Mario Villén Lucena. Entrevista com a autora de Nazarí

Fotografia: Mario Villén Lucena. Perfil do Facebook.

Mário Villen Lucena, Escritor de gênero nascido em Granada histórico, já publicou alguns romances. O último é Nasrid, uma ficção sobre a fundação do emirado de Granada, que acompanha O escudo de granada y 40 dias de fogo, também definido no momento. Eu realmente aprecio seu tempo e gentileza por isso Entrevista onde ele fala sobre eles e sobre tudo um pouco.

Mario Villén Lucena - Entrevista 

  • NOTÍCIAS DE LITERATURA: Nasrid é o seu novo romance de gênero histórico. O que você nos fala sobre isso e de onde surgiu a ideia?

MARIO VILLEN LUCENA: A história contada em Nazarí Eu me deparei com isso quando estava documentando para o meu primeiro livro, há mais de dez anos. Naquela época não me sentia preparado para escrevê-lo, mas vários anos depois, com as filmagens feitas, comecei a trabalhar nele. 

Neste livro o Fundação do emirado Nasrid de Granada e a origem da dinastia que o governou por mais de dois séculos e meio. O primeiro emir Nasrid foi Ibn al-Ahmar. Após a batalha de Las Navas de Tolosa, ele conseguiu reunir os restos mortais de al-Andalus e formar com eles um forte emirado. Entre muitas outras coisas, ele começou construção da Alhambra

Do outro lado da fronteira, a história de Ferdinand III, que unificou definitivamente Castela e Leão e conquistou lugares importantes como Córdoba, Jaén e Sevilha. 

  • AL: Você consegue se lembrar daquele primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

MVL: O primeiro livro que lembro de ter lido é O arquiteto e imperador da Arábia. Foi publicado em uma coleção juvenil, mas não me lembro do autor. 

A primeira coisa que escrevi foi um poema sobre a morte, com pouco mais de 11 ou 12 anos. Um pouco sombrio. 

  • AL: Um redator principal? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas. 

MVL: Vou citar dois: Amin maalouf y Tariq Ali. Ambos escreveram um romance histórico muito lírico, com grande atenção aos personagens e seus sentimentos. Eu amo a maneira como eles narram. Ambos escreveram sobre al-Andalus.  

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

MVL: Umarde Na sombra da romã. Devo admitir que tomei como referência para construir um de meus personagens em O escudo de granada. Sua personalidade me fascinou. 

  • AL: Algum hábito ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler?

MVL: Eu costumo usar Música para escrever, para me inspirar e para eliminar ruídos irritantes. Além disso, acho que não há mania digna de nota. 

Sobre minhas leituras, geralmente leio em Kindle e estou controlando o percentagem Lendo. Tento impor um ritmo diário e tento obedecê-lo, mas também não sou obcecada pelo assunto. 

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

MVL: Acho que a falta de tempo, um mal tão típico dos nossos dias, faz com que não tenha muitos escrúpulos para escrever ou ler. Em qualquer lugar e a qualquer hora eles valem. Se eles me deram uma escolha, eu prefiro escreva logo pela manhã, apenas desperte. 

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta?

MVL: O histórico é o meu preferido, mas também gosto do romance contemporâneo. Li quase tudo, mas no momento só quero escrever um romance histórico. Em um futuro Eu não descarto tentar com outros gêneros. 

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

MVL: Agora estou lendo O curandeiro de cavalosde Gonzalo Giner. Estou adorando. 

Estou em fase de revisão de um manuscrito e documentando para um novo. Eu reservo o tema ... 

  • AL: Como você acha que é a cena editorial? Muitos autores e poucos leitores?

MVL: Vivemos um momento delicado no mundo editorial. Mesmo antes da pandemia, o mercado havia mudado. O pirataria fez e continua a causar muitos danos. Na Espanha você lê muito, mas não compra tudo o que lê. A pandemia agravou a situação para os editores. As consequências ainda estão para ser vistas, mas não parece bom. Na minha opinião, eles serão feitos apuestas mais seguro, ele correrá pouco risco, as tiragens serão encurtadas e menos será investido em promoção. 

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou você pode guardar algo positivo para histórias futuras?

MVL: Publiquei em junho de 2020, em plena pandemia, com muitas livrarias fechadas e com controle da lotação em que estavam abertas. Tem sido um ano difícil, mas Nasrid Não foi nada mal. O positivo de tudo isso, o que eu acho que tiramos dessa situação para que ela fique conosco, são os eventos virtuais. Apresentações, encontros literários, palestras ... As restrições nos obrigaram a um caminho alternativo bastante interessante que gostaria que complementasse os atos tradicionais quando tudo isso acontecer. 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)