O esquecimento que seremos: Héctor Abad Faciolince

O esquecimento que seremos

O esquecimento que seremos

O esquecimento que seremos é um romance biográfico escrito pelo autor colombiano Héctor Abad Faciolince. A obra —inspirada em seu pai, o médico, político e professor Héctor Joaquín Abad Gómez— foi publicada pela editora Planeta em 2005. Após seu lançamento, o título teve três edições adicionais, o que refletiu seu sucesso comercial. Depois de algum tempo, cerca de quarenta novas tiragens foram feitas para impressão.

Só na Colômbia O esquecimento que seremos atingiu mais de 200.000 cópias vendidas nos anos seguintes. Foi assim que, mais tarde, tornou-se um texto cult. Ao mesmo tempo, o livro de Héctor Abad Faciolince obteve edições em países como México e Espanha, tornando-se um dos títulos literários mais lidos em toda a América Latina.

Sinopse de O esquecimento que seremos

Tudo começou com um poema

A poesia pode ser muito poderosa, pois tem a capacidade de sugerir imagens e fazer o leitor mergulhar nos mundos impostos pelo poeta. Isso ocorre claramente em O esquecimento que seremos, como o nome desse romance é inspirado em um poema da professora Jorge Luis Borges: "Aqui hoje". A história em torno desse fato é trágica, mas trouxe consigo um dos títulos mais importantes da literatura latino-americana contemporânea do século XXI.

O protagonista deste livro é o pai do autor, Héctor Abad Gómez, um médico que, durante anos, lutou pelos direitos humanos em seu país. Em 1987, após fazer várias denúncias contra grupos paramilitares, foi assassinado. Um dos curiosos acontecimentos deste infeliz acontecimento foi um bilhete encontrado num dos bolsos do defunto: o primeiro verso da soneto de Borges.

Uma carta de amor ao pai

Na época, o autor tcheco Franz Kafka, criador de obras clássicas famosas como Metamorfose (1912) ou Contemplação (do mesmo ano), escreveu Carta ao pai (1919). Esta epístola retrata enfaticamente a relação tensa que Kafka mantinha com seu pai autoritário e intimidador. Como contraste, O esquecimento que seremos, de Héctor Abad Faciolince, é uma carta de amor, onde o jornalista se coloca no lugar da criança que foi, e revela ao leitor seus sentimentos mais íntimos e ternos.

Este romance É a crônica não linear de uma vida, pois os acontecimentos são contados em várias linhas do tempo. A razão desta estruturação é simples: é a forma como Abad Faciolince se lembra do pai, razão pela qual decidiu homenageá-lo dessa forma. É notável a linguagem sincera e evocativa utilizada pelo autor ao longo de sua criação, o que torna o texto extremamente intimista.

Segundo o escritor, ele levou quase vinte anos para escrever sua obra. Isso se deve ao desconforto emocional que as lembranças de sua infância e juventude ainda lhe causam. Entre esses eventos traumáticos, além do assassinato de seu pai, destaca-se a morte prematura de sua irmã.

Uma biografia transformada em filme

Héctor Abad Faciolince afirma que amou seu pai com um amor que não voltou a sentir até o dia em que seus próprios filhos nasceram. Este sentimento, juntamente com o pertencimento à família e a proteção que ela gera se materializam no fogo em cada página da obra.

Tal foi a comoção que o texto produziu que, alguns anos depois, o autor foi proposto para rodar um longa-metragem baseado em O esquecimento que seremos. A princípio, Abad Faciolince desconfiou da ideia, pois a história que forjou em mais de trezentas páginas ainda desperta nele emoções convulsivas. No entanto, ele mais tarde considerou melhor.

No entanto, da mesma forma, o autor pensou que, se seu romance fosse transformado em filmeele tinha que ter certeza de que a cadeira do diretor foi ocupada por o espanhol Fernando Trueba. No entanto, o renomado cineasta, em primeira instância, recusou, não se vendo capaz de enfrentar “um livro tão bom”.

O amor infinito é um sucesso garantido

Contra todas as probabilidades, o autor convenceu o diretor e isso resultou na estréia do filme O esquecimento que seremos (2019). O roteiro do filme foi escrito por David Trueba, que é irmão do cineasta e premiado escritor de textos cinematográficos. A família Abad chorou em seus assentos quando as palavras de Hector e a história de seu pai, seu povo e seu país ganharam vida na tela grande.

Quem foi Hector Abad Gomez?

Héctor Joaquín Abad Gómez foi um médico colombiano, professor universitário, ativista de direitos humanos e ensaísta. Nasceu em Jericó, Antioquia, Colômbia, em 2 de dezembro de 1921. Em vida, pertenceu ao Partido Liberal Colombiano. Suas afiliações políticas, aliadas à sua atuação como divulgador e defensor de novas leis de saúde pública, fizeram dele alvo de múltiplos inimigos.

Um dia, em 1987, em Medellín, Abad Gómez fez um discurso no qual acusou os grupos paramilitares de serem responsáveis ​​pelos sequestros e desaparecimentos de ativistas, políticos e líderes sociais de esquerda, a quem acusavam de serem insurgentes. Depois de várias ameaças, o médico foi morto, deixando esposa e seis filhos, incluindo o autor do romance.

Aqui hojepor Jorge Luís Borges

"Já somos o esquecimento que seremos.

A poeira elemental que nos ignora

e o que era o Adão vermelho e o que ele é agora

todos os homens e isso não veremos.

Já estamos na sepultura as duas datas

do começo e do fim, a caixa,

a obscena corrupção e o sudário,

os ritos de morte e as lamentações fúnebres.

Eu não sou o tolo que se apega

ao som mágico de seu nome;

penso com esperança naquele homem

quem não saberá que estive na terra.

Sob o azul indiferente do céu

esta meditação é um consolo.”

Sobre o autor, Héctor Abad Faciolince

Hector Abad Faciolince

Hector Abad Faciolince

Héctor Abad Faciolince nasceu em 1958, em Medellín, Colômbia. Fez cursos introdutórios como Medicina, Literatura, Filosofia e Jornalismo. Ao final, optou por Línguas e Literaturas Modernas, graduando-se pela Universidade de Torino, na Itália.

Mais tarde, trabalhou como comunicador na revista Semana. Em 2008, o autor passou a integrar a equipe do jornal El Espectador, onde trabalhou como consultor editorial e colunista.

Como escritor, Abad Faciolince ganhou vários prêmios notáveis ​​graças às suas obras. Alguns desses reconhecimentos são: Prêmio Nacional de Contos (1981); Bolsa Nacional de Novela (1994); e Prêmio Simón Bolívar de Jornalismo de Opinião (1998). Fora de seu país natal, recebeu o Prêmio Casa de América de Narrativa Inovadora (2000), na Espanha.

No entanto, uma de suas homenagens mais importantes foi feita a ele na China. Isso é sobre o Prêmio de Melhor Romance Estrangeiro do Ano por estreitooh O esquecimento que seremos.

Outros livros de Héctor Abad Faciolince

  • Assuntos de um fidalgo dissoluto (1994);
  • Fragmentos de amor sorrateiro (1998);
  • Lixo (2000);
  • estreito (2004);
  • amanhecer de um marido (2008);
  • o oculto (2014);
  • Exceto meu coração, está tudo bem (2022).

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.