno PríncipeEm vez disso, ele se tornou um personagem em sua peça.

Quanto ao personagem que eu gostaria de ter criado, a verdade é que Eu não faço ideia, mas não acho que seja uma boa forma de abordá-lo, qualquer pessoa famosa funciona como um binômio com seu autor, se tivessem sido escritos por terceiros, não teriam alcançado o sucesso ou a relevância do original.

5. Algum passatempo quando se trata de escrever ou ler?

Em relação a escrever: não de jeito nenhum, me adapto facilmente a qualquer condição e a verdade é que só me preocupo em fazer o meu melhor. Eu sempre tento melhorar, que cada romance é um passo à frente.

Quanto à leitura: também. eu apenas tento leia o máximo possível, mesmo o que não me atrai. Eu apenas acrescentaria que o escritor deve se forçar a ler de uma perspectiva diferente da do leitor que busca preencher seu tempo livre. O escritor, na minha opinião, deveria tentar ler analisando o texto, para aprender com ele.

6. Qual é o seu local e horário preferidos para fazê-lo?

Não especialmente, embora eu realmente goste ler ao ar livre, Eu moro no campo e gosto muito de ler na floresta.

Posso acrescentar que, apesar de estarem começando a ganhar força agora na Espanha, estou gosta muito de audiolivros por anos, desde antes dessa efervescência ser experimentada. Eu tenho usado audiolivros em viagens de carro por muitos anos (eu faço alguns quilômetros por ano).

7. Que escritor ou livro influenciou seu trabalho como autor?

Muitos, um monte de. E não só as que gosto, mas também as que não gosto. Em todos os casos, serve para aprender. Eles são aprendidos com todos, até mesmo com os manuscritos inacabados dos novatos. Você tem que ser modesto, abaixe a cabeça e deixe-se ensinar com o que você lê.

8. Seus gêneros favoritos?

Eu leio tudo e não tenho manias. Além disso, o gênero é apenas uma forma de ordenar as estantes das livrarias, a maioria dos romances é, como dizem, transversal.

9. O que você está lendo agora? E escrever?

Estou lendo um guia para aves de rapina de Imagem de Antonio Manzanares placeholder, um livro sobre a história dos reis de León de Ricardo Chao Prieto (acabo de terminar Cipotudas Vidas por Jorge Robles) e quanto aos romances, neste momento estou lendo O relojoeiro da Puerta del Sol de Emilio Lara e estou ansioso para dar uma olhada no último Antonio Perez Henares.

10. Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

O cenário editorial é complicado pelo encolhimento dos últimos anos, as vendas caíram de forma alarmante e o fenômeno de pirataria isso torna tudo pior. Isso cria uma vitrine, cheia de arestas e espelhos, que é muito difícil de descrever em poucas linhas.

A verdade, às vezes tenho a sensação de que as pessoas querem escrever mas não ler. É engraçado, muitas vezes eu encontro escritores de primeira viagem que mal lêem e honestamente, eu não entendo.

Em todo caso, como acredito que o que se espera de mim é dar conselhos aos recém-chegados, direi que é importante perseverar; diz a lenda que Bukowski encheu o banheiro de rejeições editoriais. Não desista.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.