O que você faria se tivesse dois meses de vida? Entrevista com Santiago Díaz, autor de Talión

Santiago Díaz: Roteirista de Yo Soy Bea ou O Segredo de Puente Viejo e autor de Talión.

Santiago Díaz: Roteirista de Yo Soy Bea ou O Segredo de Puente Viejo e autor de Talión.

Temos o prazer de ter hoje em nosso blog com Santiago Diaz Cortes (Madri, 1971), escritor de mais de 500 scripts de televisão. Santiago é o autor do romance preto que emociona os leitores: Talion, publicado pela Planeta.

Talion É um romance que quebra os esquemas do gênero. Protagonizada por Martha Aguilera, uma mulher fria e solitária, com um relacionamento que acaba de terminar, que não tem família, sem laços afetivos. Marta é jornalista e, ao investigar uma rede de tráfico de armas para seu jornal, recebe notícias que vão mudar seu destino: um tumor ameaça sua saúde e ele mal tem dois meses de vida. O mais chocante da situação é que Marta Aguilera Ele decide usar esses dois meses para fazer justiça, aplicando a lei Talión.

Notícias da literatura: um romance, Talion, e duas perguntas ao leitor: O que você faria se tivesse dois meses de vida? E é legal aplicar a lei de retaliação a criminosos recorrentes: pedófilos, terroristas, traficantes de mulheres, grupos extremistas violentos ...?

Que reação você espera de seus leitores ao lerem seu romance? Que mudanças você quer produzir em nós?

Santiago Diaz Cortés: Como você disse, quero que o leitor faça essas duas perguntas. Suponho que, como a maioria de nós tem laços emocionais, passaríamos os dois meses com nossas famílias e amigos. Mas e se conseguíssemos eliminar esse componente da equação e estivéssemos realmente sozinhos no mundo? Será que realmente íamos deitar na praia ou tentar deixar nossa marca? Não sei se o que Marta Aguilera faz é o ideal, mas é a opção dela. E no que diz respeito à segunda pergunta, todos respondemos inicialmente que não se justifica aplicar a lei da retaliação, mas à medida que a leitura avança e encontramos vítimas e vilões, essa segurança inicial vacila e podemos desejar que Marta destrua o bandidos sem compaixão. No final das contas, além de me divertir lendo uma história empolgante, quero dar uma pausa aos leitores.

AL: Com um tema de tamanha profundidade e duas perguntas tão diretas e complexas, você recebeu muitas respostas? Existem leitores que compartilharam com você o que fariam?

CD: Muitos leitores do Talión asseguram que, na mesma situação do protagonista, também levariam alguns canalhas à frente. Honestamente, acho que dizemos isso por causa da raiva que às vezes nos produz quando vemos que alguns criminosos responsáveis ​​por crimes chocantes não pagam como gostaríamos. Mas, na hora da verdade, somos civilizados e todos confiamos na justiça, embora às vezes discordemos e saiamos às ruas para protestar, algo que me parece muito necessário. Se aplicássemos a lei da retaliação novamente, nossa civilização voltaria vários séculos.

AL: Por trás do desejo de vingança de Marta Aguilera estão muitas frustrações e emoções feridas: desde o desencanto da sociedade diante dos atos cruéis de violência que ficam impunes até a solidão em que vive motivada por uma incapacidade crônica de sentir empatia. «A verdade é que não me lembro de nunca me sentir culpado por nada.»Afirma o protagonista em um ponto do romance.

O que mais pesa na decisão de Marta? O que deve acontecer a uma pessoa para que, sabendo que ficará impune, decida aplicar a lei Talión e fazer justiça onde considerar que não existe?

CD: O que leva Marta a fazer o que ela faz, além daquela falta de empatia inicial de que você fala, é não ter futuro e não sofrer consequências pelos seus atos, nem por si mesma nem pelos que a cercam. Ao longo da história, ela conhece personagens que precisam de alguém para fazer justiça em seu nome e algo dentro dela começa a mudar. De repente, e talvez por causa daquele tumor, ela começa a sentir coisas por aqueles ao seu redor, ela experimenta um sentimento que antes não conhecia e surge o ódio por aqueles que destruíram sua vida. Então, como ela mesma diz, ela decide deixar este mundo limpando um pouco de sujeira ...

AL: O romance tem um lado A, Marta Aguilera, determinada a dar suas últimas semanas de vida para fazer justiça social e um B, Daniela Gutiérrez, a inspetora de polícia encarregada de detê-la apesar de ser acusada de raiva e desejo de vingança , depois que seu marido e um de seus filhos foram mortos em um ataque terrorista. A terceira pergunta ao leitor é o que eles teriam feito se estivessem no lugar de Daniela?

Talión: O que você faria se tivesse dois meses de vida?

Talión: O que você faria se tivesse dois meses de vida?

CD: Até o momento em que conhecemos a história pessoal do Inspetor Gutiérrez - e apesar de termos sofrido de vítimas como Nicoleta, Eric ou Jesús Gala "Pichichi" - tínhamos conseguido nos manter emocionalmente seguros, mas quando acompanhamos Daniela como mulher, sofremos com ela a maldade dos criminosos e começamos a nos colocar em seu lugar. O que faríamos se a tragédia nos atingisse diretamente? O inspetor Gutiérrez, por causa de sua profissão, sabe que ela deve respeitar a lei, mas a necessidade de vingança às vezes é muito forte e é difícil para ela se conter. Isso a aproxima do assassino que ela deve perseguir e ela duvida ...

AL: Cenários muito diversos em seu romance. A Madri da noite, onde o dinheiro corre entre as drogas e a prostituição de luxo, e a Madri da miséria, dos bairros onde as drogas são traficadas e as crianças vivem no abandono. Até uma parte no País Basco, em Guipúzcoa. O que o norte da Espanha tem no romance policial que, mesmo por um tempinho, você quer se aproximar dele?

CD: Para mim pessoalmente, seja para enviar meus personagens ou para me mudar, eu amo o norte da Espanha ... embora a verdade seja isso tanto quanto o sul. A maravilha do nosso país é que temos tudo o que queremos ao alcance de uma pedra. No norte gosto do clima, da comida e das paisagens, e no sul gosto da praia e da luz. No centro é onde eu moro e onde acontece a maior parte do Talión, mas nos mudamos para o País Basco para discutir a questão da ETA. Faz parte da nossa história recente e, apesar dos arrependimentos, somos um país avançado e acredito que não temos que nos censurar. O resto dos ambientes que retrato, alguns deles tão rudes como La Cañada Real, existem realmente. Ler é a única maneira de entrar nesses lugares e se sentir seguro.

AL: Algum dia veremos a inspetora Daniela Gutiérrez em seus romances?

CD:  Embora ainda não haja certeza, eu diria que sim, se há uma segunda parte do Talión ou em um novo caso que nada tem a ver com esta história. Acho que consegui criar um personagem muito poderoso que muitos leitores gostariam de ver novamente na cena do crime.

AL: Momentos de mudança para as mulheres: o feminismo se tornou um fenômeno massivo, é uma questão para a maioria e não apenas para alguns pequenos grupos de mulheres estigmatizadas por isso. Duas protagonistas femininas para seu primeiro romance, o assassino e a polícia. Qual é a sua mensagem para a sociedade sobre o papel das mulheres e o papel que desempenhamos neste momento?

CD: Acredito que nos aproximamos do momento em que não nos surpreendemos que o presidente de um país, o diretor de uma multinacional ou mesmo um serial killer sejam mulheres. Quando pararmos de falar sobre isso, será quando tivermos realmente alcançado uma igualdade que ainda resiste em alguns aspectos. Felizmente, o machismo vai sendo erradicado aos poucos, até que chegue o dia em que desapareça completamente, mas também é verdade que muitas vezes os homens se sentem intimidados. Eu mesmo duvidei nesta entrevista que me refiro a quem compra o Talión como leitor ou como leitor, e isso também não nos ajuda a normalizar a situação, que penso, afinal, é o que devemos aspirar.

AL: Depois de escrever o guião de séries de muito sucesso e muitas delas extensas em capítulos como El Secreto de Puente Viejo, acompanhado por uma equipa de argumentistas, sentiu a solidão do escritor de novelas?

CD: Sim. Quando você escreve um roteiro, geralmente você faz parte de uma equipe e tem colegas com quem discutir os enredos, já que todos falamos a mesma língua e estamos indo na mesma direção. Durante a escrita de Talión, embora eu tivesse meu irmão Jorge (também escritor e roteirista) e meu parceiro para comentar minhas dúvidas, você tem que tomar as decisões sozinho. Por outro lado, escrever um romance sem as limitações que cercam uma série de televisão ou um filme (orçamento, atores, cenários ...) me encantou. Desfrutei de uma liberdade que não conhecia até agora.

AL: Como é Santiago Díaz como leitor? Qual é aquele livro que você lembra com carinho especial, que te conforta vê-lo na sua estante e relê-lo de vez em quando? Algum autor pelo qual você é apaixonado, do tipo que você compra apenas os que são publicados?

CD: Gosto de ler de tudo, desde romances históricos (me declaro apaixonado por Santiago Posteguillo e suas trilogias sobre imperadores romanos) até os thrillers de Manel Loureiro, a poesia de Marwan (que não conhecia até recentemente, mas admito que descobri nele um especial sensibilidade), o terror de Stephen King e, claro, o romance policial. Nesta área gosto muito de autores, desde clássicos como Agatha Christie, Arthur Conan Doyle, Patricia Highsmith, James Ellroy ou Truman Capote a Don Winslow, Dennis Lehane ... Quanto aos autores espanhóis, é obrigatório mencionar Manuel Vázquez Montalbán , Lorenzo Silva, Dolores Redondo, Alicia Giménez Bartlett, Juan Madrid, Eva García Sáenz de Urturi ...

O livro que reli de vez em quando é "Os números do elefante", do meu irmão Jorge Díaz, um dos melhores romances que já conheci em toda a minha vida, estou falando sério.

E meu escritor favorito… Antes era Paul Auster, mas agora estamos com raiva.

AL: Livro digital ou papel?

CD: Papel, mas reconheço que às vezes digital é muito mais confortável, pois em poucos minutos você tem tudo o que deseja à sua disposição.

AL: Pirataria literária: uma plataforma para novos escritores se darem a conhecer ou danos irreparáveis ​​à produção literária?

CD: Danos irreparáveis ​​à produção literária e, sobretudo, aos autores. Eu entendo que as pessoas querem economizar alguns euros, mas vivemos em sociedade e é preciso ser civilizado e pensar no esforço que dá para escrever um romance para que depois, com o clique de um botão, seja hackeado e dê certo está arruinado. A pirataria de séries, filmes, músicas ou livros deve ser perseguida o mais duramente possível. Achei muito engraçado conversar um dia com um taxista que reclamava de motoristas particulares que pegavam passageiros, chamando-os de piratas porque não pagavam impostos, mas depois ele confessou sem vergonha que estava pirateando séries de televisão.

 AL: O fenômeno da mídia social cria dois tipos de escritores, aqueles que os rejeitam e aqueles que os adoram. Qual é o seu aspecto mais importante, o de um comunicador de massa ou o de um escritor solitário que prefere que sua obra fale por ele?

CD: Eu os odeio e também perco muito tempo com eles. Só tenho uma conta no Facebook que quase não uso, embora esteja começando a perceber sua importância. Eu gostaria de poder ignorá-los, mas tenho medo de sucumbir a eles mais cedo ou mais tarde ... (PS: na verdade, eu já sucumbi e abri uma conta no Twitter: @sdiazcortes)

AL: Quais são os momentos especiais da sua carreira que você viveu e aqueles que deseja ver? Aqueles que um dia você gostaria de contar aos seus netos.

CD: Uma das mais especiais foi quando recebi o primeiro telefonema de Puri Plaza, meu editor do Planeta, contando que Talión havia sido lida e ficara fascinada. Também no dia em que recebi o primeiro exemplar em minha casa, aquele em que vi o meu parceiro ficar emocionado ao ler os agradecimentos e, claro, a apresentação há poucos dias no Centro Cultural El Corte Inglés, onde estive rodeado de todos meus amigos.

O que está por vir eu ainda não sei, mas espero que as coisas me aconteçam pelo menos tão bem ...

AL: Para encerrar, como sempre, vou lhe fazer a pergunta mais íntima que um escritor pode fazer: Por que você escreve?

CD: Em primeiro lugar, porque não consigo pensar numa maneira melhor de ganhar a vida do que contando histórias. Não sei se nasce ou se faz escritor, o que posso assegurar é que não sei fazer outra coisa e que sem isso seria profundamente infeliz. Diante de um teclado é como eu realmente sei me expressar.   

Obrigado Santiago Díaz Cortés, desejo-lhe muitos sucessos em todas as suas facetas, que a sequência não pare e, depois de nos fisgar com TalionEstamos ansiosos para seu próximo romance.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)