Carla Montero. Entrevista com o autor de The Fire Medallion

Fotografia: Carla Montero, perfil no Twitter.

Carla Montero Ele estudou Direito e Administração de Empresas, mas os últimos anos se dedicaram à literatura. Ele ganhou Prêmio Círculo de Leitores de Romance com Uma senhora em jogo, seu primeiro sucesso. Então eles continuaram A mesa esmeralda, A pele dourada, O inverno em seu rosto ou O Jardim Feminino Verelli. Seu último romance é O medalhão de fogo e foi lançado em outubro passado. Agradeço-lhe muito seu tempo e gentileza em me conceder Nesta entrevista em que ele fala sobre ela e outros tópicos.

Carla Montero - Entrevista

  • LITERATURA ATUAL: O título do seu romance é O medalhão de fogo. O que você nos fala sobre isso e de onde surgiu a ideia?

CARLA MONTERO: O medalhão de fogo pegue alguns dos personagens de um romance anterior meu, A mesa esmeralda, para embarcá-los em um nova aventura em busca da relíquia que dá título ao livro. Ana Garcia-Brest, um jovem historiador de arte, e Martin Lohse, um misterioso caçador de tesouros, são os protagonistas desta trama que os leva através Madrid, Berlim, Zurique, São Petersburgo ou Istambul em uma corrida perigosa para obter a joia.

Durante a pesquisa, eles se conectarão com um história do passado ocorrendo em Berlim, em maio 1945, logo após os soviéticos tomarem a cidade e terminar a Segunda Guerra Mundial na Europa. Neste cenário convergem vários personagens que têm muito a ver com o medalhão: Katya, uma atiradora russa; Eric, um cientista alemão; Ramiro, um estudante espanholE Peter Hanke, um ex-agente da Gestapo.

A idéia de retomar os personagens de A mesa esmeralda É algo que, ao longo desses dez anos, desde a publicação deste romance, venho sugerindo o público. Isso, junto com outros tópicos que eu queria discutir e que pareciam se encaixar perfeitamente com o projeto, levou a O medalhão de fogo.

  • AL: Você pode voltar ao primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

CM: Não, não me lembro do primeiro livro que li. Pode ter sido uma história em quadrinhos, quando eu era pequeno eu os amava, também os livros de Elena Fortun, Os cinco, The Hollisters... Talvez o primeiro livro adulto que li foi Rebecade Daphne du maurier, e isso me surpreendeu. A primeira coisa que escrevi foi um aventura romântica, à mão, em fólios, por ser adolescente.

  • AL: Um redator principal? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas. 

CM: eu tenho muitos autores favoritos, não consigo escolher um. Jane Austen, as irmãs bronteCharles Diabo, Óscar Wilde, Ágata Christie, Hemingway, Scott-Fitzgerald, Ken Folheto, Rosamunde pilcher, Michael Delibes, Elena Fortún ... Buf, é que eu deixei tantos ...

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar? 

CM: A Jane Eyre e o Sr. Rochester.

  • AL: Algum hábito ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler? 

CM: não. Devido às minhas circunstâncias como membro de uma grande família, escrevo onde posso, como e quando posso.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer? 

CM: Se posso escolher, prefiro os momentos de silêncio e solidão, na minha mesa em frente à janela, com um chá, que acaba esfriando, e uma vela acesa. 

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta?

CM: Tudo menos o terror -exceto alguns clássicos- e ficção científica

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

CM:Homens sem mulheresde Murakami. E escrever, estou escrevendo alguns entrevistas.

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial e o que fez com que você tentasse publicar?

CM: Eu Eu decidi publicar o Prêmio Círculo de Leitores de Romance. Até então, não tinha tido vocação para publicar, escrevia para meu próprio prazer. Mas me deparei com esse prêmio recém-anunciado e o fato de ter sido votado exclusivamente pelos leitores me incentivou a me apresentar. Ganhei e isso me trouxe onde estou hoje, doze anos depois e com seis romances publicados.

Atualmente, a existência de inúmeras plataformas de autopublicação É uma boa vitrine para dar o salto para o mundo editorial. Também é verdade que há muita concorrência e, pelo que ouvi, é difícil encontrar obras que aliam qualidade e orientação comercial.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou você pode guardar algo positivo para histórias futuras?

CM: A situação atual não está me afetando a nível profissional, em todo caso, está melhorando porque esses anos de pandemia as pessoas recuperaram o gosto pela leitura como forma prioritária de lazer. Em qualquer caso, Não acho que essa pandemia me inspire. Eu, pela minha parte, tenho o suficiente para vivê-lo, não quero que faça parte das minhas histórias também. Não é nem mesmo um assunto atraente para mim como leitor.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.