Javier Pellicer: «Publicar sempre foi muito complicado»

Fotografia: Javier Pellicer. Perfil do Twitter.

Javier Pellicer, escritor de romance histórico, tem novo romance, Lerna, O Legado do Minotauro, que saiu em 8 de outubro. Eu realmente aprecio o tempo que você gastou nisso Entrevista onde fala sobre livros, autores, projetos e o panorama editorial.

ENTREVISTA COM JAVIER PELLICER

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

JAVIER PELLICER: Minhas primeiras leituras não eram livros propriamente ditos, eram história em quadrinhos. Me tornei um leitor graças a Asterix, Mortadelo e Filemón, Homem-Aranha ou Batman. Esse tipo de leitura nunca recebe crédito suficiente, mas acho que é um gênero que pode ser essencial para apresentar o crianças no mundo de literatura.

Quanto à primeira história que escrevi, fui ambicioso (e bastante ingênuo) em ousar todo um trilogia fantástica que, aliás, eu amarrei e ainda guardo. Não porque me orgulhe desse grotesco (ninguém nasce ensinado), mas justamente para que ele me lembre o quanto tenho avançado como escritor.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

JP: Não acho que a resposta seja muito original: O Senhor dos Anéis. Na verdade, eu estava tão apaixonado por isso que era o acionar que ele decidiu ser um escritor. Mais uma vez, ingênuo da minha parte, eu queria emular as artes de Tolkien (daí a trilogia da qual eu estava falando antes). Com o tempo eu obviamente encontrei meu próprio estiloMas estou convencido de que sem o impacto que o trabalho de Tolkien teve sobre mim, eu nunca teria pensado em ser um escritor. Ou talvez sim.

  • AL: Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

JP: Além de Tolkien, eu nomearia outros clássicos como Asimov, Arthur C. Clarke ou Stanislaw Lem. Mais atual, ficaria com Ted chiang, cuja antologia a história da sua vida É o melhor que li nos últimos tempos. O ficção científica Também me influenciou muito. E quanto aos escritores espanhóis, sem dúvida minha principal escolha é Jordi Sierra i Fabra.

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

JP: Eu adoraria conhecer quem eu pessoalmente considero o melhor personagem do gênero fantasia (embora também muito pouco conhecido): Simon Bolthead (protagonista da saga Saudades e arrependimentos, por Tad Williams).

É um personagem muito bem construído em termos de sua evolução, e isso representa melhor do que ninguém aquela jornada de crescimento não do herói clássico, mas do ser humano, na sua passagem de jovem a adulto.

  • AL: Alguma mania quando se trata de escrever ou ler?

JP: Silêncio absoluto. Sem música, sem distrações. No máximo som de chuva. Y café, muito café.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

JP: Geralmente meu escritório, embora quando eu bloqueio Eu gosto de pegar um caderno e uma caneta e sentar no jardim. Sempre de manhã cedo, quando a cabeça ainda retém um pouco daquela sonolência dos sonhos tão propícia à criatividade.

  • AL: O que seu novo romance nos diz, Lerna. O legado do minotauro?

Lerna é adaptação pessoal de um dos mitos fundadores irlandeses incluído em O livro das invasões da Irlanda, com a particularidade de que o coloquei em um contexto histórico como o Idade do bronze, e associei isso a uma cultura emocionante, a civilização minóica do rei minos e o minotauro.

A história começa quando Starn, o filho mais novo do rei Minos, retorna a Creta e descobre que a placidez de que se lembrava se desvaneceu: confrontos familiares e um profecia anunciar o fim da casa dos Minos ameaça seu futuro, e Starn terá que decidir se ele enfrenta essa ameaça ou se parte junto com seu irmão Partolón em busca de um novo lar.

É um Romance de aventura, com carga pesada épico e até mesmo toques de intriga palaciano, mas acima de tudo é um romance de personagem, de suas emoções e sua evolução, porque essa é sempre a minha marca registrada.

  • AL: Outros gêneros que você gosta?

JP: Talvez a questão deva ser de quais gêneros eu não gosto. Eu li e até escrevi quase qualquer registro, seja através de romances ou contos. Um pouco dependendo do momento: ficção científica, fantasia, erótico, histórico, contemporâneo… Acho que mais do que uma questão de gênero, é mais uma questão de boas histórias. O contexto não é tão importante.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

JP: Atualmente estou lendo A voz e a espada, um fabuloso romance histórico de Vic Echegoyen. E eu estou escrevendo, ou melhor, checando, que é possivelmente meu próximo romance. No momento eu só posso revelar que vou dar um pular para frente no tempo. Um grande salto.

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

JP: O mundo editorial sempre foi um guilda complicada, com ou sem crise. Possui algumas particularidades que o tornam muito exigente e onde é difícil se destacar ou mesmo permanecer. No entanto, é verdade que probabilidade isso agora nos dá Internet faz com que muito mais pessoas considerem ser um escritor e editor.

Talvez isso tenha levado a um aumento da concorrência e, aliás, ao excesso de publicações, mas não se engane: publicar sempre foi muito complicado. Ainda assim, se você acredita em si mesmo, é possível. Eu e muitos outros colegas somos a prova.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou será capaz de guardar algo positivo para futuros romances?

JP: É muito difícil tirar algo positivo de uma situação tão dramática para muitos e isso, além disso, está colocando nosso modo de vida normal em xeque. No nível de negócios editoriais nós acorrentamos a crise econômica anterior com esta pandemia, o que está afetando seriamente o ciclo de vida de muitos romances pela impossibilidade de realizar uma promoção adequada. Mas talvez seja o possibilidade de se reinventar, buscar novos caminhos e divulgar ferramentas como a Internet. Eu espero ao menos.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Cristina González Ferreira dito

    A ideia final de transformar essa crise em uma oportunidade de encontrar novas formas de inter-relação é interessante. Obrigado pela nota.

  2.   Gustavo Woltmann dito

    Um charme de entrevista, Javier é um autor muito loquaz, é eloqüente e me fascina que seja fã de Ficção Científica. E sua abordagem para encontrar alternativas para a crise atual é muito encorajadora.
    Gustavo Woltmann.