Diário do ano da peste

No início do século 1722, em XNUMX, o livro Diário do ano da peste pelo escritor e jornalista britânico Daniel Defoe. Assim, o escritor também conhecido por seu romance Robinson cruose, narrou o que aconteceu durante a grande praga de Londres em 1665. Portanto, deve-se notar desde o início que este romance de ficção foi publicado meio século depois que a epidemia ocorreu na Inglaterra.

Portanto, embora o autor apareça como narrador-testemunha, a verdade é que quando a peste atingiu Londres, ele tinha apenas cinco anos. Quer dizer, o leitor se encontra diante de uma obra-prima da história detalhada e "experiencial", baseado em eventos reais (nunca experimentados por seu escritor). Porém, é um trabalho jornalístico com depoimentos e registros reais da época.

Biografia de Daniel Defoe

Daniel Defoe, ao que parece, nasceu em Londres em 10 de outubro de 1660 e morreu naquela cidade em 24 de abril de 1731. Ele também é considerado um dos pioneiros do gênero novelístico, universalmente reconhecido por sua primeira obra de ficção. Robinson Crusoe (1719). também Destacou-se como jornalista, a ponto de ser o criador da chamada imprensa econômica.

Além disso, dedicou sua vida a atividades comerciais muito diversas, que incluíam o setor têxtil ou a venda de tijolos, por exemplo. Anteriormente, ele havia iniciado a carreira eclesiástica, mas a abandonou por causa de sua motivação empresarial permanente. Mais tarde, Ele fazia parte do governo por meio dos serviços secretos de seu país, trabalhando em uma revista de apoio a um determinado setor político.

Daniel Defoe: o homem

O escritor britânico era filho de pais presbiterianos, conhecido por discordar de importantes doutrinas da Igreja da Inglaterra. Seu pai James era um açougueiro dedicado, enquanto aos 10 anos ele ficou órfão de sua mãe Annie. Cabe ressaltar que Aos sete anos iniciou a sua formação académica em várias escolas, abandonando-a para se tornar comerciante.

No entanto, é amplamente conhecido o fracasso em sua vida de comerciante, marcado por um forte e permanente endividamento que o levou à prisão. Apesar disso, ele tomaria um barco e algumas terras, sem obter resultados benéficos. Alem disso, ele insistiu em tentar a sorte na vida amorosa; em 1684 casou-se com Mary Tuffley, com quem teve oito filhos.

Vida política e literária

Em 1701, Daniel Defoe publicou a primeira obra com a qual ganharia algum reconhecimento, Inglês verdadeiro. Sobre esta publicação, deve-se notar que o escritor britânico se posicionou em defesa do rei Guilherme III. Desta forma, sua disposição panfletária (pela qual era bem conhecido e tinha problemas perante a lei) seria confirmada.

Na verdade, Defoe foi preso por causa do panfleto O caminho mais curto com os dissidentes, uma paródia sobre os Conservadores da Igreja. Desde que ele colocou o mencionado "no pelourinho" e os expôs ao escárnio público (daí surgiu o seu Hino ao Pelourinho) O leitor pode usar esses dois textos para compreender o caráter político de seus textos anteriores aos romances que o tornariam famoso.

Sua novelística

Sobre as obras de ficção publicadas por Daniel Defoe, um romance de 1719 intitulado Robinson Crusoe. Graças a este título, Defoe ganhou reconhecimento universal. Nele, ele relata as situações extremas de um homem que naufragou. (Inspirado na história verídica do marinheiro Alexander Selkirk que naufragou em uma ilha do Pacífico).

Da mesma forma, é necessário mencionar seus outros dois romances importantes: As Aventuras do Capitão Singleton (1720) y Diário do ano da peste (1722). No primeiro, vê-se o amor (gratidão) de um homem por outro que consegue mudar sua vida de perdição e ostracismo social.

Sobre Diário do ano da peste

Estilo e propósito

Neste livro, o leitor encontrará uma espécie de crônica sobre os eventos da grande praga de Londres. Onde o narrador está interessado em contar com precisão, mas não parece estar totalmente envolvido no que aconteceu. Em qualquer caso, Percebe-se que se trata de um estilo literário jornalístico e investigativo muito bem elaborado.

Enquanto Diário do ano da peste é uma obra de ficção, Defoe demonstrou suas habilidades investigativas por meio da coleta de testemunhos reais e registros oficiais. Consequentemente, o leitor pode perceber uma proximidade do aparente protagonista com o narrador. Além disso, o grande objetivo era deixar para a posteridade da memória o impacto da tragédia vivida em 1665 com a peste.

Folga Diário do ano de ...
Diário do ano de ...
Sem classificações

O grande tema do romance

Este romance inglês, cujo enredo cronológico e narração em tom experiencial, trabalha sobre o tema histórico da grande praga de Londres. Como se sabe, a Europa já vivia a tragédia da peste bubônica desde o século XIV. No entanto, os londrinos anteciparam a experiência repetida da mesma epidemia em 1665, com 20% de seus habitantes morrendo.

A visão do autor da tragédia

Da mesma forma, não se pode dizer que se trata apenas de um romance com conteúdo fictício ou anedótico. Pelo contrário, Diário do ano da peste aborda a circunstância epidêmica com alguns fundamentos da medicina. Além disso, Defoe apoiou o problema com estatísticas e evidências de um evento que marcou uma geração.

Por estas razões, o ponto de vista do narrador é dotado de objetividade e contundência suficientes. Da mesma forma, por se tratar de um romance sem diálogo, o leitor vê uma representação bastante confiável das pinturas (isso, por sua vez, confere maior relevância à obra).

Resumo Diário do ano da peste

Esta obra relata com detalhes surpreendentes o que aconteceu durante a grande praga de Londres de 1665. Naquela época, essa doença era um medo latente entre a população do Império Britânico ... que acabou se tornando um verdadeiro pesadelo. Num primeiro momento, Defoe - por meio do narrador - faz sermões sobre a condição humana e contra as supostas causas sobrenaturais da praga.

Em seguida, o relator se dedica a descrever em detalhes as situações sociais cotidianas causadas pela disseminação da doença. Em seu caminho pelas ruas de Londres, o escritor não hesitou em mostrar a parte mais miserável da metrópole por meio de pequenas e chocantes histórias.

Legado

O conteúdo de Diário do ano da peste tem uma validade eterna. Ao longo da história da humanidade, dois eventos de alcance global têm se repetido que confirmam este. A primeira, a epidemia de influenza (gripe aviária, H1N1) de 1918. A segunda, a pandemia Sars-Cov-2, que começou em 2020.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Estelio Mario PEDREAÑEZ dito

    A pandemia de 1918-1920 foi chamada de "Gripe Espanhola" porque atacou soldados que lutavam nas trincheiras francesas durante a Grande Guerra (mais tarde rebatizada de "Primeira Guerra Mundial"), mas a primeira a relatar foi a imprensa espanhola, que era neutra e não era sujeito à censura de guerra. Diz-se que esse vírus sofreu mutação nos Estados Unidos e foi disseminado por soldados que foram lutar na Europa em 1917, embora haja a hipótese de mutações do vírus da gripe comum exposto a armas químicas (gases tóxicos) utilizadas por ambas as partes em o destruidor, a guerra desencadeada pelas ambições expansionistas dos governantes europeus. Milhões de mortos devido à ambição de homens gananciosos que nunca expuseram suas vidas no campo de batalha e quando perderam foram para o exílio como Guilherme II da Alemanha, o genocídio impunemente que ordenou o massacre de Hereros e Namas em 1904-1908 na atualidade- dia Namíbia.

bool (verdadeiro)