Entrevista com Berna González Harbor, autora da série de romances policiais estrelada pela curadora María Ruiz.

Berna González Harbor: autora da série negra estrelada pela curadora María Ruiz.

Berna González Harbor: autora da série negra estrelada pela curadora María Ruiz.

Temos o privilégio e o prazer de ter hoje no nosso blog com Porto Berna González (Santander, 1965): escritor, jornalista e analista da sociedade atual em todas as suas facetas. Sua carreira como jornalista está ligada a El País onde ocupou cargos de destaque como editora de Babelia, vice-diretora do jornal ou enviada especial a países em conflito, entre outros.  

González Harbor entrou pela grande porta do romance policial com seu Série policial estrelada pela comissária María Ruiz.

Notícias da Literatura: Você chega ao romance em 2010, com uma carreira de sucesso e consolidada como jornalista e empresário em um dos grandes nomes da imprensa espanhola: El País. O que ele te chamou sobre literatura, sobre o romance policial?

Porto Berna González:

A literatura me chamava muito antes do jornalismo, desde criança. Mas não fiz um romance até 2010, quando me senti pronto. O romance policial é uma ferramenta perfeita para cavar os buracos da realidade.

AL: Você começa a aventura literária nas mãos de sua protagonista, a comissária de polícia María Ruiz. Depois de duas parcelas, quando os leitores já pediam mais curadoria Ruiz, apostaram no lançamento de uma nova obra sem ela, e nesta última parcela, As lágrimas de Claire Jones, podemos aproveitar seus casos novamente. Vida longa ao Comissário Ruiz?

BGH: Espero que sim, sem dúvida, desde que os leitores se juntem a mim. É mais complicado do que obras independentes, porque sustentar os fios da vida dos protagonistas deve manter não apenas uma coerência interna no livro, mas uma coerência vital de longo prazo que é mais complexa, mas temo que já esteja condenado. Não vou conseguir matar Ruiz.

AL: Sua protagonista é independente, inteligente, bem-sucedida, desencantada, solitária, culta, esportista, sem filhos, solteira, feminista, trabalhadora em tempo integral, introvertida e leal. O que dá Berna para Maria e Maria para Berna?

BGH: Cada vez que nos damos mais, embora contando com as 13 características que você mencionou, acho que só compartilhamos oito e nos diferenciamos em 5. Tanto eu quanto Ruiz, como tantas mulheres atuais, abrimos mão de muito para cumprir sem trégua.

AL: Sua experiência da realidade é muito variada e intensa depois de uma carreira vertiginosa como jornalista de campo participando de grandes momentos da história dos séculos XNUMX e XNUMX. Quanta realidade há em seus romances? Quanto é ficção literária e quanto é jornalismo ficcional que recria imagens da realidade social do momento?

BGH: Tudo é ficção, mas sempre baseado nos casos que me emocionam, que me deixam perplexo na realidade. Dos escândalos de pedofilia aos suicídios em cadeia na France Telecom ou aos estupros coletivos e compartilhados em wasap, tudo tem um pé no que eu não entendo da realidade. Escrever também é uma forma de tentar compreender.

AL: Momentos de mudança para as mulheres, finalmente o feminismo é um assunto para a maioria e não apenas para alguns pequenos grupos de mulheres estigmatizadas por isso. Você, do seu lugar, fala de alto-falante na mão em defesa da igualdade, qual é a sua mensagem para a sociedade sobre o papel da mulher e o papel que desempenhamos neste momento?

BGH: Só desejo que, em cada decisão que tomem, homens e mulheres de qualquer grau de poder se perguntem se estão representando a sociedade. A foto do poder não corresponde à foto da realidade.

As Lágrimas de Claire Jones: Última entrega da curadora María Ruiz.

As Lágrimas de Claire Jones: Última entrega da curadora María Ruiz.

AL: Seu último romance, As lágrimas de Claire Jones, foi publicado ano passado, em 2017, já existe um próximo projeto? Você é daqueles que começam o próximo romance assim que o anterior termina ou precisa de um tempo de regeneração criativa?

BGH: Cada ocasião é diferente. As lágrimas ... me custaram mais porque no meio eu havia escrito uma diferente e me mudei para muito longe. Mas neste caso comecei imediatamente, já tinha María Ruiz e todos os personagens e situações na minha cabeça novamente, então meu corpo pediu por isso. Acho que será muito poderoso.

AL: Pirataria literária: uma plataforma para novos escritores se darem a conhecer ou danos irreparáveis ​​à produção literária?

BGH: Não é um dano à produção, que continuará no meio do caminho, mas aos nossos bolsos. É um roubo macio. Eu não teria migalhas para um caso de romance policial!

AL: Apesar da imagem tradicional do escritor introvertido, trancado e sem exposição social, existe uma nova geração de escritores que tuitam todos os dias, para quem as redes sociais são a sua janela de comunicação para o mundo. Como é seu relacionamento com as redes sociais? O que pesa mais no porto de Berna González, sua faceta de jornalista aberta ao mundo ou de escritora zelosa de sua privacidade?

BGH: É um relacionamento que eu tenho muito ruim, que sempre me incomoda. É mais difícil para mim reconciliar meus dois gorilas lá do que na vida real. Mas acho que um comunicador do século XNUMX - seja por escritor ou jornalista - não pode estar ausente.

AL: Papel ou formato digital?

BGH: Eu leio em todos os formatos.

AL: Como Berna está no papel de leitora? Quais são os livros da sua biblioteca que você releia de tempos em tempos e sempre volta para curtir como da primeira vez? Algum autor que você adora, do tipo que você compra os únicos que são publicados?

BGH: Meu Deus, ler boa literatura é um vício quase comparável a tentar escrevê-la. Gosto de descobrir novos autores, principalmente da América Latina, saboreando novos ritmos, cadências, estilos, argumentos, vozes. Eles estão abalando completamente a forma de contar. Agora mesmo O uruguaio de Mairal, Temporada de furacões por Fernanda Melchor, Conjunto vazio por Verónica Gerber quando tivermos a informação. Esperando eu tenho A dimensão desconhecida pontuado por Nona Fernández. Quanto aos principais autores, ele sempre viveria nos braços de Melville, Borges, Proust e Nooteboom.

AL: Por fim, peço que dê aos leitores um pouco mais de si: Quais são os momentos especiais da sua trajetória profissional? Aqueles que você vai contar aos seus netos.

BGH: Esses são para mim, desculpe. Tento conversar com meus filhos sobre seus cursos, seus amigos, suas coisas e coisinhas, como todo mundo, que na verdade é a melhor coisa que existe. Nossas lições são abundantes. Se um dia eu tiver netos, tentarei saber o que eles têm dentro de mim.

Obrigada, Porto Berna González, desejo que continue colecionando sucessos em cada desafio que empreender e que continue a nos fornecer muitos romances e artigos excelentes para refletir.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)