Esteban González Pons, autor de Ellas. Entrevista

Fotografia: Esteban González Pons. Perfil do Twitter.

Sim Esteban González Pons Ele é mais do que conhecido por sua carreira política, mas é no lado literário que diz que se sente mais confortável. Seu primeiro romance é Ellas, onde sai do gancho com um romance. Quer muito obrigado sinceramente seu tempo e grande gentileza em me conceder Nesta entrevista onde ele nos conta mais sobre essa faceta das letras e mais intimista.

ESTEBAN GONZÁLEZ PONS - ENTREVISTA 

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: O que seu romance nos diz, Ellas, e por que uma história de amor?

ESTEBAN GONZALEZ PONS: Ellas conte um romance entre uma menina e um menino nascido nos anos 60. É um romance geracional, em aqueles de nós que nasceram quando Franco ainda estava vivo ou tinha acabado de morrer, Adolescentes da Transição. A história se passa, em parte, no Valencia da Copa América, aquela cidade que brilhou e riu, e em Valência depois da crise dos tijolos, em parte também. Duas cidades contraditórias localizadas no mesmo lugar no mapa.

  • AL: Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

EGP: Meu primeiro livro foi The Gold Bug de Poe, em uma edição juvenil. Embora deva mencionar uma coleção de romances transferidos para quadrinhos, chamada Joias literárias juvenis, com o qual muitos dos romances de aventura do século XNUMX foram trazidos à minha altura quando adolescente, de Ivanhoe para Michael Strogoff o Sandokan, por exemplo. Ainda fico animado quando me lembro deles.

Antes disso, os primeiros livros que li, não eram meus, mas emprestados do meu tio Guillermo, eram álbuns de Mortadelo e Filemón. Por isso Defendo que entreguem a Princesa das Astúrias das Artes a F. Ibañez, porque tenho a certeza de que o próximo Prêmio Nobel de literatura espanhola também terá suas leituras de infância em Mortadelo e Filemón.

Eu escrevo desde que me lembro. No princípio, Histórias de terror influenciado por Poe e também histórias da Guerra da Independência imitando a primeira série de Episódios Nacionais e a biografia de Napoleão por Emil Ludwig. Então as meninas se tornaram meu único assunto e comecei a escrever poesias realmente ruins.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

EGP: Quando você começa a ler todos os livros, eles te acertam. O que talvez me tenha obcecado mais quando jovem foi O Senhor dos Anéis, muitos anos antes de o cinema o tornar tão famoso. Me incomoda quando o cinema se apropria de livros de que gosto e populariza seu enredo como se pudesse se separar de sua literatura. Tolkien me possuiu tanto que escreveu poemas em "élfico" para meninas, e nenhum dos dois queria ser minha namorada, é claro. Eu acho que Tolkien me tornou um geek.

  • AL: Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

EGP: Quando você ama literatura, casos impossível mencionar um escritor favorito porque quase todo mundo tem algo que te fascina. Vou citar Becquer, aquele com lendas, porque eu recorro muito a ele para fazer algo grudar em mim. E porque gostaria de ser romântico, embora saiba que não posso. Também para Delibes, a eleLimite, que li e reli para aprender espanhol. E para Valle-Inclán, o que tenho na minha mesa de cabeceira agora.

Entre os poetas, Luis Cernuda, Anjo González e Antonio Colinas, tão diferente, estão entre meus favoritos. Vamos também colocar Joan Margarita que acabamos de morrer. Entre os que estão publicando agora, sem a pretensão de ser exaustivos, leio tudo o que publicam Manuel Vilas, Vencedor da Árvore, Lourenço Silva, Jose Zoilo ou Santiago Castellanos, por exemplo. 

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

EGP: O protagonista louco de O mistério da cripta assombrada por Eduardo Mendoza. Parece intransponível na tradição do malandro espanhol. Embora pareça bobo para você, acho que o que não é picaresco não é um romance espanhol.

  • AL: Alguma mania quando se trata de escrever ou ler?

EGP: Quando eu era jovem, escrevia à noite, agora pela manhã. Quanto mais cedo eu me levanto, mais revigorada minha imaginação. E as melhores ideias vêm à mente no chuveiro. Quando saio do banho, esqueço quase todos eles.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

EGP: Atrevo-me a dizer isso? Gosto de escrever na cama. Acordar às seis, por exemplo, levar um café e um computador para a cama e não sair de lá antes de ter pelo menos duas páginas escritas. Infelizmente, só posso pagar nos fins de semana. Ellas Eu escrevi em aviões e trens e salas de espera. Viajar para trabalhar daqui para lá.

  • AL: Outros gêneros que você gosta? 

EGP: Poesia. Não sou poeta, meu pai e meu filho são, sou um leitor de poesia e me sinto honrado.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

EGP: terminei Filho do pai de Víctor del Arbol e eu recomendo muito. E eu começo com Como não fazer nada por Jenny Odell e 1794 de Natt och Dag, vou te dizer como. Y Estou escrevendo meu próximo romance, uma história assustadora que espero entregar ao editor em setembro.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou você pode manter algo positivo que lhe servirá para futuras histórias de ficção? 

EGP: Tenho certeza que a praga chegará a todos nós que escrevemos em todas as nossas histórias. Um escritor é o que vive, não o que conta.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)