Jesús Sánchez Adalid. Entrevista com o autor de The Weapons of Light

Fotografia de Jesús Sánchez Adalid: (c) Antonio Amores. Cortesia de Ingenio de Comunicaciones.

Jesus Sánchez Adalid tem um novo romance, Armas de luz. O escritor de romances históricos da Extremadura tem uma uma trajetória tão ampla que está quase perdido no tempo e nas conquistas: A Luz do Oriente, O Mozárabe, O Cativo, A Sublime Porta, O Cavaleiro de Alcántara, Alcazaba... Foi um prazer poder fazer Nesta entrevista com ele. Nele ele nos fala sobre esse novo trabalho e também fala um pouco sobre seus autores favoritos ou o cenário editorial. Eu realmente aprecio seu tempo e gentileza dedicada.

JESÚS SÁNCHEZ ADALID - ENTREVISTA

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Seu novo romance é Armas de luz. O que você pode nos contar sobre ela?

LÍDER JESUS ​​SANCHEZ: Armas de luz é um viagem de alma em direção a um período extremamente interessante da história, o final do século XNUMX e início do século XNUMX. É uma época tão fascinante quanto desconhecida.

Tudo começa quando, por volta do ano 1000, Almanzor repetidamente ameaça o norte da península Hiberiana. Algum navios misteriosos chegam à costa de Tarragona e eles deixam um estranho presente no pequeno porto de Cubelles. As aventuras vitais de dois meninos nos levarão através dos vários territórios da Catalunha, quando o campanhas militares em ritmo acelerado que vai culminar em Cordova.

A ideia veio do encontro com um evento histórico impressionante, mas inexplicavelmente desconhecido. Achei os dados quase por acaso ... Há histórias que parecem aguardar o momento presente para serem escritas.

Tudo começou durante a pesquisa de um romance anterior, quando uma informação muito significativa apareceu nas crônicas islâmicas que era totalmente desconhecida para mim: lOs catalães saquearam Córdoba no início do século XNUMX, quando o califado ainda estava em pleno vigor. Isso aconteceu logo após a morte de Almanzor, e como uma vingança bem planejada. Porque Almanzor antes, no ano 985, ele havia saqueado e destruído Barcelona por sua vez, levando para Córdoba todas as suas riquezas e milhares de cativos.

Os condes catalães nunca se esqueceram disso, nem tampouco o fato de os francos não terem vindo para ajudá-los. A partir de então, eles decidiram se tornar independentes da monarquia franca para começar sua própria jornada, apesar da grande ameaça representada pelos muçulmanos. A ocasião para a vingança veio quando o califado estava envolvido na guerra civil. Os catalães reuniram um grande exército e desceram a Córdoba, que ainda era a cidade mais rica e esplêndida do Ocidente.

Eu procurei recriar fielmente a vida em castelos e campos de guerreiros, as relações peculiares entre nobres e clérigos, a rica cultura monástica, costumes cotidianos, amor, guerra, medo e coragem ... Sempre nos cenários fascinantes de uma terra singularmente bela e acidentada, mas também fértil e cheia de cidades luminosas: Barcelona , Gerona, Seo de Urgell, Vic, Solsona, Besalú, Berga, Manresa, Tortosa, Lérida…; e de grandes mosteiros que estendem sua influência: Santa María de Ripoll, San Cugat, San Juan de las Abadesas, San Pedro de Rodas, San Martín de Canigó… Com o esplêndido Califado Córdoba como pano de fundo.

No meio de tudo isso, um mulher jovem será discutido para libertar-se da escravidão de seu mundo familiar fechado E social.

Outra figura crucial de Armas de luz es olívia, filho dos condes de Cerdanya e Besalú, que no ano 1002 renuncia a sua herança a se tornar um monge. Em meio à confusão e violência, surge um homem cuja sanidade e sabedoria trarão luz, e descobrirá o verdadeiro tesouro, que é de natureza espiritual ...

  • AL: Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

JSA: O primeiro livro que lembro de ter lido era intitulado Eu sou da Extremadura. Era um livro infantil que descreveu coisas da Extremadura e contou histórias de personagens da Extremadura do passado.

Escrevi a primeira história quando tinha 10 anos. Era um história sobre um pianista.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

JSA: Fiquei muito chocado Michael Strogoff de Júlio Verne. Me emocionou, me manteve tenso, me fez viajar ... Nunca consegui esquecer aquela história.

  • AL: Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

JSA: Esta não é uma pergunta fácil de responder no meu caso. Mas eu tento ... Miguel Delibes, como um autor espanhol contemporâneo. pio BarojaBenito Pérez Galdos, Lewis Landman… Estrangeiros: Victor Hugo, Fyodor DostoiévskiLeão Tolstoi, Anton Chekhov, Vladimir Nabokov (eu sou de autores russos ...). Mas também Thomas Mann, Virginia Woolf, Orhan algodão, Nagib Mafoud, Najib Mahfoud… São tantos!

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

JSA: A metade visconde por Italo Calvino quando tivermos a informação.

  • AL: Alguma mania quando se trata de escrever ou ler?

JSA: Eu escrevo com uma caneta de tinta preta no fólio branco. Depois vai para o computador ...  

Eu li por uma janela da minha casa em Alange. Frente a uma paisagem bastante bonita.

  • AL: E qual é o seu local e hora preferidos para fazer isso??

JSA: La anoitecer próximo a essa janela.

  • AL: Algum outro gênero de que você goste além do histórico?

JSA: Não costumo ler romances históricos, pois passo muito tempo lendo história, tratados, crônicas, ensaios ... De resto, leio de tudo um pouco: filosofialivros de viagem clássico, biografias e ainda livros de receitas e gastronomia.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

JSA: Eu li um livro de Eugênio Zolliintitulado Antes do amanhecer. E eu estou escrevendo o roteiro para um documentário de sujeito histórico.

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

JSA: Parece-me que existem muitas oportunidades. O suporte digital é um bom momento para começar. Nunca desanime. A boa notícia é que, apesar da pandemia, o mercado editorial cresceu e é lido muito mais do que há um ano.

  • O momento de crise que estamos vivendo está dificultando para você ou você conseguirá ficar com algo positivo?

JSA: É uma época terrível. Mas, no meu caso, Tenho sido capaz de refletir e trabalhar com maior quietude e concentração.

Os tempos em que vivemos são realmente tristes, sombrios ... Estamos perante uma situação nova e inesperada. Todos nós, crescidos em uma cultura que cada vez mais tenta banir a dor e a morte, somos repentinamente confrontados com fragilidade e impotência. As perguntas nos chegam direta e violentamente pelo perigo iminente e pelo medo que nos agita. É o medo de ficar doente, de ser sequestrado em uma unidade de terapia intensiva ... É, enfim, o medo de morrer. A pandemia nos devolveu à morte, o acontecimento mais terrível e intransponível para muitos.

Já me deparei com situações muito dolorosas. Mas também este raro momento, como todas as circunstâncias adversas, tem seus ensinamentos e seus momentos de conforto e luz. Não há espaço suficiente aqui para contar os casos com a descrição necessária. Basta dizer que Estou descobrindo coisas interessantes sobre o ser humanoQue maravilha que somos! Uma mistura misteriosa de sombras e luzes ... Há pessoas que me procuram, muitas vezes maravilhadas, por terem descoberto internamente, pelo encontro com tantas virtudes humanas que ficaram latentes e que agora vêm à tona ... Amizades recuperadas, Famílias desunidas que se reencontram, ligações inesperadas, perdão, reconciliação, atos heróicos, desinteresse, amor sincero ... Tenho certeza que de agora em diante nada mais será o mesmo!


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)